Nordeste, o eldorado da construção civil

Com incentivos governamentais, região se transforma em um canteiro de obras e ultrapassa Sul no PIB da construção

Com incentivos governamentais, região se transforma em um canteiro de obras e ultrapassa Sul no PIB da construção

O mercado da construção industrial pós-crise aposta na descentralização dos negócios. Diante deste cenário, todas as atenções se voltam para o Nordeste. Beneficiando-se de incentivos fiscais dados pelos governos da região, indústrias dos mais variados segmentos voltam seus investimentos para estados como Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba, sem contar os “carros-chefes” Bahia e Pernambuco. Dados do ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior revelam que os projetos privados da construção industrial, já contratados para região, ultrapassam os R$ 2 bilhões.

José Carlos Martins, vice-presidente da CBIC: Nordeste sofre efeito multiplicador de uma cadeia industrial que move a região
José Carlos Martins, vice-presidente da CBIC

Existem ainda as obras bancadas pelos próprios governos do Nordeste, que também estimulam os investimentos da construção industrial. São empreendimentos em infraestrutura hídrica, hidrelétrica e rodoviária, que transmitem confiabilidade à região. “O grande problema do Nordeste sempre foi a questão da seca. Com as obras hidroviárias, esse problema será minimizado. Com isso, há toda uma cadeia industrial e comercial que se beneficia, num efeito multiplicador”, avalia o vice-presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins.

Martins também evidencia os investimentos em estradas na região. Entre eles, se destaca a duplicação da BR-101 Nordeste, hoje a maior obra em pavimento de concreto do Brasil. São 335,7 km de duplicação, ligando Natal, no Rio Grande do Norte, a Palmares, em Pernambuco. Três lotes, que correspondem a 145 km, estão sob a responsabilidade do Exército Brasileiro e estão recebendo pavimento em concreto. A Associação Brasileira de Concreto Portland (ABCP) presta assessoria na execução, além de disponibilizar equipamentos de alta performance na execução do pavimento. “É uma obra que vai mudar a cara do Nordeste”, destaca o engenheiro Carlos Roberto Giublin, gerente da regional Sul da ABCP, que ajudou na supervisão da obra.

A duplicação da BR-101 Nordeste será concluída em 2010 e sua construção entra no balanço de obras industriais da região, que vem recebendo estímulos desde 2003. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há seis anos a região participava com 15,1% do PIB da construção, enquanto, no mesmo período, o Sudeste representava 54,8% e o Sul 15,2%. Em 2006 (últimos dados divulgados pelo IBGE para contas regionais), o Nordeste passou a figurar com 16,8% do valor adicionado da construção e o Sudeste registrou participação de 51,5%. No Sul, no mesmo período, a participação foi de 15,5%. Portanto, o Nordeste, entre 2003 e 2006, posicionou-se como a segundo região que mais atrai investimentos da construção, superando o Sul.

Entre 2003 e 2006, o estado nordestino que registrou a maior elevação de sua participação no valor adicionado da construção foi a Paraíba (43%), passando de 0,7 do PIB da construção nacional para 1%. Entretanto, a Bahia segue como o estado da região com o maior volume. Em 2003, representava 5,5% do PIB e em 2006 passou para 6,4% em 2006 – crescimento de 16%. “O Nordeste está crescendo mais do que o resto do País, pois, além dos incentivos, tem boa oferta de mão de obra”, diz José Carlos Martins, da CBIC.

A Datamétrica, consultoria de Pernambuco especializada na economia nordestina, chegou a resultados parecidos com o do IBGE. Percebeu que durante a crise global, deflagrada em setembro de 2008, enquanto as outras regiões do país se retraíram o Nordeste seguiu crescendo. O grupo formado por Sergipe, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí e Maranhão teve crescimento de 7,3% na arrecadação do ICMS entre o início da crise e julho deste ano. “De certa maneira, o Nordeste bancou a política anticrise de outras regiões brasileiras”, analisa o presidente da Datamétrica, Alexandre Rands Barros.

Os organismos ligados à construção civil acreditam que o Nordeste vai crescer ainda mais até 2014. A região, por exemplo, é a que mais abriga sedes para a Copa do Mundo de 2014. Das 12 cidades indicadas pela Fifa, 4 são capitais nordestinas: Salvador, Recife, Fortaleza e Natal. Além das construções de estádios, haverá a contratação de obras de infraestrutura. Para o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, a partir de 2010, o Brasil, mas em especial o Nordeste, “virará um canteiro de obras”. Serão quatro anos de obras, e mais obras, que irão transformar a região”, estima.

Mas não é apenas a Copa 2014 que incentiva a construção civil na região. Do um milhão de casas previstas pelo programa Minha Casa, Minha Vida, em todo o país, 1/3 serão construídas no Nordeste. “Para a região, estão previstas as construções de mais de 343 mil residências dentro do programa, totalizando R$ 1,3 bilhão. Isso vai gerar um grande efeito multiplicador em todos os setores da economia local”, diz o vice-presidente da CBIC, concordando que o Nordeste é novo eldorado da construção civil no Brasil.

Entrevistados:
José Carlos Martins, vice-presidente da CBIC: comunica@cbic.org.br
Carlos Roberto Giublin, gerente da regional Sul da ABCP: roberto.giublin@abcp.org.br

Vogg Branded Content – Jornalista responsável Altair Santos MTB 2330



Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo