América Central e Caribe viram eldorado do concreto

Região consome atualmente alguns milhares de m³ do material. Além da expansão do Canal do Panamá, há metrôs, rodovias e hidrelétricas em obras

Região consome atualmente alguns milhares de m³ do material. Além da expansão do Canal do Panamá, há metrôs, rodovias e hidrelétricas em obras

Por: Altair Santos

Além da expansão do Canal do Panamá – obra que, sozinha, está consumindo mais de 1,5 milhão de m³ de concreto -, a América Central e o Caribe reúnem um conjunto de empreendimentos que transformam a região na que mais consome cimento no continente americano atualmente. Honduras, Guatemala, Costa Rica, El Salvador e Nicarágua viabilizam desde linhas de metrô até rodovias, passando por hidrelétricas e construções para melhorar a mobilidade de suas principais cidades. Nestes países também avançam as chamadas carreteras – rodovias para alto tráfego -, boa parte delas construídas com pavimento rígido.

Carretera na Costa Rica: quilometragem de rodovias pavimentadas em concreto supera o que existe no Brasil.
Carretera na Costa Rica: quilometragem de rodovias pavimentadas em concreto supera o que existe no Brasil.

No Brasil, segundo dados da ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland), há 165 mil quilômetros de estradas pavimentadas, dos quais 2% revestidos em concreto. Significa que o pavimento rígido predomina em 3.300 quilômetros no país. Só El Salvador conta atualmente com 6.700 quilômetros de rodovias concretadas. Na Costa Rica, são 7.800 quilômetros. Entre eles, inclui-se a carretera entre Cañas e Libéria, considerada uma das obras rodoviárias mais modernas atualmente em construção.

A estrada recebe quase R$ 600 milhões de investimento do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e a opção pelo pavimento rígido se deu quando especialistas em geologia e geotecnia comprovaram, através de um equipamento desenvolvido na Universidade da Costa Rica – o Simulador Pesado de Veículos -, que só o revestimento em concreto suportaria o tráfego pesado de caminhões. O projeto da rodovia prevê que ela só irá precisar de manutenção daqui a 20 anos.

Atraindo investimentos
Em Honduras – um dos países mais pobres da região – existem 700 quilômetros de estradas com pavimento rígido. Na Nicarágua, entre 2007 e 2014, foram construídos mil quilômetros por ano de estradas revestidas pelo concreto, ou seja, atualmente a malha rodoviária mais resistente passa de 7 mil quilômetros. Na Guatemala, o grande empreendimento rodoviário está em obra: é a Red Vial. Trata-se de um grande anel viário com 1.500 quilômetros de extensão, que circunda a Cidade da Guatemala – capital do país. A pista é inovadora, pois utiliza concreto de alta resistência de quase 200 MPa.

Canal do Panamá: obra é a que mais consome concreto atualmente no continente americano.
Canal do Panamá: obra é a que mais consome concreto atualmente no continente americano.

Somada a quilometragem de pavimento rígido em todos os 20 países que formam a América Central e o Caribe, ela passa de 42 mil quilômetros. Se depender dos recursos para construir principalmente estradas, esse número tende a aumentar. Pesquisa encomendada pela CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe), em conjunto com a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), mostra que cinco países da região têm a preferência dos investidores internacionais, quando o assunto é injetar dinheiro em obras de infraestrutura. São eles: Panamá, Guatemala, Costa Rica, El Salvador e Honduras. No mesmo estudo, que envolve 20 nações latino-americanas, o Brasil aparece na 13ª posição.

Entrevistados
CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe) e OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) – (via assessorias de imprensa dos escritórios dos organismos no Brasil)

Contato
oecddirect@oecd.org

Créditos fotos: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo