Maior desafio brasileiro é produzir com qualidade

Materiais em não-conformidade, serviços mal executados e projetos que levam a erros de execução ainda predominam em boa parte das obras nacionais

Materiais em não-conformidade, serviços mal executados e projetos que levam a erros de execução ainda predominam em boa parte das obras nacionais

Por: Altair Santos

O Brasil tem programas de gestão de qualidade, normas técnicas e certificadores para cobrar qualidade na construção civil. No entanto, o mercado ainda não se comporta assim. Materiais em não-conformidade, serviços mal executados e projetos que levam a erros de execução ainda predominam em parte das obras nacionais, seja de infraestrutura ou habitacional. De acordo com o engenheiro, e professor-doutor Paulo Henrique Laporte Ambrozewicz, o próprio governo federal dá mau exemplo nesta área. Ele cita o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), onde 70% das obras estão inacabadas. “O VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) de Cuiabá é um exemplo. Os vagões estão enferrujando no pátio e a obra não foi concluída. Isso é planejamento, isso é gestão de qualidade da construção. No caso desta obra, a falta de ambos”, diz.

Paulo Henrique Laporte Ambrozewicz: Brasil precisa criar padrões construtivos
Paulo Henrique Laporte Ambrozewicz: Brasil precisa criar padrões construtivos

Em palestra recente no Congresso de Inovação Tecnológica (Cintec 2015), em Joinville-SC, Paulo Laporte afirmou que o Brasil precisava criar padrões construtivos. O especialista usou os Estados Unidos como exemplo. “Lá, a obra sai com qualidade porque existe um padrão para se construir e todos seguem esse padrão”, afirmou, ao avaliar que o maior desafio brasileiro é produzir com qualidade. “Nossa indústria (a da construção civil) é nômade, pois tem processos inconstantes. Não é um processo industrial. Muda de obra para obra, seja qual for o sistema: estrutura metálica ou estrutura de concreto. Além disso, utiliza mão de obra cíclica e mal treinada para processos e serviços diferentes. Isso gera orçamentos e prazos com baixo grau de precisão, sem contar erros de estrutura e processos ruins de produção que contrariam programas de qualidade. O resultado são projetos mal executados, que geram perdas de dinheiro e de tempo”, cita.

Não é por falta de programas de qualidade que isso ocorre na construção civil brasileira. Em 1990, o país ganhou o PBQP (Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade). Oito anos depois, foi criado o PBQP-H (Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat). Mais recentemente veio o Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC), que utiliza parâmetros da norma ISO 9001. “O objetivo destes programas é promover a concorrência justa, estimular a melhoria contínua, fazer o setor assumir compromissos com a qualidade dos materiais e dos serviços. Mas isso é realidade hoje? Não”, explica Paulo Laporte, lembrando que qualidade e produtividade são portas para o conhecimento. “Certificados de qualidade não se compram. Leva tempo conquistar”, completa.


Inflação compromete qualidade

Paulo Henrique Laporte Ambrozewicz: no PAC, maioria das obras está inacabada
Paulo Henrique Laporte Ambrozewicz: no PAC, maioria das obras está inacabada

O palestrante avalia que há um componente cultural nesse paradigma da qualidade na construção civil. “O consumidor não quer qualidade, quer preço. É cultural. Isso gera dificuldades para construir com qualidade no Brasil”, alerta. Ele aborda ainda que o processo inflacionário pode gerar ainda mais empecilhos para que o país alcance padrões internacionais. “A inflação impacta na qualidade do empreendimento, pois o construtor quer terminar a obra rápido para não ver seu lucro se diluir. Nos anos 1980, vivemos esse cenário”, recorda. Outros obstáculos são tributos e encargos. Paulo Laporte usou um exemplo. “Uma obra que na nota fiscal custa R$ 500 mil vai gerar R$ 100 mil em impostos, R$ 200 mil para pagar a mão de obra – sendo que R$ 100 mil irão para encargos – e R$ 200 mil para a compra de materiais e o lucro do construtor. Então, para tirar sua margem, ele terceiriza os serviços, em vez de contratar diretamente. É um sistema falho? É, mas sem o qual não se sobrevive”, finaliza.

 

Entrevistado
Engenheiro civil, mestre e doutor em engenharia de produção, Paulo Henrique Laporte Ambrozewicz
Contato: contato@grupola.com.br

 Créditos Fotos: Divulgação/Cintec-Intercon 2015

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo