Mercado já rejeita engenheiro que não fale inglês

Não basta dominar termos técnicos. A nova realidade exige conversação fluente, apesar de apenas 5% dos brasileiros dominarem o idioma estrangeiro

Não basta dominar termos técnicos. A nova realidade exige conversação fluente, apesar de apenas 5% dos brasileiros dominarem o idioma estrangeiro

Por: Altair Santos

A formação técnica do engenheiro está cada vez mais dependente da língua inglesa. Durante os cursos de graduação, compreender textos escritos em inglês faz a diferença para ter acesso a livros e artigos publicados fora do país, e que agregam conhecimento ao universo acadêmico. Para quem tem a pretensão de fazer mestrado e doutorado, o idioma se torna ainda mais indispensável.

Falar inglês está se tornando necessidade básica para engenheiros e arquitetos
Falar inglês está se tornando necessidade básica para engenheiros e arquitetos

Já no âmbito do mercado de trabalho, a língua estrangeira tornou-se imprescindível. Em boa parte das empresas, o domínio da língua inglesa não é mais visto como um plus curricular, mas uma obrigação do candidato. Alemão e espanhol, sim, são aceitos como uma diferenciação para quem busca vaga no mercado de trabalho.

No caso da engenharia civil e da arquitetura, a interação cada vez mais intensa com projetos elaborados por escritórios fora do país, além da perspectiva de que construtoras estrangeiras possam vir a atuar com mais intensidade no Brasil, mostra que não se restringir à língua portuguesa é importante.

Por essas novas nuances do mercado, deter conhecimento do que se convencionou chamar de “inglês técnico” – aptidão para entender termos restritos à área de atuação – já não é mais suficiente. A exigência, agora, está na conversação, o que, segundo headhunters, é a maior dificuldade dos profissionais brasileiros.

Estudo da Talenses – grupo especializado em recrutamento e consultoria – revela que, mesmo que os candidatos sejam capazes de compreender textos em inglês, apresentam defasagens quando precisam conversar na língua. Principalmente nas áreas comercial, de TI (Tecnologia da Informação) e de engenharia.

Maioria só domina inglês básico
De acordo com o levantamento da Talenses, feito com 1.423 entrevistados, 52% dos recrutados para cargos de média e alta gerência no país têm somente conhecimento de inglês básico. Profissionais com nível intermediário e avançado, somados, não passam de 10% dos analisados.

Outro dado é que apenas 30% dos candidatos que dizem dominar a língua inglesa em seus currículos de fato têm fluência no idioma. “É um fator preocupante. Muitos dos candidatos afirmam no currículo que têm nível intermediário, quando na verdade têm apenas o básico”, revela Felipe Brunieri, gerente da Talenses.

A análise da empresa especializada em recrutamento faz ainda a seguinte observação: “No caso do profissional de engenharia ainda há a crença de que o inglês técnico adequado para a leitura de manuais, ou até mesmo para envio de e-mails, é o suficiente. Mas este conceito está mais que ultrapassado.”

O problema, aponta a consultoria, está no ensino incipiente de língua estrangeira nas escolas e faculdades públicas do Brasil. Só aprende efetivamente quem busca um curso de idiomas. Mas é preciso também saber filtrar essas escolas, já que algumas ensinam um inglês muito pasteurizado. No entanto, é inegável que ganha pontos profissionalmente quem aprende o idioma.

Em universidades, o conhecimento de inglês abre oportunidades para intercâmbios e participação em programas importantes. Em 62% dos casos, mostra estudo do MEC (Ministério da Educação), costumam conquistar estas vagas aqueles que dominam um idioma estrangeiro. No Brasil, porém, segundo dados da British Council, apenas 5% da população sabe realmente falar inglês.

Entrevistado
Talenses, recrutamento e consultoria (via assessoria de imprensa)

Contato
contato@talenses.com

Crédito Foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo