Castelão e Mineirão se beneficiam do pré-fabricado

Primeiros estádios prontos para a Copa do Mundo investiram no sistema construtivo e cumpriram o cronograma de obras à risca.

Primeiros estádios prontos para a Copa do Mundo investiram no sistema construtivo e cumpriram o cronograma de obras à risca

Por: Altair Santos

Um foi inaugurado dia 17 de dezembro de 2012; o outro, quatro dias depois. Os estádios Castelão, em Fortaleza/CE, e Mineirão, em Belo Horizonte/MG, foram os primeiros a ficar prontos para a Copa do Mundo de 2014. Enquanto outras construções só recentemente chegaram aos 50% das obras, os dois empreendimentos investiram maciçamente no pré-moldado para cumprir o cronograma à risca.

Castelão: primeiro estádio a ficar pronto apostou na laje steel deck.

Segundo o secretário especial da Copa 2014 no Ceará, Ferruccio Petri Feitosa, no caso do Castelão a aposta no pré-moldado foi decisiva para dar agilidade aos trabalhos. “Não só a utilização do pré-moldado, como também no tipo da laje utilizada, que foi a steel deck“, ressalta. A laje steel deck serve como uma espécie de fôrma metálica para o concreto que fica na estrutura, trabalhando como armadura positiva. Além de dispensar escoramentos e servir de forro para o pavimento inferior, ela ainda assegura rapidez, facilidade de instalação e alta qualidade no acabamento.

O secretário Ferruccio Petri Feitosa lembra que outra solução que agilizou os trabalhos no Castelão foi o processo de terraplanagem. “Não medimos esforços para melhorar o solo e, com isso, poupar tempo com as fundações. Durante toda a obra foram realizados estudos e trabalhos intensos de engenharia para buscar sempre soluções que nos garantisse cumprir o cronograma”, diz.

O Castelão, que não partiu do zero, mas foi reformado, envolveu diretamente no canteiro de obras dois mil trabalhadores. A área construída é de 150 mil m² e a capacidade do estádio comporta 63.903 pessoas. A um custo de R$ 518,6 milhões, o empreendimento consumiu 59.117 m³ de concreto.

Mineirão: tombado pelo patrimônio histórico, estádio precisou de intervenções cirúrgicas.

Já o Mineirão, que também foi reformado, teve um custo de R$ 695 milhões e consumiu 23.186 m³ de concreto, para uma área construída de 209 mil m². Com capacidade para 62.170 lugares, a construção envolveu três mil operários.

De acordo com a secretaria extraordinária da Copa do Mundo em Minas Gerais, o grande desafio enfrentado na reforma do Mineirão foi adequá-la ao fato de o estádio ser tombado pelo patrimônio histórico, o que impedia grandes alterações arquitetônicas, e equacionar a pouca oferta de mão de obra.

“Por isso, toda a tecnologia disponível para economizar no canteiro de obras foi útil. Neste ponto, o pré-moldado foi muito importante, assim como as intervenções no projeto original feitas através do sistema BIM (Building Information Modeling)”, finaliza o secretário da Copa em Minas, Fuad Noman.

Veja dados técnicos dos estádios:

Castelão
Trabalhadores no canteiro de obras: 2 mil
Empregos indiretos: 3 mil
Área construída: 150 mil m²
Capacidade: 63.903 lugares
Custo: R$ 518,6 milhões
Estacionamento: 1.900 vagas
Volume de concreto: 59.117 m³

Mineirão
Trabalhadores no canteiro de obras: 3 mil
Empregos indiretos: 3 mil
Área construída: 209 mil m²
Capacidade: 62.170 lugares
Custo: R$ 695 milhões
Estacionamento: 2.521 vagas
Volume de concreto: 23.186 m³

Entrevistados
Secretaria especial da Copa do Ceará e Secretaria extraordinária da Copa do Mundo de Minas Gerais (via assessoria de imprensa)
Contatos: sabrina@secopa.ce.gov.br / ana.martins@secopa.ce.gov.br / alexandra.gonzaga@copa.mg.gov.br

Créditos foto: Glauber Queiroz/Portal da Copa/ME

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo