E se o prédio em que você mora virar patrimônio histórico?

Retrofit e pequenas reformas não são proibidos, mas aumenta a burocracia. Geralmente, os cuidados maiores são com a preservação da […]

Retrofit e pequenas reformas não são proibidos, mas aumenta a burocracia. Geralmente, os cuidados maiores são com a preservação da fachada 

Edifício Metropolitain: retrofit preservou a fachada do antigo Palácio Rosa, construído em 1936

Edifício Metropolitain: retrofit preservou a fachada do antigo Palácio Rosa, construído em 1936

Rio de Janeiro, Salvador, Recife e São Paulo são as cidades com o maior número de prédios tombados pelo patrimônio histórico, em uma tendência que se espalha pelo Brasil. Recentemente, passou a crescer também a quantidade de construções residenciais com essas características. Neste caso, para quem mora no edifício tombado, o que fazer? A primeira informação relevante é saber que o prédio não fica impossibilitado de receber retrofit ou de passar por pequenas reformas. O que aumenta é a burocracia.

Além de o imóvel não poder ser demolido, as obras de manutenção, restauração e reforma devem ser previamente submetidas à análise e aprovação dos respectivos organismos de preservação. Boa parte dos edifícios residenciais tombados no Brasil foi construída entre a década de 1930 e 1950. As edificações costumam entrar para o patrimônio histórico depois que completam 50 anos de vida útil. Um exemplo é o condomínio Três Irmãos, prédio construído em 1946 no bairro do Leblon, no Rio de Janeiro-RJ.

O projeto de restauração da fachada do edifício, que é tombado pelo patrimônio histórico, precisou atender exigências do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH). O organismo aprovou o uso de equipamentos de pintura industrial para o retrofit de 1.700 metros lineares de fachada. “Levamos sete dias para cobrir a área, contra 30 dias se fizéssemos a pintura de forma manual, com rolo”, compara o arquiteto Diogo Caprio, responsável pela restauração. A opção por máquinas se deu por causa da precisão na pintura, o que ajudará a preservar o edifício.

Prédios tombados também precisam de uma administração diferenciada. Síndico do edifício Metropolitain, no Largo do Machado, no Rio, Levi Soares Vieira está à frente da construção que antigamente era conhecida como Palácio Rosa, de 1936, e que foi tombada em 1998. A edificação foi reconhecida pelo patrimônio histórico do Rio de Janeiro por causa de sua arquitetura art-déco carioca e a importância como marco na paisagem do bairro do Catete.

Até 1988, pouco se preservava

Levi Soares lembra que, em 2010, o prédio recebeu autorização para se transformar em um edifício comercial com 162 escritórios. Toda a infraestrutura hidráulica, elétrica e de telefonia foi refeita, mas a fachada precisou ser preservada. O retrofit teve a coordenação do Conselho de Proteção do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro. “Os condôminos também recebem orientações específicas, sobre como preservar o prédio, por causa do valor para a coletividade”, explica.

No Brasil, patrimônios tombados são relativamente novos. A preservação de edificações só se tornou lei a partir da constituição federal de 1988, que em seu artigo 216 trata “da proteção do patrimônio cultural brasileiro, constituído pelos bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira”. A constituição fortaleceu o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que foi fundado em 1937, no primeiro governo de Getúlio Vargas, mas raramente cumpria sua função. A partir de 1988, os governos estaduais e municipais também passaram a criar seus organismos de preservação patrimonial.

Entrevistado
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)
Contato: comunicacao@iphan.gov.br

Crédito Foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo