Financiamento imobiliário segue com viés de alta

Inadimplência residual, desemprego em baixa e crédito farto mantêm otimismo do setor e também da Caixa Econômica Federal para 2012.

Inadimplência residual, desemprego em baixa e crédito farto mantêm otimismo do setor e também da Caixa Econômica Federal para 2012

Por: Altair Santos

Estudo realizado pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo) revela que o crédito para financiamento imobiliário seguirá com viés de alta ao longo de 2012. Sustentam a projeção dados como uma das menores taxas de inadimplência do setor, estimulada pelo baixo índice de desemprego e por saldo crescente da caderneta de poupança. A Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança) corrobora a expectativa e estima que, através da caderneta de poupança, os recursos para crédito imobiliário ultrapassem os R$ 100 bilhões este ano.

Suely Yara Perez Molinari, gerente regional de habitação e construção civil da Caixa: inadimplência imobiliária é uma das mais baixas da história do banco.

Além de Secovi-SP e Abecip, a Caixa Econômica Federal também tem números que indicam a sustentabilidade do financiamento imobiliário. “Atualmente, a inadimplência da carteira imobiliária da Caixa está em 1,7%. Comparativamente, é uma das menores da história do banco. Em junho de 2003, chegou a 3%. E em tempos de inflação desmedida, a 15%. O setor de crédito imobiliário possui um crescimento sustentável em função da disponibilidade de crédito, aliado a qualidade com que se constitui a carteira, a agilidade da economia e a diminuição do desemprego”, avalia Suely Yara Perez Molinari, gerente regional de habitação e construção civil da Caixa.

Outro instrumento que estimula o financiamento imobiliário é a garantia trazida pela lei 9.514, que a partir de 2007 passou a ser aplicada pelo mercado e que instituiu a alienação fiduciária em substituição à hipoteca, cujo processo judicial de retomada do imóvel é mais demorado. Com a alienação, a propriedade do imóvel é transferida para o banco como garantia e só é repassada para o comprador após a quitação da dívida. Em caso de atraso, a retomada do bem é permitida após 90 dias de inadimplência.

Todos esses componentes estimulam a Caixa Econômica Federal a projetar que em 2012 os recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) irão financiar mais do que as 493 mil unidades de 2011. Explica Suely Yara Perez Molinari, que o SBPE é uma linha de crédito imobiliário para operações enquadradas no Sistema Financeiro Habitacional (SFH), para imóveis com valor até R$ 500 mil, e financiamentos fora do SFH com valor superior a esse. As taxas variam de 9,5% a 12% ao ano.

O SBPE, portanto, não abrange financiamentos de habitações de interesse social. “O financiamento de habitações de interesse social possui linhas específicas mais adequadas a atender as necessidades dessa faixa da população, que é o caso de recursos do OGU (Orçamento Geral da União) e do FAR (Fundo de Arrendamento Residencial) utilizados na faixa I do MCMV (Programa Minha Casa, Minha Vida) e do FGTS, para imóveis com valor até R$ 150 mil (no caso de Curitiba/PR)”, diz Suely Yara Perez Molinari.
Sistemas construtivos

O bom momento do crédito imobiliário também tem aberto oportunidades para que sistemas construtivos inovadores obtenham financiamento na Caixa Econômica Federal. Atualmente, o banco já tem credenciados 36 modelos tecnológicos para a construção civil. “O mercado imobiliário tem buscando alternativas econômicas e sustentáveis e a Caixa sempre apoia as inovações tecnológicas para o setor habitacional, quando elas são devidamente certificadas pelos organismos competentes”, completa a gerente regional de habitação e construção civil da Caixa Econômica.

Entrevistada
Suely Yara Perez Molinari, gerente regional de habitação e construção civil da Caixa Econômica Federal
Currículo

– Formada em administração de empresas e pós-graduada em Gestão de Negócios
– Atua como gerente regional de habitação e construção civil da Caixa Econômica Federal em Curitiba
Contato: comunicacaoregional.pr@caixa.gov.br

Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo