Arena Pernambuco terá minicidade no entorno

Um dos estádios para a Copa do Mundo de 2014 terá mais de 129 mil m² de área construída e vai se valer do pré-moldado para acelerar obras.

Um dos estádios para a Copa do Mundo de 2014 terá mais de 129 mil m² de área construída e vai se valer do pré-moldado para acelerar obras

Por: Altair Santos

A Copa do Mundo fará nascer uma minicidade no município de São Lourenço da Mata, a 19 quilômetros de Recife. Em uma área de 240 hectares (equivalente a 300 campos oficiais de futebol) doada pelo governo pernambucano, será erguida não apenas a Arena Pernambuco, como um complexo que inclui as instalações de um campus universitário, uma arena indoor, hotéis, centro de convenções, shopping center, unidades comerciais e empresariais, além de uma área residencial, com 7.200 casas.

Maquete da Arena Pernambuco: 129.581 m² de área construída e capacidade para 46.154 lugares

O projeto terá um conceito de uso integral e contemplará opções de moradia, trabalho, estudo e lazer. A nova localidade, que os pernambucanos estão chamando de “Cidade da Copa”, será preparada para receber até 100 mil pessoas, variando de acordo com os eventos sediados, e garantir segurança, mobilidade e infraestrutura diferenciadas. Toda a área foi planejada para ser percorrida, de sua região central aos diversos setores, em menos de 10 minutos a pé.

O complexo também priorizará a tecnologia e a inovação. Concebido para ser a primeira smart city (cidade inteligente, em inglês) do Brasil, o espaço terá como principais pilares o uso de tecnologias avançadas no monitoramento da segurança, no gerenciamento de energia e na adoção de sistemas integrados, o que tornará todos os serviços mais eficientes. O planejamento arquitetônico do projeto pernambucano se inspira na revitalização da região do vale Lower Lea, em Londres, para os Jogos Olímpicos de 2012.

A grande obra deste complexo urbano a ser erguido no entorno de Recife, e avaliado em R$ 1,6 bilhão, é a Arena Pernambuco. O estádio terá 129.581 m² de área construída e capacidade para 46.154 lugares. O estacionamento contará com seis mil vagas, sendo 800 delas subterrâneas. A cargo da Construtora Norberto Odebrecht, a expectativa é de que a arena esteja concluída até o segundo semestre de 2013, enquanto a minicidade ficará 100% pronta em 2022.

O consórcio responsável por construir o estádio vai explorar comercialmente o local por 30 anos. Em 2043, o estádio será repassado ao poder público de Pernambuco. A construção da Arena Pernambuco está estimada em R$ 532 milhões, incluindo o financiamento de R$ 280 milhões do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). “O cronograma de execução das obras do estádio está desvinculado ao dos projetos imobiliários, que também serão explorados pelos vencedores da licitação”, explica Marcos Lessa Mendes, executivo da Odebrecht e diretor-presidente do consórcio da Cidade da Copa.

Até maio de 2011, 85% da terraplanagem para a construção da Arena Pernambuco estava concluída. As fundações foram iniciadas em março, assim como a fase de concretagem. Estima-se que o estádio consuma cerca de 65 mil m³ de concreto. Para acelerar o cronograma da obra, uma usina para produzir estruturas em pré-moldado será montada no local de empreendimento. Hoje, cerca de 600 funcionários trabalham na construção e a expectativa é de que até o fim do ano o número chegue a 1.800.

Outras obras
Além do estádio e da minicidade, há investimentos do governo federal para a duplicação da BR-408, da BR-101 e da BR-232, que cruzam a região metropolitana de Recife. Também está em construção a ampliação do metrô da capital pernambucana, além de projetos para a criação de um VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) e um VLP (Veículo Leve sobre Pneus), que ligará a “Cidade da Copa” a Recife.

Para cumprir o cronograma e entregar o estádio até 2013, a Odebrecht implantou um turno noturno na obra
Minicidade estará agregada ao estádio e vai integrar moradia, trabalho, estudo e lazer
Arena Pernambuco: atualmente 600 funcionários trabalham na obra, que entrou na etapa de concretagem das fundações

Entrevistado
Construtora Norberto Odebrecht
Contato:
palves@duxi.com.br (assessoria de imprensa)

Créditos fotos: Divulgação/ Odebrecht

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo