Mercado imobiliário brasileiro vive círculo virtuoso

Presidente da ADEMI-RJ, Rogério Chor, atribui ao Minha Casa, Minha Vida o “milagre” que começa a reduzir o déficit habitacional no país.

Presidente da ADEMI-RJ, Rogério Chor, atribui ao Minha Casa, Minha Vida o “milagre” que começa a reduzir o déficit habitacional no país

Por: Altair Santos

A adoção de políticas públicas efetivas para combater o déficit habitacional brasileiro, consolidadas no programa Minha Casa, Minha Vida, é que faz o mercado imobiliário brasileiro viver hoje um momento histórico. A opinião é de Rogério Chor, presidente da ADEMI-RJ, para quem as esferas de governo municipal, estadual e federal finalmente decidiram enfrentar o problema de frente. “A burocracia e o atraso foram substituídos por uma espiral positiva de investimentos. Tudo isso nos traz a sensação de que estamos caminhando na direção certa”, afirma Chor.

O presidente da ADEMI-RJ cita números que mostram como o Brasil está virando a página do déficit habitacional brasileiro. “O Minha Casa, Minha Vida elevou a oferta de imóveis com preço médio até R$ 130 mil de 9% para 40% do total do nosso mercado”, explica. Chor completa, dizendo que novas condições favoráveis de crédito devem impulsionar as famílias com menor poder aquisitivo a adquirir a casa própria. Ele se refere à recente decisão do Conselho Curador do FGTS de ampliar o limite do financiamento com recursos do fundo para a população de baixa renda.

A medida atinge as regiões metropolitanas de São Paulo, Rio e Brasília. O novo teto para o financiamento passa de R$ 130 mil para R$ 170 mil. Nas demais capitais, o valor máximo do imóvel dentro do programa foi elevado de R$ 100 mil para R$ 150 mil. Para municípios com população a partir de 250 mil habitantes ou integrantes de regiões metropolitanas, o valor máximo passará de R$ 80 mil para R$ 130 mil.

Outra mudança acertada foi a elevação do valor máximo para cidades com população a partir de 50 mil habitantes, de R$ 80 mil para R$ 100 mil. Para os demais municípios, o valor segue em R$ 80 mil. Diante destas mudanças, Chor afirma que, agora, o maior desafio das construtoras e incorporadoras é adequar as ofertas imobiliárias para as classes média e média-baixa e oferecer  empreendimentos que atraiam ainda mais os investidores. “O momento é bom para isso. Com a abertura de capital de algumas das maiores incorporadoras do País, e a criação de fundos de investimento, foi possível alongar os prazos de financiamento para o comprador e a parcela a ser paga durante a obra diminuiu sensivelmente”, afirma.

Antes desta nova era do mercado imobiliário brasileiro, as construtoras financiavam no máximo 60% do valor do imóvel durante o período da obra. Hoje, a proporção já chega a 80% em alguns casos. A tendência é que essa margem possa aumentar ainda mais, levando o financiamento da casa própria a se aproximar de um modelo parecido ao praticado hoje para a venda de veículos. Demanda para isso é que não falta. Segundo dados da ABECIP (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), neste ano pelo menos 9 milhões de famílias pretendem comprar casa própria. Em 2008, quando o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida foi implementado, 4,2 milhões tinham esse plano.

Entre os que apontaram intenção de adquirir um imóvel, 83%, ou 7,5 milhões, estão nas classes C (renda familiar de 3 a 10 salários mínimos), D (1 a 3 mínimos) e E (até 1 salário mínimo); 17% são das classes A e B (10 a 20 mínimos). O aumento da renda, o acesso ao crédito e a maior escolaridade são os principais fatores para o impulso. A procura maior é por casas, seguida por terrenos e apartamentos.

Entrevistado
Rogério Chor
Currículo
– Presidente da Construtora CHL (grupo PDG Realty)
– Presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro (Ademi-RJ)

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo