Ferramenta BIM protagoniza disciplina na Poli-USP

Essencial à nova engenharia, ainda são poucas as universidades brasileiras que ensinam graduandos a elaborar projetos usando o software

Essencial à nova engenharia, ainda são poucas as universidades brasileiras que ensinam graduandos a elaborar projetos usando o software

Por: Altair Santos

Contam-se nos dedos das mãos o número de escolas de engenharia e de arquitetura espalhadas pelo Brasil que possuem em sua grade curricular uma disciplina que ensine a realizar projetos com o software BIM (Building Information Modeling). A ferramenta permite visualizar, em uma plataforma virtual em 3D (tridimensional), os principais projetos de uma obra: arquitetônico, estrutural, hidrossanitário e elétrico. São atualmente nove universidades preocupadas em ensinar seus alunos pelo menos os princípios básicos de operação do BIM. Entre elas, a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, a Poli-USP.

Eduardo Toledo Santos, professor da Poli-USP: faltam professores para ensinar esse novo conceito.
Eduardo Toledo Santos, professor da Poli-USP: faltam professores para ensinar esse novo conceito.

O núcleo à frente da disciplina, chamada de Introdução ao Projeto na Engenharia, além de formar novos engenheiros civis com noções básicas sobre a ferramenta, também desenvolverá outras ações para promover o uso do BIM no Brasil. Entre elas, a orientação de alunos de mestrado e doutorado e a coordenação da comissão da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) que irá criar normas para a plataforma. “Hoje há dificuldade para encontrar fornecedores de serviços experientes com o BIM, o que eleva o custo da implantação, o custo do software e prejudica também o treinamento da equipe”, cita o professor-doutor Eduardo Toledo Santos, do Departamento de Engenharia de Construção Civil (PCC) da USP.

É ele quem está à frente da nova disciplina da universidade, e que procura já envolver os graduandos desde o início do curso. “A matéria começa para alunos do segundo período”. Portanto, ainda sem nenhum conhecimento técnico de engenharia. Dessa forma, trata-se de uma disciplina introdutória, onde os alunos aprendem os conceitos básicos de BIM e a fazer a leitura de projetos (arquitetônicos, de estruturas e de instalações hidrossanitárias e elétricas) e sua modelagem em aplicativos BIM. Também trabalham com a interoperabilidade entre aplicativos. Essa primeira disciplina vai preparar os alunos para usar o BIM em disciplinas de projetos que eles terão adiante no curso”, explica Eduardo Toledo Santos.

Ferramenta BIM: imagem em 3D permite analisar todos os projetos em conjunto, melhorando a qualidade da obra.
Ferramenta BIM: imagem em 3D permite analisar todos os projetos em conjunto, melhorando a qualidade da obra.

Faltam professores
No Brasil, o BIM tem um campo consolidado no estado de São Paulo e busca espaço em outras regiões do país. Tende a avançar, a partir do momento em que organismos governamentais, como o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre), passaram a exigir projetos em BIM em suas licitações. “Grandes obras envolvem orçamentos maiores e grandes quantidades de serviços e materiais. Portanto, erros de projeto ou de planejamento nesse tipo de obra (infraestrutura) trazem consequências. A aplicação do BIM gera economia, pois em uma obra rodoviária, por exemplo, pode reduzir o volume de movimentação de terra”, relata o professor da USP.

Ainda que bem aplicada barateie obras, a tecnologia BIM no Brasil não se compara ao estágio em que ela se encontra em nações como Estados Unidos, Austrália, Reino Unido, países nórdicos e Singapura. Parte deste relativo atraso se deve à demora do software ser estudado nas universidades. “A grande dificuldade é que o corpo docente geralmente não está preparado para ministrar esse novo conceito, nem sabe exatamente como implementá-lo no curso”, finaliza Eduardo Toledo Santos.

Entrevistado
Professor-doutor Eduardo Toledo Santos, do departamento de engenharia de construção civil da Escola Politécnica da USP

Contato
eduardo.toledo@poli.usp.br

Crédito fotos: Divulgação/USP/Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo