PlanHab se propõe a combater moradias precárias

Estratégia é urbanizar terrenos, fornecer cesta de material de construção e dar assistência técnica às famílias, através de arquitetos e engenheiros.

Estratégia é urbanizar terrenos, fornecer cesta de material de construção e dar assistência técnica às famílias, através de arquitetos e engenheiros

Por: Altair Santos

Lançado em 2008, o Plano Nacional de Habitação (PlanHab) surgiu com a função de fundamentar os programas Minha Casa, Minha Vida e PAC Urbanização de Favelas. O foco de suas diretrizes está na habitação de interesse social. No entanto, ao longo desses quatro anos, o PlanHab viu o Minha Casa, Minha Vida se sobrepor a ele. Os holofotes da indústria da construção civil e do mercado imobiliário voltaram-se para o MCMV, que transformou-se na porta de entrada para que a nova classe C obtivesse a casa própria. Isso obrigou a uma espécie de correção de rota do PlanHab. A partir do Comunicado 118, publicado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) no final de 2011, o Plano Nacional de Habitação terá como meta o combate às moradias precárias.

Cleandro Krause: PlanHab é integrado ao Minha Casa, Minha Vida e ao PAC Urbanização de Favelas.

Uma das metas do PlanHab é descentralizar os investimentos, repassando aos municípios recursos do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social.  Com isso, o plano ganha um tripé baseado na urbanização de favelas – no caso das grandes cidades -, no fornecimento de uma cesta básica de materiais de construção e no serviço de assistência técnica a ser prestado por arquitetos e engenheiros para famílias que quiserem construir ou reformar suas casas. “A prioridade seria as moradias rústicas, improvisadas, que abrigam às vezes mais de uma família e não têm infraestrutura de água, esgoto e rede elétrica. Então, o poder público entraria com a urbanização da área e a família receberia, na totalidade ou em parte, uma cesta de material de construção, além de assistência técnica para ela mesma erguer a nova moradia”, explica Cleandro Krause, do Ipea.

Outra solução pensada pelo PlanHab seria investir em construções em grande escala, através de tecnologias como o pré-fabricado, por exemplo. Companhias de habitação como as de São Paulo e de Pernambuco recentemente colheram bons resultados com esse tipo de modelo ao recuperar áreas destruídas por enchentes. “Isso é possível, desde que sejam tecnologias certificadas. Além disso, é importante que as famílias que forem morar nestas casas possam se apropriar daquela tecnologia. Por quê? Porque é muito comum que, ao longo do ciclo de vida de uma casa, ela precise ser ampliada. Imagine uma família precisar fazer uma ampliação e não conseguir, pois a adaptação vai comprometer a segurança estrutural da casa?”, ressalta o técnico de planejamento e pesquisa do Ipea.

Meta do PlanHab é fornecer cesta de material de construção e orientação para as famílias construírem suas próprias casas.

Outro debate em torno do PlanHab está na possibilidade de ele poder se adaptar às diferenças regionais do país. O objetivo é que o plano não siga um modelo único de construção nem de projeto. “Nem sempre uma casa de dois dormitórios vai ser suficiente para uma família grande. É importante não confundir especificações mínimas com modelo único. O projeto tem que ser sempre adequado a situações regionais. Agora, existem alguns contextos no Brasil. Na região norte, por exemplo, falta desenvolver alguns modelos mais específicos para as ocupações ribeirinhas. A habitação rural também não deveria ser igual a uma habitação urbana”, avalia Cleandro Krause, para quem, com alguns ajustes, o PlanHab pode cumprir a meta de ajudar a zerar o déficit habitacional brasileiro até 2023.

Confira a íntegra do Plano Nacional de Habitação: Clique aqui

Veja o Comunicado 118 do Ipea: Texto e Vídeo

Entrevistado
Cleandro Krause, técnico de Planejamento e Pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais (Dirur), do Ipea
Currículo

– Arquiteto graduado pela UFRGS (Universidade federal do Rio Grande do Sul) e mestre em planejamento urbano e regional (UFRGS)
– Ocupa o cargo de técnico de planejamento e pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais (Dirur), do Ipea
Contato: cleandro.krause@ipea.gov.br / ascom@ipea.gov.br

Crédito:  Divulgação/Ipea/ Ministério das Cidades

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo