Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Redes sociais

Comportamento e Carreira, Gestão, Gestão Estratégica, Qualificação Profissional, Universidade e Pesquisa 2 de setembro de 2010

Veja como manter a privacidade nas comunidades virtuais e a forma adequada de utilizá-las a seu favor

Por: Marina Pastore

Antes utilizadas apenas para entretenimento, as redes sociais serviam para entrar em contato com os amigos e também para “investigar” a vida alheia. Mas, este cenário mudou e o Facebook, Twitter e Orkut também passaram a ser alvo dos empregadores e profissionais de RH, que utilizam estes sites para analisar os perfis de possíveis candidatos ou até mesmo para monitorar seus funcionários. 

Octavio Pitaluga Neto: “A empresa pode orientar os funcionários sobre como se apresentar nas redes sociais”

Muitas pessoas podem considerar como uma invasão de privacidade ter seu perfil pesquisado pelas empresas. No entanto, para o coach e vice-presidente da Top Executives Net, rede social focada no segmento corporativo, Octavio Pitaluga Neto, não se trata disso. “Foi o próprio usuário que postou o conteúdo. As pessoas têm a opção de deixar as informações como privadas, mas se escolheram deixar públicas, elas estão sujeitas a isso”, afirma.

“A liberdade de expressão está garantida pela Constituição Federal, mas o excesso da liberdade de expressão é punido tanto pelo Código Civil como pelo Código Penal. Podemos publicar o que pensamos, mas respondemos pelo que postamos”, adverte Patricia Peck Pinheiro, advogada especialista em Direito Digital autora do livro “Direito Digital”.

Tropeços virtuais

Cometer uma gafe na internet muitas vezes pode custar caro. No caso de candidatos a uma vaga de emprego, por exemplo, ter uma comunidade que diz “odeio trabalhar” ou postar fotos comprometedoras em sua página da internet podem minar as chances de ser contratado ou até mesmo de participar de um processo seletivo.

E quem já está empregado também não escapa de ser monitorado. Criticar a empresa em que se está trabalhando, falar mal de colegas ou clientes e o excesso de exposição da imagem são alguns dos problemas que podem gerar demissão por justa causa.

Patrícia Peck Pinheiro: “Algo publicado na internet se torna de conhecimento público, não dá mais para fazer ‘vista grossa’

“Hoje as empresas estão mais rigorosas, com aplicação de ética e princípios de governança corporativa. E algo publicado na internet se torna de conhecimento público, não dá mais para fazer ‘vista grossa’ e o envolvido quase sempre perde o emprego”, diz a advogada.

Pitaluga apresenta uma solução para evitar que as empresas se envolvam em escândalos cibernéticos por conta de atitudes dos funcionários: definir um líder-coach especializado em redes de relacionamento e realizar um treinamento com a equipe. Segundo ele, a Companhia pode orientá-los sobre como se apresentar nas redes sociais.

Utilizando as redes sociais a seu favor

Para conseguir bons resultados no campo profissional nas redes sociais, Pitaluga sugere adotar um posicionamento claro na internet, sendo criterioso e seletivo. É preciso ter em mente quem você é, o que faz de bom e oferece de valor. Se a intenção é arranjar um emprego ou alavancar a carreira, é aconselhável focar o conteúdo das comunidades virtuais no trabalho, evitando expor a vida pessoal.

Caso o profissional queira impressionar possíveis recrutadores através de seu perfil on-line, o coach apresenta algumas sugestões:

– manter uma rede de contatos razoável (quanto mais, melhor), pois estes candidatos podem representar uma oportunidade de negócio para a empresa;

– colocar informações sobre a atividade profissional que exerce;

– evitar a divulgação de material que possa prejudicá-lo, tais como brincadeiras e fotos comprometedoras.

Redes sociais para “turbinar” sua carreira ou a empresa:

LinkedIn: é uma rede social direcionada para contatos profissionais. O perfil do usuário traz informações sobre seus conhecimentos e realizações na carreira. Para as empresas, pode representar uma boa oportunidade para recrutar funcionários ou para entrar em contato com clientes e fornecedores de serviços.

Indica: assim como o LinkedIn, é uma rede de contatos profissionais, porém oferece a possibilidade de usuários indicarem pessoas para concorrer às vagas das empresas. Também pode recompensar os “indicadores” que fizerem boas recomendações. O grande benefício deste site para as organizações é que ele permite anunciar vagas, aplicar testes on-line e fazer uma pré-seleção dos candidatos.

Viadeo: permite anunciar vagas, encontrar clientes e especialistas no setor, além de propiciar o encontro com antigos colegas de trabalho ou de escola.

Twitter: o microblog permite postar apenas mensagens com até 140 caracteres. Cada vez mais as empresas têm utilizado esta ferramenta para fazer contato direto com os clientes. Os profissionais também podem fazer o uso do site para divulgar seu trabalho e suas ideias.

Facebook e Orkut: são os dois sites que mais reúnem usuários brasileiros. O intuito principal é o de trocar mensagens entre amigos. Embora não tenham caráter profissional, é bom ser cuidadoso com as informações postadas nestas redes sociais, pois um recrutador pode estar de olho nelas. As empresas, por sua vez, podem utilizar estas comunidades virtuais para divulgar seus produtos e serviços.

Entrevistados:

Octavio Pitaluga Neto
– Vice-presidente da rede de relacionamento Top Executives Net, focada no segmento corporativo.
– Coach internacional de negócios, palestrante, treinador, business networker.
– Colunista do Clube do Vendedor (http://www.clubedovendedor.com.br).
– Atuou como diretor do Ecademy, plataforma de business networking para o Brasil e América Latina.
– Trabalhou na Grupo Tele2 Europe, 3C Communications, Seara Alimentos (Grupo Cargill) e Kanematsu do Brasil.
– Possui MBA/MBI pela RSM Erasmus University (Holanda) e especialização em Comércio Exterior pela UFRJ/ECEX.
Contato: http://www.topexecutivesnet.com

Patricia Peck Pinheiro
– Advogada especialista em Direito Digital, sócia fundadora do escritório Patricia Peck Pinheiro Advogados (PPP Advogados).
– Formada pela Universidade de São Paulo, com especialização em negócios pela Harvard Business School, MBA em marketing pela Madia Marketing School.
– É autora do livro “Direito Digital”, co-autora do audiolivro e do pocket book “Direito Digital no Dia-a-Dia”, e também co-autora do audiobook “Eleições Digitais”.
– Colunista do Conta Corrente da Globonews, do IDG Now e articulista do Valor Econômico, Revista Visão Jurídica, Revista Partner Sales, entre outros.
– Ministra aulas na pós-graduação do Senac-SP, Impacta, IBTA, Fatec-SP, assim como realiza treinamentos in company para diversas empresas.
Contato: www.pppadvogados.com.br

Leia mais sobre o assunto e saiba como as empresas de construção civil utilizam a internet.

Link: http://www.cimentoitambe.com.br/massa-cinzenta/a-insercao-digital-das-empresas-de-construcao-civil/
Interatividade

O que você acha das empresas que utilizam as redes sociais para recrutar profissionais? O uso das redes de relacionamento pelos funcionários pode atrapalhar as organizações?

Jornalista responsável: Silvia Elmor – MTB 4417/18/57 – Vogg Branded Content


Tags:
Leia também: