Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Softwares transformam a engenharia estrutural

Novas Tecnologias 18 de agosto de 2009

Presidente da ABECE analisa dilema no setor, aponta soluções, mas alerta: a presença da informática na concepção de projetos é um caminho sem volta

Marcos Monteiro, presidente da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural

Marcos Monteiro, presidente da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural

A régua de cálculo desapareceu e deu lugar às calculadoras. Agora, são os notebooks e os softwares que conduzem a engenharia estrutural. Mas qual o efeito futuro que esse avanço tecnológico trará à construção civil? Engenheiros mais antigos avaliam que os facilitadores de cálculo estão acomodando os profissionais e impedindo-os de questionar os resultados obtidos, tornando a engenharia virtual mais importante que a real. Até que ponto eles têm razão e para onde esse conflito de ideias irá levar a engenharia estrutural? Quem ajuda a encontrar essas respostas é o presidente da ABECE (Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural), Marcos Monteiro. Confira a entrevista:
O que mudou na engenharia estrutural com o surgimento dos softwares?
É importante salientar que, apesar de todas as críticas, a introdução de softwares na engenharia estrutural é um caminho sem volta e tem vários aspectos positivos, como a possibilidade de análise de alternativas na busca da melhor estrutura, o refinamento dos modelos estruturais, a racionalização das atividades de projeto e a facilitação da troca de informações entre seus participantes. A meu ver, o erro conceitual é achar que o projeto informatizado é um projeto rápido. A imagem do apertar o botão e o projeto sair pronto é uma lenda urbana que vai demorar muito tempo para se tornar realidade.

Uma alegação é que os facilitadores de cálculo estão acomodando os profissionais e impedindo-os de questionar os resultados obtidos, tornando a engenharia virtual mais importante que a real. Até que ponto quem faz essa crítica tem razão?
Esse é o grande problema na utilização dos softwares: acreditar que as respostas sempre estão corretas. Qualquer produtor consciente de softwares e, em especial, de softwares de engenharia estrutural, afirma que seus produtos não são imunes a erros e que a responsabilidade final pela consistência dos resultados é do usuário. Além disso, a qualidade das respostas está intimamente ligada à qualidade dos dados fornecidos, da modelagem. Dados ruins darão respostas ruins. E só uma análise criteriosa das respostas do software poderá detectar problemas. Daí, não se trata da resposta virtual ser mais importante. É mais cômodo e mais rápido – e os riscos muito maiores – se aceitar a resposta do software sem questionamentos.

Uma outra tese é que os softwares têm muito marketing agregado, mas na hora de serem usados acabam necessitando de ajuda humana para não errarem?
Um projeto estrutural é composto por três fases principais: concepção, projeto pré-executivo e projeto executivo. É de conhecimento geral que a principal função dos softwares é realizar tarefas repetitivas. Assim também ocorre com os softwares de engenharia, pois rotinas de dimensionamento, com aplicação de fórmulas, foram automatizadas. Além disso, a edição de desenhos (formas e armações) e as rotinas de envio de informações foram muito simplificadas. Por outro lado, a parte conceitual de definição do lançamento estrutural, a análise de interferências, a escolha das melhores alternativas de estrutura, que são os pontos importantes na formação do custo da estrutura, são de total responsabilidade do engenheiro e nenhum software comercial, a curto prazo, fará isso.

Até que ponto quem critica os softwares tem razão e para onde esse conflito de idéias irá levar a engenharia estrutural?
Creio que ninguém, conscientemente, critica os softwares, mas sim sua má utilização. Os softwares estão cada vez mais amigáveis, permitindo com que pessoas que nunca atuaram na área de projetos estruturais se sintam capazes de fazer projetos a partir da aquisição de um software. Infelizmente, por não se tratar de um produto de prateleira, as deficiências do projeto só serão notadas pelo cliente durante a execução da obra, ou ainda, posteriormente, ao surgirem patologias na estrutura. É preciso que os contratantes se conscientizem que não se contrata projetos como se compra outro material qualquer. Há de se obter referências do profissional: projetos já realizados, qualidade de atendimento, histórico profissional, a fim de se minimizar os riscos da contratação de um profissional inexperiente.

Uma questão parece absoluta: por mais que surjam críticas, não há como fugir da tecnologia. Qual o efeito futuro que esse avanço tecnológico trará para a engenharia estrutural?
A cada ano os softwares incorporam novas funcionalidades, permitindo que os modelos estruturais se aproximem do funcionamento real das estruturas e otimizando sua execução. Se por um lado esses modelos mais ajustados permitem melhores resultados, por outro, quando mal utilizados, podem conduzir a sérios riscos. Um grande avanço que irá impactar fortemente as construções será o BIM (Building Information Modeling). A elaboração de projetos com informações agregadas irá permitir um melhor gerenciamento da obra desde a fase dos projetos, passando pelo planejamento, orçamento, execução e pós-entrega. É um longo caminho a ser percorrido, que passa por estabelecimento de padrões em todo o setor, mas que mudará a forma de se construir.

A questão que certos engenheiros alegam é que os softwares tiram a sensibilidade de aferir se um projeto contém erros ou não. Seria esse o X da questão?
Creio que não. O mais importante é fazer uso adequado do que as novas ferramentas nos oferecem. Quem não fica surpreso com a facilidade com que uma criança de três ou quatro anos utiliza softwares educacionais? Alguém tem dúvida quanto aos benefícios, se essas ferramentas forem adequadamente utilizadas? Há um grande número de novos engenheiros que utilizam os softwares de forma adequada, testando modelos, verificando as respostas, introduzindo modificações e analisando seus efeitos, adquirindo a sensibilidade que antes era obtida de forma mais convencional, no dia-a-dia dos projetos. Temos que reaprender a aprender. Temos que reaprender a projetar. E temos que aprender que nenhum software traz a resposta pronta. Quem acredita nisso, terá problemas mais cedo ou mais tarde.

Em termos de custo, os softwares baratearam ou encareceram os projetos?
Fizemos um levantamento na ABECE, consultando diversos escritórios de projeto estrutural com relação aos resultados da informatização. O quadro que encontramos foi o seguinte: uma redução de cerca de 40% do tempo de desenvolvimento dos projetos (comparado a 1982), que também foi, aproximadamente, a redução do valor real do projeto estrutural. Por outro lado, a forma de fazer projeto mudou. O levantamento concluiu que:
1) A informatização mudou o perfil dos profissionais. Se os escritórios antes eram compostos por 20% de engenheiros, hoje cerca de 80% dos profissionais dos escritórios têm essa formação. Várias atividades que antes eram realizadas por profissionais de menor formação, e menor salário, hoje são realizadas por engenheiros.
2) Hoje se consome mais tempo na fase de concepção de projeto, em função da análise de alternativas e reuniões de compatibilização.
3) Além disso, a informatização introduziu novos custos para as empresas, acompanhado pelo aumento de impostos. Com essa nova realidade, apuramos que atualmente os projetos em valores reais custam cerca de 90% do que custavam em 1982. Como o valor hoje praticado é cerca de 60% daquele valor, isso implica em que as empresas de projeto absorveram essa diferença, traduzida na informalização das relações de trabalho, na queda de padrão econômico, no aumento da jornada de trabalho, na fuga de profissionais da área. Portanto, tivemos nos últimos 25 anos uma desarticulação do setor de projetos estruturais, implicando diretamente na qualidade dos serviços prestados.

E como ficam os novos engenheiros, que parecem ter-se tornado dependentes dos softwares?
Como foi dito anteriormente, há de se conscientizar os novos engenheiros sobre a maneira correta de se encarar a função dos softwares. Nas universidades, em geral, a introdução de novas disciplinas implicou na redução de carga horária das disciplinas tradicionais. Assim, não há como fazer com que o estudante se torne um especialista em cada uma das áreas da engenharia civil. Como professor, tenho que escolher os principais pontos a serem abordados, tentando suprir a ansiedade dos estudantes em conhecer os softwares da área de projeto estrutural. Minha opção foi por fortalecer os conceitos de funcionamento das estruturas de concreto, alertando os alunos para os cuidados na utilização dos softwares. Não ensino os alunos a operar nenhum tipo de software, mas levo as ferramentas nas aulas para fazer simulações, apresentar resultados, buscando suprir o desejo dos alunos de conhecer os softwares.

Neste cenário, como ficam os consumidores de obras?
Sem dúvida, hoje é muito mais difícil para um contratante escolher o projetista estrutural. Antes da informatização, um pequeno escritório de projetos tinha, ao menos, cinco pessoas. Ou seja, para ter condições de montar essa estrutura, o engenheiro já tinha uma história dentro da área. Hoje, qualquer pessoa pode ter um software e desenvolver projetos dentro de casa, sem nenhuma experiência anterior. Projeto não pode ser analisado apenas por seus resultados gráficos. Há de se considerar vários aspectos como concepção estrutural adequada, detalhes construtivos, respeito a normas, compatibilização dos projetos, adequação dos detalhamentos e, principalmente, o atendimento. Os contratantes devem especificar critérios mínimos para contratação de projetos como histórico profissional, escopo de projetos, obediência a recomendações e normas de projeto, para não incorrer em riscos na contratação de projetos com valores muito atrativos, mas que poderão trazer riscos e resultados indesejados.

Há em curso algum tipo de acordo com a indústria de softwares para que elas possam, por exemplo, permitir que a sensibilidade do engenheiro não seja ofuscada na elaboração de um projeto?
A ABECE, há cerca de quatro anos, enviou às principais empresas de software de engenharia estrutural que atuam no Brasil um documento intitulado Recomendações para Empresas de Software, com o objetivo de expor as ações que o setor considera como “condutas adequadas e consonantes com os objetivos de valorização profissional dos engenheiros estruturais”. Atualmente, a entidade não tem queixas relevantes quanto à atuação das empresas. Várias delas têm se preocupado em promover capacitações, palestras e cursos alertando os usuários para o adequado uso das ferramentas. Assim, o que sempre irá valer é o bom senso do usuário, que deve utilizar o software como ferramenta de apoio, sabendo que bons projetos são resultados da utilização da boa Engenharia e não do software utilizado.

Entrevistado: Assessoria de imprensa da ABECE: jornalista Rosana Córnea, da Prefixo Comunicação: prefixocom@terra.com.br

Jornalista responsável – Altair Santos MTB 2330 – Tempestade Comunicação



Tags:
Leia também: