Estruturas de concreto de silos viram prédios e hotéis

Regiões portuárias nas cidades de Copenhague e Cidade do Cabo mostram até onde podem chegar os projetos de retrofit

Regiões portuárias nas cidades de Copenhague e Cidade do Cabo mostram até onde podem chegar os projetos de retrofit

Por: Altair Santos

Em Copenhague, um silo de grãos na região portuária da cidade servirá de estrutura para a construção de um edifício residencial de luxo com 17 andares. O esqueleto de concreto do silo será a base para a construção de 40 apartamentos de alto padrão. Além de unidades habitacionais, o prédio também irá acomodar instalações para eventos e restaurantes no piso térreo e no último pavimento. Batizado de “The Silo”, o prédio preserva toda a concepção estrutural de concreto da edificação.

Silo da Cidade do Cabo, em 1955: construído em 1924, funcionou até 2001
Silo da Cidade do Cabo, em 1955: construído em 1924, funcionou até 2001

Segundo Dan Stubbergaard, arquiteto responsável pelo empreendimento, houve todo cuidado para conservar a originalidade da construção. “O conceito arquitetônico para a transformação do The Silo explora todo o potencial original do edifício. Ao mesmo tempo em que preserva as estruturas, elas foram adaptadas para que pudessem receber a nova fachada. É um trabalho de transformação que precisa de atenção nos detalhes, pois se trata de fazer com que um edifício industrial mude para um edifício residencial”, diz.

A construção do The Silo está a cargo do escritório de arquitetura COBE, que também coordena o projeto de revitalização da área portuária onde o silo se localiza. O plano segue a tendência mundial de transformar distritos portuários em locais para habitação, business, turismo e lazer. No caso da capital da Dinamarca, a área em processo de revitalização é o bairro industrial de Nordhavn, que abrange parte do porto da cidade. As obras começaram no final de 2016 e devem se estender até o começo de 2019.

Dan Stubbergaard afirma que a transformação na área portuária pretende aliar um novo espaço cultural em Copenhague com o estilo de vida dos dinamarqueses mais jovens. “A vida urbana da cidade está mudando e o projeto também pretende fazer da região um novo ponto turístico para Copenhague. O objetivo é que o visitante tenha uma experiência multidimensional na região”, completa o arquiteto dinamarquês, considerado atualmente o maior transformador de áreas urbanas de seu país.

Outros silos
A experiência do The Silo da Dinamarca não é única. Outros silos já foram transformados para receber espaços habitáveis. Um dos exemplos clássicos é o hotel The Silo na Cidade do Cabo, na África do Sul. A edificação com 57 metros de altura serviu para armazenar grãos entre 1924 e 2001, quando foi desativada no porto de Table Bay. Após o retrofit, o prédio passou a abrigar um dos hotéis mais luxuosos da região – a diária varia entre 3 mil e 18 mil reais. A inauguração do The Silo sul-africano foi em 1º de março de 2017.

No Brasil, quando surgiu o projeto do Porto Maravilha, também foi incluído o retrofit do Moinho Fluminense – o mais antigo do Brasil – para que seus armazéns fossem transformados em shopping centers, prédios corporativos e um hotel, que utilizaria exatamente a estrutura do silo. O investimento previsto era de R$ 1 bilhão. No entanto, apenas as fachadas dos armazéns foram restauradas e o projeto do silo-hotel acabou adiado. A obra era um plano para a cidade do Rio de Janeiro durante o período em que ela sediou a Copa do Mundo de 2014 e os jogos olímpicos de 2016.

Veja vídeo sobre o retrofit do The Silo da Cidade do Cabo

Entrevistados
– Arquiteto Dan Stubbergaard, diretor do escritório dinamarquês COBE
– Assessoria de imprensa do The Silo Cape Town

Contatos
press@cobe.dk
info@thesilohotel.com

Crédito Fotos: The Silo, COBE, Cidade do Rio.

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo