Custo torna quase inviável a construção de metrôs

Luís Afonso dos Santos Senna, professor da UFRGS e especialista em mobilidade urbana, defende que cidades priorizem projetos de BRT e VLT

Luís Afonso dos Santos Senna, professor da UFRGS e especialista em mobilidade urbana, defende que cidades priorizem projetos de BRT e VLT

Por: Altair Santos

O professor de engenharia de produção e transportes da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Luís Afonso dos Santos Senna, defende que as grandes cidades brasileiras pensem em soluções alternativas para o transporte público, que não seja o metrô. Segundo ele, o sistema, que é o sonho de consumo de 10 entre 10 prefeitos de capitais, tornou-se economicamente inviável de construir. Dados apresentados pelo especialista, no Congresso Brasileiro de Construção Sustentável 2013, mostram que, no Brasil, o quilômetro construído do metrô não sai por menos de R$ 100 milhões, podendo chegar a R$ 500 milhões em metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro. “O custo e a escassez de terras para desapropriar, associada às tecnologias cada vez mais sofisticadas para escavar túneis, encareceram por demais esse modelo de transporte”, alerta Santos Senna.

Luís Afonso dos Santos Senna: quilômetro construído do metrô varia de R$ 100 milhões a R$ 500 milhões

Indiretamente, a cidade de São Paulo começa a valorizar outros modais. A prefeitura espera criar 150 quilômetros de BRT (Bus Rapid Transit) até o final de 2016, ao custo de R$ 6 bilhões. Com o mesmo volume de recursos, seria possível fazer apenas 12 quilômetros de metrô na capital paulista. O governo federal também se convenceu de que deve deixar de ver o metrô como a alternativa número um para a mobilidade urbana. Desde as manifestações populares de junho de 2013, linhas de crédito incentivando a criação de BRTs e VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos) nas principais cidades brasileiras já somam R$ 50 bilhões para projetos que prometem ser viabilizados nos próximos quatro anos.

O professor da UFRGS lembra que o metrô foi um modal importado para o Brasil, mas que hoje não é mais prioridade nem na Europa nem nos Estados Unidos. “Nos países europeus e nas cidades norte-americanas, os metrôs existentes foram consolidados no século passado. Hoje, esse sistema de transporte tornou-se muito caro até para eles”, afirma Luís Afonso dos Santos Senna, citando que o que se busca atualmente nos países desenvolvidos é o network da mobilidade urbana. “Se o metrô já está construído, perfeito. Então, que se conecte a cada estação um terminal de ônibus e uma faixa de ciclovia. Los Angeles é quem melhor faz isso. A cidade decidiu trocar o metrô pelo investimento em ônibus. Primeiro, partiu para a compra de veículos sofisticados, com ar-condicionado e som ambiente, mas esqueceu de dar mobilidade a eles. Foi aí que a prefeitura se deu conta de que era necessário menos luxo e mais praticidade. Los Angeles hoje tem corredores exclusivos próximos das estações de metrô, conectando os sistemas”, conta.

Metrô de São Paulo: novas linhas não saem por menos de R$ 500 milhões por quilômetro

Para Luís Afonso dos Santos Senna, o Brasil precisa caminhar neste sentido e ter uma política séria de transporte público e mobilidade urbana para as grandes cidades. “A estratégia nacional de desenvolvimento do país tem seus fundamentos na produção de automóveis. O Brasil precisa mudar isso, caso contrário só irá piorar o quadro atual. Para se ter uma ideia, a velocidade do fluxo de veículos hoje nas metrópoles brasileiras é semelhante ao da Inglaterra na revolução industrial. Pior: a inclusão social agravou o problema de mobilidade nos grandes centros, pois quem não tinha carro, agora tem”, alerta. Para o especialista, é hora de o Brasil pensar em políticas que subsidiem a não utilização de automóveis, que controlem a oferta de estacionamentos e que restrinjam a circulação de automóveis nos centros das metrópoles. “Não temos mais tempo para sermos amadores em termos de mobilidade“, completa.

Entrevistado
Luís Afonso dos Santos Senna, engenheiro civil, ex-secretário municipal de transporte na cidade de Porto Alegre e professor-doutor de engenharia de produção e transportes da UFRGS
Contato: lsenna@producao.ufrgs.br

Crédito foto: Divulgação/Cia. de Cimento Itambé/ Consórcio Via Quatro

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo