Goiânia ajudou a "tropicalizar" concreto autoadensável

Em 2004, graças a estudos desenvolvidos na Universidade Federal de Goiás, cidade foi pioneira no país a usar CAA na construção de edifícios.

Em 2004, graças a estudos desenvolvidos na Universidade Federal de Goiás, cidade foi pioneira no país a usar CAA na construção de edifícios

Por: Altair Santos

A literatura da engenharia civil brasileira traz registros de que a tecnologia do concreto autoadensável (CAA) chegou ao país nos anos 1980. No entanto, o produto só passou a fazer parte do cotidiano das obras a partir de 2004. A cidade de Goiânia tornou-se preponderante para que o CAA passasse a ser empreendido em construções.

André Geyer, da UFG: ele coordenou os estudos e aplicação prática do CAA nas construções.

Foi na capital de Goiás que construtoras, concreteiras, escolas de engenharia e entidades de classe dos engenheiros se uniram para estudar o material, adaptá-lo às condições técnicas e climáticas do Brasil e explorar seu potencial. “A inovação que se fez em Goiânia, a partir de 2004, foi a de se colocar em prática esta técnica na construção de edifícios, utilizando-a em larga escala e a custos compatíveis”, explica André Geyer, professor da Universidade Federal de Goiás (UFG) que na época coordenou os estudos em torno do CAA.

Os esforços para que o concreto autoadensável ganhasse a confiança do mercado se concentraram nos laboratórios do curso de engenharia civil da UFG. “A universidade foi fundamental, pois as pesquisas desenvolvidas tornaram possíveis mostrar que o Brasil já detinha o conhecimento necessário para por em prática o CAA na construção integral de edifícios, a custos, inclusive, menores do que os com estruturas com concretos convencionais. Porém, sem o apoio das empresas de concreto e construtoras que aceitaram este desafio, nada seria possível, o que lhes dá igual importância nesse processo”, revela André Geyer, citando que o CAA precisou ser adaptado para o bom uso no país. “Não havia métodos de dosagens e nem normas próprias para a aplicação deste concreto no Brasil. Foi necessária a tropicalização de métodos de dosagem, de insumos e aditivos, assim como de equipamentos, para tornar possível produzir, executar e controlar a qualidade do CAA”, completa.

O professor-doutor da UFG relembra ainda que um dos desafios para a aplicação em larga escala do concreto autoadensável foi adaptá-lo às condições climáticas de regiões mais quentes do país. “Trata-se de um concreto que utiliza aditivos superplastificantes de última geração, os quais sofrem grande influencia negativa de altas temperaturas ambientais, o que é muito comum em todo Brasil. Assim foi mais difícil adaptar-se à técnica e às condições locais. Mesmo assim, com a criatividade de pesquisadores da Universidade Federal de Goiás isto foi possível e está devidamente registrado em inúmeras dissertações de mestrado geradas nos cursos da UFG”, diz André Geyer, relacionando as vantagens do concreto autoadensável:

· Redução do custo de aplicação por m³ de concreto
· Garantia de excelente acabamento em concreto aparente
· Permite bombeamento em grandes distâncias horizontais e verticais
· Otimização de mão de obra
· Maior rapidez de execução da obra
· Melhoria nas condições de segurança na obra
· Eliminação do ruído provocado pelo vibrador
· Significativa redução nas atividades de espalhamento e de vibração
· Permite a concretagem sem adensamento em regiões com grande densidade de armadura
· Aumento das possibilidades de trabalho com fôrmas de pequenas dimensões
· Redução do custo final da obra em comparação ao sistema de concretagem convencional
· Acelera o lançamento do concreto na estrutura, permitindo concretagens mais rápidas
· Redução da mão de obra no canteiro
· Melhoria do acabamento superficial
· Aumento da durabilidade devido à redução de defeitos de concretagem

Por causa da mobilização em Goiânia pelo uso do CAA, a cidade até hoje é considerada a “capital do concreto autoadensável“. Na cidade, sua aplicação em obras está em torno de 40%, enquanto em outras capitais varia em cerca de 10%. Geyer, no entanto, acredita que a escassez de mão de obra para a construção civil possa tornar o CAA mais “comum” nos canteiros de obras. “Em alguns casos, a execução do concreto autoadensável requer 70% menos mão de obra que na aplicação de um concreto convencional. Isso começa a fazer o CAA expandir seu mercado”, analisa. “Além disso, por se tratar de um concreto mais leve, ele expõe o trabalhador a menos esforços e é mais seguro, principalmente em obras de infraestrutura”, ressalta.

Entrevistado
André Geyer, professor-doutor da Universidade Federal de Goiás
Currículo

– Graduado em engenharia civil pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1986)
– Tem mestrado em engenharia civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995) e doutorado em engenharia civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001)
– Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Goiás. Tem experiência na área de engenharia civil, com ênfase em materiais e componentes de construção, atuando principalmente nos seguintes temas: tecnologia do concreto, concreto de alto desempenho, concreto autoadensável e métodos de dosagem
Contato: andre.geyer@hotmail.com

Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo