Recordista, material de construção vende R$ 55 bilhões

Expectativa do setor é que em 2013 vendas retomem ritmo de crescimento interrompido em 2012.

Recordista, material de construção vende R$ 55 bilhões

Recordista, material de construção vende R$ 55 bilhões 1024 682 Cimento Itambé

Anamaco comemora valor arrecadado, mas estima que em 2013 números serão mais positivos, por conta dos incentivos governamentais

Por: Altair Santos

O comércio de materiais de construção atingiu em 2012 um recorde: vendeu R$ 55 bilhões – valor que nunca havia sido alcançado em um único ano. Em relação ao volume de produtos negociados, houve crescimento de 3,5% no comparativo a 2011. O percentual ficou abaixo do projetado pela Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco) no começo de 2012, que era de 8%.

Expectativa do setor é que em 2013 vendas retomem ritmo de crescimento interrompido em 2012.

Para o presidente da entidade, Cláudio Conz, a demora do governo em liberar a linha de financiamento de material de construção com recursos do FGTS atrapalhou o setor. “A linha esbarrou em uma série de questões burocráticas, mas confiamos que em 2013 ela entre em vigor e impulsione as vendas. Muitos consumidores estão aguardando a medida para iniciar suas obras”, diz o executivo, projetando crescimento de 6,5% este ano.

O financiamento poderá ser usado para construção, reforma ou ampliação de unidade habitacional, além de instalação de hidrômetro e sistema de aquecimento solar para residências. A concessão do crédito não dependerá de renda familiar e será destinada apenas a titulares de conta vinculada ao FGTS. Os empréstimos poderão ser de até R$ 20 mil e terão juros nominais de 8,5% ao ano. A amortização deverá ser feita em, no máximo, dez anos.

Terão prioridade famílias com renda até R$ 5,4 mil, para compra de materiais para imóveis de até R$ 90 mil, incluindo idosos, pessoas com deficiência e mulheres chefes de família. “Além destas medidas de incentivo, estamos também otimistas por causa da manutenção da redução do IPI para os produtos do setor, das obras do Minha Casa, Minha Vida e dos eventos esportivos no país”, afirma o presidente da Anamaco.

Para a Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) a medida que permite usar recursos do FGTS nas reformas também é aguardada. Até porque, para o setor, o crescimento foi de apenas 2% em 2012. Mas, segundo o presidente do organismo, Walter Cover, as projeções para 2013 são mais otimistas. A expectativa é de crescimento de 5% este ano. “A prorrogação das atuais alíquotas do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) a perspectiva de melhorias nas linhas de crédito no varejo e a aceleração das obras previstas pelos programas governamentais sustentam essas previsões”, cita Cover.

Outro recorde

A venda de cimento também atingiu um recorde em 2012. O volume em toneladas alcançou 68,3 milhões no ano passado, superando a marca do período anterior, que foi de 63,5 milhões. Os dados foram divulgados pelo Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC) e equivalem a um crescimento de 6,9% – inferior aos 7,3% de 2011. A projeção era de que o setor poderia crescer 8,1%, mas houve uma desaceleração ao longo dos trimestres do ano passado. No 1º (janeiro, fevereiro e março) o setor cresceu 13,7%; no 2º (abril, maio e junho) 5,9%; no 3º (julho, agosto e setembro) 4,7% e no 4º (outubro, novembro e dezembro) 4,4%.

Entrevistados
Anamaco, Abramat e SNIC (via assessoria de imprensa)
Contatos: www.anamaco.com.br / www.abramat.org.br / www.snic.org.br

Créditos foto: Rafael Silva/Cohab

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil