Produtividade passa pela construção industrializada

Desafio dentro do canteiro de obras é neutralizar custo. Para isso, empresas precisam trocar a improvisação por planejamento e processos modulares

Desafio dentro do canteiro de obras é neutralizar custo. Para isso, empresas precisam trocar a improvisação por planejamento e processos modulares

Por: Altair Santos

Com a presença de duzentos profissionais e técnicos ligados aos segmentos de engenharia e arquitetura, a ABCIC (Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto) promoveu no Concrete Congress – evento paralelo ao Concrete Show 2014 – o seminário Soluções Industrializadas em Estruturas de Concreto para Edificações de Múltiplos Pavimentos. Entre os palestrantes esteve o engenheiro civil Jorge Batlouni Neto, coordenador do comitê de tecnologia e qualidade do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e presidente da Tecnum Engenharia. Ele analisou o momento do mercado brasileiro da construção civil, ressaltando a importância da interação entre projeto e sistemas pré-fabricados. A seu ver, será difícil obter crescimento na produtividade sem que o setor abrace a construção industrializada. Confira:

Jorge Blatouni Neto, do SindusCon-SP: inovação, desempenho e sustentabilidade são os caminhos para a construção civil enfrentar margens de lucro cada vez mais apertadas

Qual o atual desafio da construção civil?
De dez anos para cá, o cenário mudou. Desde que a construção civil saiu da inércia, entre 2004 e 2005, o desafio era entregar a obra dentro do cronograma. Hoje, é neutralizar custos. De que forma: aumentando a produtividade. A produção de obras praticamente dobrou no Brasil neste período, mas não houve aumento real de produtividade. O contexto mudou, os atores mudaram. Produzir mais em menor tempo, mas sem descuidar da qualidade, do compromisso com a sustentabilidade e com a vida útil das construções são as novas prioridades.

Onde entra a construção industrializada neste novo contexto?
As novas diretrizes passam por inovação, desempenho e sustentabilidade. De que forma? Acabando com a improvisação e optando por métodos construtivos previamente definidos.  É preciso diminuir a variabilidade do projeto, e isso se faz através da padronização modular e transferindo processos para a construção industrializada.

Quando decidir por uma obra industrializada ou não?
A decisão de industrializar deve ser tomada na fase de elaboração do projeto. Mas há outras variantes que precisam ser levadas em conta. Por exemplo: a área onde será construída a obra tem disponibilidade de energia elétrica? Afinal, serão usados equipamentos que consomem energia, como as gruas. Outro fator determinante é saber se há equipamentos disponíveis e se existe mão de obra especializada. Trabalhar com pré-fabricados requer muitos cuidados em termos de segurança e o operário especialista precisa ser treinado até para escapar de um acidente, se ele vier a ocorrer.

O risco de patologias em obras industrializadas é maior ou menor?
Diria que a industrialização não é o fim, mas o caminho para reduzir riscos de patologia. Além disso, a certificação de produtos e sistemas usados em obras pré-fabricadas é cada vez maior. Os selos de qualidade da ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland) e da ABCIC (Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto) estão aí para comprovar isso.

O que ainda impede que a construção industrializada tenha um mercado mais amplo?
O Brasil tem uma cadeia de impostos terríveis. Para se ter uma ideia, o concreto produzido no país é 50% mais caro do que na Alemanha. Mas, mesmo assim, a construção industrializada é o caminho para a construção civil nacional conseguir aumentar sua produtividade em 4% ao ano, como planeja o setor. E quando se fala em produtividade, é a produtividade do dinheiro. A margem de lucro na construção civil está cada vez mais apertada. É preciso buscar sistemas que permitam construir neutralizando os custos.

Entrevistado
Engenheiro civil Jorge Batlouni Neto, coordenador do comitê de tecnologia e qualidade do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e presidente da Tecnum Engenharia
Contato: jbn@tecnum.com.br

Créditos Fotos: Divulgação/Cia. de Cimento Itambé

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo