Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Ponta de estoque chega ao setor imobiliário

Gestão, Mercado Imobiliário 4 de maio de 2012

Apartamentos que não conseguem ser vendidos de imediato pelas incorporadoras podem ser comprados com desconto de até 30%

Por: Altair Santos

O conceito ponta de estoque ou outlet chega ao mercado imobiliário. O  modelo começou a ser adotado por incorporadoras e construtoras para negociar imóveis que, por algum motivo, ficam sem encontrar compradores. Pode ser aquele apartamento mal posicionado na planta, com algum defeito no acabamento ou que teve a negociação de venda interrompida, seja por desistência do interessado ou não aprovação do financiamento.

Rogério Santos, da RealtON: alto estoque de imóveis estimula outlet no setor imobiliário

Esses imóveis estocados acabam gerando encargos extras para as construtoras e incorporadoras, principalmente quando os edifícios já estão concluídos. São taxas, IPTU, manutenção e condomínio, que levam as empresas a preferir vendê-los com descontos a mantê-los fora do mercado. Por isso, a necessidade  de se adotar um novo tipo de venda, que tem sido experimentado em São Paulo/SP através da RealtON. A imobiliária inovou ao concentrar esse modelo de negócio através de parcerias que ajudam as incorporadoras a desonerar seus custos.

O processo de venda também procura ser econômico. A RealtON disponibiliza todas as ofertas na internet e em redes sociais. “Os interessados tiram as dúvidas online e só depois da convicção da compra é que eles são acompanhados por consultores até a unidade à venda. Isso poupa gasto com deslocamentos e visitas incansáveis a muitos imóveis. Quando a compra é negociada, a intermediação é feita por um corretor”, explica Rogério Santos, que trouxe esse novo conceito ao mercado imobiliário.

Segundo ele, a ponta de estoque de imóveis é uma tendência impulsionada pelo fato de as companhias terem aberto seus capitais e se virem forçadas a aumentar significativamente o número de lançamentos e, consequentemente, de estoque. “Estima-se que hoje as companhias abertas acumulem um estoque superior a R$ 35 bilhões. A necessidade de caixa que se seguiu após todos os lançamentos incentivou as empresas a darem mais liquidez aos seus estoques. Daí o surgimento da RealtON”, diz Rogério Santos.

Em São Paulo, o modelo outlet negocia imóveis de 20 grandes construtoras com capital aberto. Entre março e abril de 2012, foram vendidos, em média, cinco apartamentos por dia. Os descontos variam de 5% a 30%, definidos a partir de cada negociação com a incorporadora e tipo de imóvel. “Temos casos de negociações com descontos muito bons, que chegam a ficar duas horas no site e são arrematados rapidamente”, diz o diretor da RealtON. Os imóveis negociados têm valores que variam de R$ 300 mil a R$ 4 milhões e 60% dos compradores são investidores.

Outra característica do negócio é que não são colocados à venda imóveis que tenham pendências com agentes financeiros. “Trabalhamos diretamente com as incorporadoras. Os imóveis em estoque dependem da avaliação de cada incorporadora. Em geral, são disponibilizados entre seis e oito meses após a data de lançamento. Estimamos que 60% dos imóveis comercializados pela RealtON estão prontos. Os demais, em construção”, revela Rogério Santos, que estuda abrir o mesmo modelo de empreendimento nas cidades de Rio de Janeiro/RJ, Brasília/DF, Manaus/AM, Salvador/BA e Curitiba/PR.

Entrevistado
Rogério Santos, CEO da RealtON, imobiliária especializada em venda de ponta de estoque de imóveis
Currículo
– Formado em marketing pela ESPM e pós-graduado pela FGV
– Atua há 25 anos no mercado imobiliário e já trabalhou como diretor de marketing de empresas como Cyrela do Brazil Realty S/A e Abyara Brokers Intermed. Imobiliária S/A
– É o fundados da RealtON, outlet de imóveis
Contato: www.realton.com.br

Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Leia também: