Employer branding ajuda a reter capital humano

Ações na área de gestão de pessoas reforçam imagem de boa empregadora da empresa, diminuem o turn-over e o absenteísmo e elevam a produtividade

Ações na área de gestão de pessoas reforçam imagem de boa empregadora da empresa, diminuem o turnover e o absenteísmo e elevam a produtividade

Por: Altair Santos

No Brasil, as primeiras empresas a usar o conceito employer branding foram as multinacionais instaladas no país. A partir de 2010, as grandes construtoras brasileiras com obras fora do país passaram a entender a importância de contar para o mercado o propósito de suas marcas. Desde então, começaram a empreender projetos para reter e atrair talentos, além de planos de valorização do capital humano. Tudo calcado em técnicas de employer branding.

André Luiz Dametto: pesquisas mostram eficiência do employer branding.
André Luiz Dametto: pesquisas mostram eficiência do employer branding.

Resumidamente, employer branding é um conjunto de ações que reforçam a imagem de boa empregadora de uma empresa. A metodologia consiste em oferecer benefícios e evitar que a burocracia da corporação entedie seus colaboradores com grandes potencialidades. Surgiu depois que especialistas em recursos humanos e gestão de pessoas deduziram que é mais barato não deixar colaboradores talentosos sair do que ficar competindo no mercado.

Para o engenheiro de produção André Dametto, especialista em desenvolvimento profissional, aumentar o engajamento dos colaboradores eleva a produtividade média dos colaboradores em 18%, a lucratividade do negócio em 16% e a satisfação dos clientes externos em 12%, além de diminuir o número de acidentes de trabalho em 49% e o absenteísmo em 37%. “Os ganhos são diversos, tanto em indicadores de gestão de pessoas quanto em indicadores de negócios. É o que mostram esses dados da pesquisa Q12 da Gallup. Ela comprova que mais do que custo, projetos de gestão de talentos são investimento”, afirma.

Dametto alerta que employer branding é uma estratégia pertinente para empresas que já tenham um grau mínimo de maturidade em gestão de recursos humanos. “Quem ainda está precisando transformar o departamento pessoal em área de recursos humanos, há projetos mais prioritários. De nada adianta gastar dinheiro na fase de treinamento de pessoal se ainda há deficiências na etapa de recrutamento e seleção”, diz.

Geração Y
O projeto de employer branding é recomendado também para empresas que estejam se preparando para dar cargos de gestores a profissionais pertencentes à geração Y. “Essa é uma geração interessada em fazer a diferença, e que dá preferência às empresas que façam ela se sentir participante de uma missão. Quando sente que o emprego não é mais desafiador, sai. Mas independentemente de rótulos, o employer branding é uma maneira eficaz de humanizar o trabalho”, completa André Dametto.

Nas empresas em que o employer branding está consolidado, caíram razoavelmente o turnover e o absenteísmo. Também houve aumento de produtividade. “O ganho financeiro advindo do employer branding é certamente superior ao valor total de investimento no projeto e na governança de seus conceitos”, avalia o especialista, que lista o passo a passo para a implantação do employer branding:

– Faça um diagnóstico do que seus funcionários almejam.
– Consulte empresas que já adotam o employer branding.
– Avalie se os concorrentes não estão assediando os talentos da empresa.
– Melhore as condições básicas de trabalho.
– Estabeleça um employment value proposition (EVP) – espécie de medição do valor de cada cargo na empresa.
– Implemente mudanças adotando uma comunicação clara e honesta com seus funcionários.

Nas empresas que adotaram o employer branding, engenheiros de produção foram incorporados ao setor de recursos humanos. Esse profissional é importante, pois consegue identificar o propósito do negócio, suas estratégias e traduzi-las nos processos de gestão de talentos. “Essa visão sistêmica tem gerado cases de sucesso aqui no Brasil, como a Ambev, que além de ter processos logísticos e comerciais tornou-se referência na formação de líderes”, cita André Dametto.

Entrevistado
Engenheiro de produção André Luiz Dametto, sócio-diretor da ALD Consultoria, especialista em coaching, desenvolvimento profissional e gestão de talentos

Contato
andre@aldconsultoria.com

Crédito Foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo