Construção de estádios completa 10 anos de crescimento

Além dos países-sede de eventos esportivos, como Copa do Mundo e jogos olímpicos, Estados Unidos lideram em investimento para esse tipo de obra

Além dos países-sede de eventos esportivos, como Copa do Mundo e jogos olímpicos, Estados Unidos lideram em investimento para esse tipo de obra

NRG Stadium, em Houston-Texas: inaugurado em 2016, é considerado atualmente o mais moderno estádio do mundo. 
Crédito: Populous
NRG Stadium, em Houston-Texas: inaugurado em 2016, é considerado atualmente o mais moderno estádio do mundo. 
Crédito: Populous

Desde 2008, a construção de estádios tem sido um importante indutor da construção civil pelo mundo. Começou com as obras para a Copa de 2010, na África do Sul, quando a Fifa impôs regras novas que dificultavam a reforma de antigas estruturas e estimulavam a construção de novas praças esportivas, e seguirá em ritmo intenso até mesmo após a Copa 2018, na Rússia.

Além das obras nos países-sede de mundiais de futebol e olimpíadas, a indústria da construção tornou-se ativa também em apresentar soluções para construir e reformar estádios de clubes, assim como ginásios e autódromos. Só nos Estados Unidos, por exemplo, estão programados investimentos na ordem de US$ 15,5 bilhões entre 2018 e 2021.

A onda de reformas nos EUA começou em 2015. Crescendo em 2016 e aumentando ainda mais em 2017. Nestes três anos, foram investidos US$ 17 bilhões em novas instalações esportivas no país. Além de projetos para clubes da Major League Beiseboll (MLB) e da National Football League (NFL [futebol americano]), cresce também o investimento em estádios para clubes da MLS (Major League Soccer) – como é chamado o futebol nos Estados Unidos. 

Segundo Bruce Miller, arquiteto do escritório Populous, especializado em projetos para estádios, “o mercado de instalações para futebol nos Estados Unidos está em paralelo com a tendência global de equipes que fazem investimentos significativos em estádios melhores”. 

Estruturas esportivas tendem a ficar cada vez mais baratas

Outra razão para esse crescimento, segundo o arquiteto, é por que os estádios de futebol tendem a custar menos para construir do que os estádios da MLB ou da NFL, que requerem projetos arquitetônicos mais elaborados e voltados a um público diferenciado.

Um exemplo é o estádio do Los Angeles FC, com construção avaliada em US$ 350 milhões contra US$ 1,1 bilhão do estádio do Texas Globe Life Field – um dos times mais tradicionais do beisebol norte-americano – e US$ 2,6 bilhões do Los Angeles Rams and Chargers, da NFL.

Curiosamente, os Estados Unidos investem mais em estádios que os países-sede de Copas do Mundo e jogos olímpicos. Para a Copa de 2006, a Alemanha investiu US$ 6 bilhões. Em 2010, a África do Sul gastou US$ 8 bilhões. O Brasil, em 2014, gastou US$ 3,5 bilhões. Já para os jogos olímpicos de 2016 foram gastos US$ 3,06 bilhões só com as instalações esportivas. Na Rússia, os investimentos em estádios devem chegar a US$ 11 bilhões.

Para o arquiteto Bruce Miller, que atuou no projeto da Arena das Dunas, em Natal-RN, a tecnologia agregada à construção civil tende a reduzir os custos dos estádios a cada novo projeto. “A construção industrializada, as estruturas mistas e as certificações para construções sustentáveis estão transformando a maneira de se construir estádios, e para melhor”, avalia o especialista, assegurando que hoje já é possível ser menos oneroso erguer uma nova estrutura esportiva do que reformá-la.

Essa tese se confirma em números. Até 2021, serão inaugurados 11 estádios nos Estados Unidos e 9 na Europa.

Entrevistado
Bruce Miller, arquiteto-sênior do escritório Populous, com especialidade em construção de estádios (via assessoria de imprensa)
Contato: media@populous.com

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo