Expansão do Canal do Panamá é megaobra de R$ 10 bi

Entre os números impressionantes do empreendimento, está a previsão de consumo de 3 milhões de toneladas de cimento até 2014.

Entre os números impressionantes do empreendimento, está a previsão de consumo de 3 milhões de toneladas de cimento até 2014

Por: Altair Santos

Em 2000, o Canal do Panamá foi eleito pela Associação Norte-americana de Engenheiros Civis, junto com outras seis obras (a ponte Golden Gate, o Eurotúnel, o edifício Empire State, a torre Canadian National, a hidrelétrica de Itaipu e os diques holandeses) uma das sete maravilhas da engenharia do século passado. Portentosa, a obra construída para ligar os oceanos Atlântico e Pacífico – dando competitividade ao transporte marítimo -, levou 34 anos para ficar pronta, envolveu a mão de obra de 42 mil trabalhadores e consumiu 1.564.400 m³ de concreto. Sua inauguração ocorreu em 1914 e para comemorar o centenário, que acontece em 2014, o Canal do Panamá está em processo de expansão.

Construído entre 1880 e 1914: Canal do Panamá consumiu 1.564.400 m³ de concreto.

A nova obra permitirá que os chamados supernavios também cruzem os oceanos Atlântico e Pacífico com mais rapidez. Colossal, o empreendimento já desponta entre as megaconstruções mais importantes em andamento no mundo. Iniciado em 2009, o novo Canal do Panamá deverá ser inaugurado daqui a dois anos. Trata-se de um projeto orçado em US$ 5,25 bilhões (cerca de R$ 10 bilhões) e que consumirá pelo menos 3 milhões de toneladas de cimento. “Se para construir o primeiro Canal do Panamá foi usada pouca máquina e muito trabalho braçal, nesta nova obra a mecanização e a tecnologia estão a serviço da engenharia”, comenta o Diretor de Relações Internacionais do SindusCon-SP, Salvador de Sá Benevides, que em 2009, junto com uma comitiva do sindicato, visitou a instalação do canteiro de obras.

O novo Canal do Panamá na verdade é um desvio de 1,5 quilômetro de extensão, com 95 metros de largura e 60 metros de profundidade, o qual permitirá que embarcações de grande calado, que hoje não conseguem cruzar as comportas existentes, vençam o istmo localizado na América Central. Para isso, foi preciso que a indústria cimenteira localizada no Panamá recebesse investimentos na ordem de R$ 200 milhões, a fim de ampliar sua capacidade produtiva para 1,6 milhão de toneladas por ano. As obras são lideradas por um consórcio que engloba uma série de empresas multinacionais, incluindo a brasileira Gerdau, que fornecerá 17 mil toneladas de aço para a construção.

Mais obras

Nova etapa usa tecnologia avançada: construção, que começou em 2009, ficará pronta em 2014.

A missão do SindusCon-SP que esteve no Panamá vislumbrou que a expansão do canal está viabilizando também outros empreendimentos. Entre as oportunidades, existe a possibilidade de o país da América Central implementar um programa para zerar o déficit habitacional. Com 3,3 milhões de habitantes, o Panamá tem carência de 150 mil unidades residenciais. Há ainda espaço para obras de infraestrutura no país, o que tem feito o governo panamenho facilitar a importação de materiais de construção, permitindo que empresas de engenharia se instalem no país. Além disso, o Panamá tem servido de laboratório para novas tecnologias construtivas. “Em função do novo canal, o país se transformou em um canteiro de obras”, conclui Salvador de Sá Benevides.

Entrevistados
Salvador de Sá Benevides, coordenador da área de eventos e Missões do Comitê de Tecnologia e Qualidade do SindusCon-SP
Currículo
– Salvador de Sá Benevides é arquiteto com pós-graduação em administração de empresas e engenharia de segurança do trabalho
– No SindusCon-SP ocupa o cargo de diretor de relações internacionais e de coordenador da área de eventos e missões do Comitê de Tecnologia e Qualidade
– É diretor superintendente da Simétrica Engenharia
Contatos: sindusconsp@sindusconsp.com.br / simetrica@simetrica.com.br

Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo