Centenária, engenharia civil da UFPR mira o futuro

Ao completar um século, curso calcula ter graduado 20 mil engenheiros e ajudado a construir as principais obras da América do Sul

Ao completar um século, curso calcula ter graduado mais de 20 mil engenheiros e ajudado a construir as principais obras da América do Sul

Por: Altair Santos

Fundada em 19 de dezembro de 1912, a Universidade Federal do Paraná (UFPR) comemora um século. Trata-se da primeira escola de ensino superior do país a adotar o conceito de universalização para cursos de graduação. Antes, havia apenas faculdades, como as de medicina e de engenharia. Com a UFPR, o mesmo espaço acadêmico passou a ser dividido pelos cursos de ciências jurídicas e sociais (direito), medicina e cirurgia, comércio, odontologia, farmácia, bioquímica e engenharias. “O curso era de engenharias, por que quando a universidade foi fundada aprendia-se um pouco de cada especialidade, de civil a elétrica, passando por mecânica, química, etc”, explica Marcos Antônio Marino, um dos mais experientes professores da graduação de engenharia civil da universidade.

Marcos Antonio Marino, professor-doutor da UFPR: tradição é o maior valor do curso de engenharia civil.

Em seus primórdios, a UFPR chamava-se Universidade do Paraná. Viabilizada pelos paranaenses ilustres Victor Ferreira do Amaral e Nilo Cairo da Silva, em 1915 ela já tinha seu prédio próprio, erguido na praça atualmente conhecida como Santos Andrade, no centro de Curitiba. Até 1951, quando foi federalizada, o edifício histórico abrigou todos os cursos da escola. Depois, a universidade começou a expandir. Em 1961, surge o centro politécnico, que passa a abrigar as graduações de engenharia. Isso, segundo Marcos Antônio Marino, reforçou a vocação da engenharia civil de formar “grandes cabeças” para o Paraná. “Tivemos governadores e ministros saídos de nosso curso. Até hoje ele continua fornecendo massa cinzenta para o desenvolvimento do estado”, diz.

A engenharia civil da UFPR também ajudou a formar personalidades em toda a América do Sul, como relata Marino: “Até 1970 havia cursos de engenharia civil em Curitiba e em Porto Alegre. O de Florianópolis (UFSC) estava começando. No resto do continente, tinha cursos em Montevidéu, Buenos Aires e Santiago. Eram poucas escolas. Paraguai e Bolívia, por exemplo, não tinham cursos de engenharia. Desta forma, muita gente da América do Sul vinha estudar em Curitiba”, relembra, que num cálculo aproximado estima que em 100 anos a engenharia civil da UFPR ajudou a formar pelo menos 20 mil engenheiros. “Temos tradição, um curso consagrado, sacramentado, e que faz o menino que chega aqui ver o espelho do passado”, ressalta Marcos Antônio Marino.

A fase mais difícil da engenharia civil da UFPR foi vivida nos anos 1980 e 1990. A crise que abateu a construção civil atingiu também o aprimoramento do curso. Houve pouco investimento na modernização de laboratórios, mas nos cinco anos recentes os recursos voltaram a ser liberados. O novo interesse dos jovens pela engenharia civil também revitaliza a graduação. “Em 2006, a disputa do vestibular da engenharia civil era de 4,4 candidatos para uma vaga. Em 2012, chegou a 13 por vaga”, recorda Marino, definindo como será o engenheiro civil que a UFPR está preocupada em formar no futuro: “O papel da nova engenharia civil é preservar o meio ambiente. A Universidade Federal do Paraná, assim como sempre esteve, está preparada para esse desafio”, finaliza.

Prédio histórico da UFPR, em Curitiba: o primeiro a abrigar o centenário curso de engenharia civil.

Confira a linha do tempo da UFPR: clique aqui

Entrevistado
Marcos Antônio Marino, professor titular do curso de engenharia civil da UFPR
Currículo
– Marcos Antônio Marino é graduado em engenharia civil pela Universidade Federal do Paraná (1969)
– Tem mestrado em engenharia civil pela Universidade de São Paulo (1978) e doutorado em civil engeneering pela University of New Mexico (1981)
– Atualmente é professor titular da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de engenharia civil, com ênfase em estruturas, atuando principalmente nos seguintes temas: reinforced concrete, colunms e biaxial bending
Contatoengcivil@ufpr.br

Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo