Guia reúne prédios-referência à arquitetura nacional

Edifícios formam coleção de obras de arquitetos que atuaram no Brasil a partir de 1940. Entre eles, Rino Levi, Oswaldo Bratke e Oscar Niemeyer

Edifícios formam coleção de obras de arquitetos que atuaram no Brasil a partir de 1940. Entre eles, Rino Levi, Oswaldo Bratke e Oscar Niemeyer

Por: Altair Santos

Uma lista de 50 prédios considerados emblemáticos sob o ponto de vista arquitetônico integra o projeto Passeios de Arquitetura, criado em 2014 pelo IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil). As edificações foram catalogadas e fazem parte de cinco rotas localizadas no centro da cidade de São Paulo. A ideia nasceu por causa da demanda que o IAB recebe mensalmente, de arquitetos brasileiros e estrangeiros, além de estudantes de arquitetura, que pedem para que o instituto os guie pelas ruas da capital paulista, a fim de mostrar as obras mais relevantes. “Para a escolha dos pontos de interesse arquitetônico levou-se em consideração o conhecimento embasado de autoria e data dos projetos. A partir dessa escolha, têm sido redigidos os verbetes com informações detalhadas de cada lugar. Até o momento, foram elencados 50 pontos, mas sabe-se que ainda existem muitos outros a serem catalogados”, explica Rafael Schimidt, conselheiro superior do IAB.

Rafael Schimidt, do IAB: catalogação deve se estender para outras cidades

Transformado em uma espécie de guia de referência arquitetônica da cidade de São Paulo, o projeto Passeios de Arquitetura contempla edifícios assinados por arquitetos como Rino Levi, Gregori Warchavchik, Oswaldo Bratke e Oscar Niemeyer. Porém, destaca-se a quantidade de edifícios projetados pelo arquiteto Adolf Franz Heep. “Isso ocorre por que a construção dos pontos indicados no guia aconteceu no período de 1940 a 1980. Entre os mais recentes, está o remodelado Instituto de Pesquisa da Santa Casa e alguns prédios localizados dentro do campus da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Porém, vários edifícios foram restaurados e apresentam ampliações contemporâneas”, diz Rafael Schimidt. Para ver estas e outras edificações, basta escolher uma das rotas criadas pelo IAB, que partem sempre de praças paulistanas e abrangem um raio de 600 metros. As rotas são as seguintes: Passeio República, Passeio dom José Gaspar, Passeio Roosevelt, Passeio Rotary e Passeio Arouche.

Em outras cidades
Para conhecer as rotas antecipadamente é possível acessar o site do Passeios de Arquitetura (www.passeiosiabsp.com.br). Segundo Rafael Schimidt, o gerenciamento da plataforma digital permite verificar que o guia é acessado por pessoas em todos os continentes. “Muitos nos escrevem solicitando mais informações e alguns sugerem pontos que ainda não estão indicados nos percursos. Ou seja, o projeto está atingindo os objetivos planejados e desejados e, através das redes sociais, tem ampliado sua abrangência”, afirma. O próximo passo será a criação de passeios guiados. “O objetivo do Passeios de Arquitetura é que as pessoas façam as rotas por conta própria, com o auxílio da plataforma digital acessada pelo celular. Porém, está se cogitando a possibilidade de realizar passeios guiados, já que recebemos muitos pedidos para isso”, completa. A tendência é que arquitetos do próprio IAB, que ajudaram a catalogar os edifícios, se tornem os guias.

Considerado ainda em fase inicial de implantação, o Passeios de Arquitetura tende a agregar mais obras e tem a possibilidade de ser expandido para outras cidades. “Esse trabalho está em pleno andamento e a primeira fase, já concluída, refere-se ao levantamento do conteúdo inicial e ao lançamento da plataforma digital. É possível estender o projeto para outras cidades, mas as ações prioritárias são as seguintes: aumentar a área de abrangência, incluindo outras regiões da cidade de São Paulo; tradução do conteúdo escrito para outras línguas, e interatividade entre os usuários e a plataforma digital”, conclui Rafael Schimidt. Em Curitiba, existe a possibilidade de fazer passeios de arquitetura, a partir das obras de Elgson Ribeiro Gomes. O roteiro está disponível na página do documentário Linhas de Paisagem.

Entrevistado
Arquiteto Rafael Schimidt, professor nos cursos de arquitetura e fotografia do complexo Educacional FMU FIAM FAAM e conselheiro superior do IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil).
Contatos
rafaelps@iabsp.org.br
logoscopio@yahoo.com.br

Créditos Fotos: Divulgação/IAB-SP

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo