Brasil persegue o conforto térmico ideal

Rede de universidades estuda a eficiência energética de sistemas construtivos e fornece soluções à construção civil

Rede de universidades estuda a eficiência energética de sistemas construtivos e fornece soluções à construção civil

No Brasil, a preocupação com o conforto térmico é recente. Começou a ser levada em conta pela construção civil a partir de 2005, quando entrou em vigor a norma NBR 15220 – Desempenho térmico de edificações , da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Dividida em cinco partes, ela conduziu o setor a desenvolver pesquisas sobre materiais adequados para cada tipo de clima e, sobretudo, adaptar os projetos a conceitos como fator de calor solar, ventilação cruzada e resistência térmica.

Boa parte destas novas estratégias construtivas foi desenvolvida dentro das universidades brasileiras. Programas como o RePEESC (Rede de Pesquisa em Eficiência Energética de Sistemas Construtivos), criado em 2004, e ainda em atividade, têm sido decisivos para que o país agregue conforto térmico às edificações. Uma das etapas mais importantes do projeto foi realizar estudos de materiais convencionais e novos materiais, desenvolvidos por empresas ou pelos próprios pesquisadores.

Entre as novidades, o programa desenvolveu um bloco de concreto leve, com argamassa de cimento e resíduo de EPS (poliestireno expandido) reciclado, cujo desempenho mostrou-se adequado para edificações climatizadas, como shoppings, hospitais e auditórios, proporcionando significativa redução da energia consumida por condicionadores de ar. Outro estudo envolvendo cimento foi o que produziu placas de concreto celular espumoso com diferentes densidades, além de um novo material compósito para fechamento de lajes, batizado de “Iso-Blok”. Constituído de concreto celular espumoso e resíduo polimérico, a inovação motivou a indústria a produzi-lo em escala comercial.

Professor George Santos Marinho

Um dos quartéis generais das pesquisas do RePEESC é o LTC (Laboratório de Transferência de Calor) da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte). O centro de estudo, coordenado pelo professor George Santos Marinho, contou com a adesão de outras quatro universidades: UFPI (Universidade Federal do Piauí), UFCG (Universidade Federal de Campina Grande), UFAL (Universidade Federal de Alagoas) e UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), além do INPE-CRN (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e Centro Regional do Nordeste).

O RePEESC também tem o incentivo do Programa de Tecnologia de Habitação (Programa Habitare) da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) e da Caixa Econômica Federal. Por isso, os sistemas construtivos pesquisados pelas universidades envolvidas podem ser aplicados no Minha Casa, Minha Vida, desde que sigam a norma 15220 da ABNT. “É importante que as normas norteiem a aprovação dos projetos, principalmente se considerarmos que a Caixa Econômica Federal está diretamente envolvida com o Programa Habitare, onde atuam pesquisadores que contribuíram para elaborar as normas sobre desempenho térmico da ABNT”, avalia George Santos Marinho.

Casa Eficiente

Uma das conclusões dos estudos desenvolvidos no RePEESC é de que um bom nível de conforto térmico não pode levar em conta apenas sistemas construtivos ou o microclima de uma região. São combinações de fatores que vão determinar se a edificação foi bem ou mal sucedida no item conforto térmico. “A situação ideal é aquela em que a combinação das características do meio e dos materiais resulte em conforto térmico e baixo consumo de energia”, explica George Santos Marinho, de cuja opinião compartilha o professor José Antônio Bellini da Cunha Neto, da UFSC. “O conforto térmico não tem só a ver com o clima. Tem a ver também com a ocupação da edificação no terreno”, diz.

Por isso, a fase de projeto da obra é decisiva. Inclusive, para que a busca do conforto térmico não encareça a construção. Nesta hora, os três mandamentos básicos são:
1) Posicionar a casa corretamente no terreno.
2) Dar preferência à face norte aos ambientes que devem ser mais intensamente iluminados.
3) Conhecer as características de insolação e o regime de ventos da região.

Foi perseguindo esses conceitos que a UFSC desenvolveu, junto com a Eletrosul e a Eletrobras, o projeto Casa Eficiente. Em Florianópolis, a obra hoje é considerada uma vitrine de consumo racional de energia e conforto ambiental. A construção mostrou que a combinação de vários sistemas construtivos pode coexistir numa obra. Nela, elementos como concreto, madeira de florestamento, tijolos e telhas cerâmicas estão harmoniosamente assentados na edificação, desempenhando cada um uma função, e todos em nome do conforto térmico.

Casa modelo desenvolvida pela UFRN: concreto misturado com outros materiais ajuda a climatizar as edificações

Casa Eficiente desenvolvida em Florianópolis: Consumo racional de energia e conforto ambiental

Entrevistados:

George Santos Marinho é graduado em Física pela UFRN, com doutorado em Termociências pela USP. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais da UFRN e Coordenador do Laboratório de Transferência de Calor da UFRN.
Email: gmarinho@ct.ufrn.br

José Antônio Bellini da Cunha Neto, pesquisador do LMTP (Laboratório de Meios Porosos e Propriedades Termofisicas) da UFSC.
Email: bellini@lmpt.ufsc.br

Jornalista Responsável – Altair Santos MTB 2330 – Vogg Branded Content



Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo