Concreto faz arte sair das galerias e ir para as ruas

Paredes e muros servem como telas para que artistas e grafiteiros transformem o espaço urbano das principais metrópoles do mundo

Paredes e muros servem como telas para que artistas e grafiteiros transformem o espaço urbano das principais metrópoles do mundo

Por: Altair Santos

A tendência é mundial. Em grandes metrópoles da Europa, dos Estados Unidos e da América do Sul já é possível observar dezenas de pinturas expostas em paredes e muros, de preferência de concreto. É o que se convencionou chamar de street art (arte de rua), que evoluiu da pichação para o grafite e hoje expõe verdadeiras obras de arte a céu aberto. Os autores também se consagram mundialmente. Um exemplo é o brasileiro Eduardo Kobra, um dos mais requisitados para expor seu trabalho, assim como os irmãos conhecidos como Os Gêmeos.

Eles e outros artistas vêm desmistificando a arte de rua e influenciando em reformas de leis sobre poluição visual das cidades. Nova York e São Paulo, por exemplo, tiveram que rever restrições, depois que pinturas como as que Kobra faz passaram a ser denominadas como obras de arte. “O maior museu é a rua, ao ar livre, e que faz com que a arte possa chegar a todas as pessoas, pobres ou ricos”, afirma Eduardo Kobra, que se considera um muralista – aquele que busca autorização para trabalhar com arte urbana em alto nível.

Esses artistas usam como tela o concreto. É quase unanimidade entre eles que o material é o melhor para realçar as tonalidades e os desenhos – na maioria, gigantescos. Essa opinião também é compartilhada por arquitetos, que se unem aos artistas de rua para promover intervenções urbanas. No Brasil, esse movimento ganhou o sugestivo nome de MUDA e conta também com a participação de engenheiros civis. A defesa é que as obras de arte de rua não apenas mudam o visual das cidades, mas ajudam a melhorar o humor das pessoas.

Esse conceito também foi encampado pelas empresas. A Natura, indústria brasileira conhecida por fabricar produtos de beleza e perfumes, lançou uma marca chamada Urbano, que faz todo o seu marketing em cima de arte de rua. Em Frankfurt, na Alemanha, o Deutsche Bank patrocinou recentemente a ida de 11 artistas de rua do Brasil para promover uma intervenção no espaço urbano da cidade, em parceria com a prefeitura local. O objetivo era mudar a paisagem de prédios abandonados e revitalizar monumentos públicos, alguns com fachada em concreto aparente.

A seguir, veja fotos de como a arte de rua já se tornou uma tendência mundial.

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo