Contrapisos autonivelantes: quais as vantagens e onde usá-los?

Material costuma ter um bom desempenho em residências e áreas comerciais como supermercados e lojas

Contrapisos autonivelantes têm vantagens técnicas e econômicas.
Crédito: Eng. Civil Luiz Alberto Trevisol, MSc.

O contrapiso autonivelante nasceu na Europa nos anos 70. No entanto, ele passou a ser difundido de forma mais efetiva na Espanha a partir dos anos 90, mais precisamente em 1999. 

“O contrapiso autonivelante é uma argamassa de alta fluidez, mais precisamente autoadensável, para ser usada como camada de revestimento intermediária, ou seja, como etapa de regularização”, define Luiz Alberto Trevisol Junior, engenheiro civil e gerente técnico da Hobimix.

Como é feito um piso autonivelante?

Trevisol explica que o contrapiso autonivelante é desenvolvido a partir da combinação de agregados com curvas granulométricas precisamente ajustadas. Ainda, conta com uma composição de aglomerantes e adições que tem como objetivo garantir uma melhor reologia do material e, aditivos de última geração que além de promoverem a fluidez do material e a retenção da água, permitem com que ele possa ser aplicado e bombeado a grandes alturas. 

Crédito: Eng. Civil Luiz Alberto Trevisol, MSc.

“A dosagem racional aliada à escolha das matérias primas e o controle no momento da produção permitem que o material mantenha suas características durante a aplicação, mesmo quando submetido a transporte a grandes alturas garantindo produtividade”, pontua o gerente técnico da Hobimix.

Onde utilizar um contrapiso autonivelante?

Os contrapisos autonivelantes podem ser utilizados em quaisquer áreas que necessitem de regularização e/ou proteção mecânica. “Suas características permitem que ele tenha um ótimo desempenho em ambientes internos como residências e áreas comerciais como supermercados e lojas. Já para áreas externas, o indicado é que os espaços que receberão o contrapiso e o revestimento final sejam de tráfego moderado”, sugere Trevisol. 

Diferentes tipos de contrapiso autonivelante

Crédito: Eng. Civil Luiz Alberto Trevisol, MSc.

Os diferentes tipos de contrapisos autonivelantes variam de acordo com as matérias-primas utilizadas e os aditivos neles empregados, segundo o gerente técnico da Hobimix.

“Essas variações acabam por alterar suas características de aplicação, por exemplo, método de bombeamento e espalhamento bem como as suas resistências finais de compressão, abrasão e seu módulo de elasticidade. Em alguns casos ainda há a utilização de fibras para otimizar o produto em aplicações sobre mantas, no sistema flutuante” Podem ser bombeadas através de autobombas, as mesmas utilizadas para o bombeamento vertical de concreto, ou então em bombas de pistão, utilizadas em aplicações de menor escala, ou ainda em bombas helicoidais que também são conhecidas como bombas de rotor-estator, que funcionam bem para materiais mais viscosos”, afirma Trevisol

Vantagens do piso autonivelante

Na opinião de Trevisol, os benefícios de utilizar os contrapisos autonivelantes passam por aspectos técnicos e econômicos: 

  • A diminuição da espessura do contrapiso a ser aplicado. Consequentemente, isso diminui a carga aplicada sobre a superfície.
  • Como o próprio nome do produto sugere, ele oferece melhor nivelamento da superfície.
  • A diminuição do aparecimento de fissuras, uma vez que os usos de aditivos químicos contam com propriedades de retenção de água auxiliam na menor retração do material; 
  • Quando comparado aos métodos tradicionais de aplicação de contrapiso, a produtividade é infinitamente superior. O fato do produto se ajustar ao ambiente aplicado por conta da sua fluidez e do método de lançamento mecânico faz com que a área aplicada em alguns casos supere os 1000 m²/ dia. Isso diminui consideravelmente o tempo desta fase da obra e, consequentemente, o custo do metro quadrado aplicado;
  • Por conta da planicidade e acabamento final, existe a redução do consumo de argamassa colante para assentamento de revestimentos e otimização da aplicação de pisos laminados e vinílicos;
  • O contrapiso autonivelante pode ser aplicado sobre sistemas acústicos e de aquecimento.

Entrevistados

Crédito: Eng. Civil Luiz Alberto Trevisol, MSc.

Luiz Alberto Trevisol Junior, gerente técnico da Hobimix é engenheiro civil, mestre em engenharia de materiais com trabalho voltado ao estudo das propriedades e desempenho da argamassa estabilizada.

Contato
luiz.alberto@hobimix.com.br

Jornalista responsável
Marina Pastore
DRT 48378/SP

A opinião dos entrevistados não reflete necessariamente a opinião da Cia. de Cimento Itambé. 



Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo