Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Zaha Hadid, a “arquiteta de todas as obras”

Gestão, Gestão de Obras, Inovação, Mercado da Construção, Obras Inovadoras 4 de maio de 2016

Reconhecida mundialmente, iraquiana morreu em 31 de março, mas deixou 36 obras com sua assinatura para serem construídas em 21 países

Por: Altair Santos

Dia 31 de março, morreu vítima de infarto, em Miami-EUA, talvez a mais renomada arquiteta do século 21: a iraquiana Zaha Hadid. Com exceção dos países da América Latina, há projetos dela em boa parte do mundo – do Azerbaijão a Hong Kong; do Líbano à Alemanha. Especialista em trabalhar com o concreto, Zaha Hadid era conhecida como a “arquiteta de todas as obras”.

Zaha Hadid morreu aos 65 anos, mas deixa legado em boa parte do mundo

Zaha Hadid morreu aos 65 anos, mas deixa legado em boa parte do mundo

Seu portfólio inclui de casas a prédios, de hospitais a museus, de bases militares a equipamentos esportivos, de pontes a objetos de decoração. Seu primeiro projeto premiado foi uma estação para bombeiros na Alemanha, em 1993. Desde então, Zaha Hadid ganhou todos os grandes troféus da arquitetura: Mies van der Rohe, Prêmio Pritzker (primeira mulher a ganhá-lo) e Praemium Imperiale.

A arquiteta foi também a primeira mulher a receber a medalha de ouro do Instituto Real de Arquitetos Britânicos, em reconhecimento por sua obra. Nascida em Bagdá, e graduada em matemática pela Universidade de Beirute, ela enveredou para a arquitetura após passar pela Associação Arquitetônica de Londres. Em 1979, Hadid abriu seu próprio escritório: o Zaha Hadid Architects.

Autora do projeto do parque aquático das Olimpíadas de Londres, em 2012, a arquiteta foi consultada sobre a possibilidade de projetar equipamentos para a Rio 2016. No entanto, o valor cobrado inviabilizou sua contratação. O escritório Zaha Hadid é considerado o que elabora os projetos mais caros do mundo. Contratada para pensar a infraestrutura dos Jogos de Tóquio, em 2020, também foi descartado pelo governo japonês. Só o estádio olímpico foi orçado em US$ 2 bilhões (R$ 8 bilhões).

Ponte Sheik Zayed, em Abu Dhabi: prova da versatilidade de Zaha Hadid

Ponte Sheik Zayed, em Abu Dhabi: prova da versatilidade de Zaha Hadid

Quatro obras ficarão prontas em 2016
Em 2015, o escritório da arquiteta envolveu-se em uma polêmica. Um bloco de concreto pesando aproximadamente 80 quilos desprendeu da fachada do prédio que abriga a biblioteca de economia da Universidade de Viena, na Áustria, e que leva a assinatura de Zaha Hadid. Por ter ocorrido de madrugada, quando o edifício e seu entorno estavam vazios, não houve nenhum vítima.

O desastre, porém, não foi suficiente para abalar o prestígio da arquiteta. Após a sua morte, aos 65 anos, Zaha Hadid deixa 36 obras com sua assinatura, e que ainda estão em construção em 21 países. Quatro deles serão concluídos em 2016: o terminal marítimo Salerno, na Itália (já inaugurado); a Port House, na Antuérpia, na Bélgica; Centro de Estudos e Pesquisas do Petróleo em Riade, na Arábia Saudita; e a Galeria de Matemática no Museu de Ciência de Londres, na Inglaterra.

O escritório Zahad Hadid não será desativado. Seguirá projetando e assumiu o compromisso de manter o legado da arquiteta. Após sua morte, o corpo de profissionais que atuava com ela divulgou uma nota em que reforça o comprometimento: “Zaha é o DNA de Zaha Hadid Architects. Ela continuará a nos guiar e a inspirar todos os dias, e trabalharemos do modo como Zaha nos ensinou: com curiosidade, integridade, paixão e determinação”.

Entrevistado
Zaha Hadid Architects (via assessoria de comunicação)
Contato: press@zaha-hadid.com

Créditos Fotos: Divulgação/Zaha Hadid Architects

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Leia também: