Ferrovias no Brasil: é hora de concretizar essa ideia

País necessita ampliar e modernizar sua malha ferroviária. Mas para que essa revolução ocorra, a indústria do concreto é fundamental

País necessita ampliar e modernizar sua malha ferroviária. Mas para que essa revolução ocorra, a indústria do concreto é fundamental

Recente pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) revelou que o Brasil precisaria investir R$ 54 bilhões para solucionar os gargalos de sua malha ferroviária. O trem hoje é responsável por 25% do transporte de carga no país, mas o ideal seria que representasse pelo menos 38%. Sem investimentos relevantes há 40 anos, a malha ferroviária nacional atual é de 29 mil quilômetros de trilhos, quando já deveria estar em 52 mil.

Tecnologia roda-trilho

Os números mostram que são urgentes os investimentos em ferrovias. Mas a dúvida reside em que tipo de sistema investir, e de que forma. Há consenso de que as linhas de trem que hoje cortam o país, e que ainda utilizam tecnologia da 1.ª metade do século passado, levaram o transporte ferroviário a perder confiabilidade. As composições, por exemplo, trafegam a uma velocidade média de 25 km/h, enquanto no resto do mundo o transporte de cargas é feito a 80 km/h.

Houve avanços pontuais em trechos que foram privatizados a partir de 1996, sobretudo para o transporte de minério de ferro e de contêineres, o que coloca o Brasil como o 7º país em transporte ferroviário de cargas, mas há muito ainda por se fazer. Principalmente quando o assunto é trem de passageiros. Somente agora, com a chegada de eventos como Copa do Mundo 2014 e Olimpíadas 2016, é que o assunto entrou na agenda nacional. Porém, de forma equivocada.

TAV ou Maglev?

Eduardo Guilherme David - Crédito da foto: Maria Goreth

Autor do livro O Futuro das Estradas de Ferro no Brasil, o pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Eduardo Guilherme David, avalia que a aposta do Brasil no Trem de Alta Velocidade (TAV) pode jogar o país numa encruzilhada tecnológica. Segundo ele, a opção não é a mais recomendada para o Brasil. Por dois motivos: o TAV não permitirá conexão com a malha ferroviária já existente e não é o sistema ideal para fazer a fusão entre o transporte ferroviário de longa distância e o transporte público urbano, que é o mais urgente no Brasil.

Segundo Eduardo Guilherme David, o ideal seria que o transporte ferroviário brasileiro optasse pelo sistema de levitação magnética – o Maglev. O modelo foi adotado com sucesso na China – um país ainda mais continental do que o Brasil -, servindo tanto para longas como para curtas distâncias. “O TAV é uma tecnologia de 1959, desenvolvida no Japão, ainda atrelada ao tradicional roda-trilho. No trecho em que ele está sendo proposto (Rio-São Paulo) vai enfrentar muitos problemas por causa da grande densidade populacional e da topografia acidentada. Além do mais, não vai poder operar sobre linhas convencionais e nem compartilhar estações. Não tem sentido focalizar apenas o passado”, avalia.

As vantagens do Maglev, segundo o pesquisador, é que ele permitira também agregar tecnologia nacional, já que há um protótipo desenvolvido na UFRJ, pelo COPPE (Instituto Alberto Luiz Coimbra e Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia). “Existe uma comunidade que estuda levitação magnética no Brasil e é muito respeitada lá fora. No entanto, nunca foi chamada pelo governo para discutir projetos nacionais”, diz Eduardo Guilherme David.

Entre os estudos feitos na UFRJ, um deles é o que permite compatibilizar a nova tecnologia com a antiga malha ferroviária do país. “Uma das patentes do Maglev brasileiro consiste em unificar uma via ferroviária tradicional com novas linhas magnéticas, de tal forma que os sistemas roda-trilho de levitação condutora conviveriam sem problemas. Isso também permitiria que, gradualmente, a tecnologia mais nova fosse aposentando a mais antiga, aproveitando o investimento pronto”, explica o pesquisador.

Tecnologia da ABCP

Na nova proposta ferroviária para o Brasil, a indústria do concreto desponta como uma grande parceira. Por exemplo, a tecnologia de pavimento rodoviário rígido, difundida pela Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), poderia ser adaptada ao transporte ferroviário. Além disso, o Maglev também abre o segmento de obras ferroviárias em estrutura pré-moldada. “O Brasil tem expertise em concreto armado, um setor pouco dependente de exportação e grande empregador. É preciso que a ABCP deixe de ver apenas dormente de concreto como uso potencial do cimento nas ferrovias. Existe um grande mercado virgem a ser explorado”, cita Eduardo Guilherme David.

A grande vantagem do Maglev-Cobra, que é a tecnologia de levitação supercondutora da COPPE-UFRJ, é permitir sua instalação em uma estrutura dimensionada como uma passarela de pedestres. Nestas passarelas a sobrecarga pela norma é de 500 kgf/m², resultando em 1.250 kgf/m² em uma passarela de 2,5 m de largura, que é o padrão. O trem lotado sobrecarrega a via com a taxa de 1.000 kgf/m². Logo, poderia circular sobre uma passarela de pedestres. É esta sua maior força: rapidez de implantação e descentralização, pois existem centenas de fornecedores de passarelas de concreto por todo o Brasil. Outra vantagem é que o Maglev causa menor impacto ambiental, permite ser construído com maior velocidade e tem menor custo operacional. ”A modernização do transporte ferroviário no Brasil está entre as grandes obras de infra-estrutura das quais o país tanto precisa. A hora é agora”, finaliza Guilherme David.

Entrevistado:sirfe@uol.com.br

Jornalista responsável – Altair Santos MTB 2330 – Vogg Branded Content

Maglev Chinês


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo