Parque usa pistas de skate para combater enchentes

Piscinões em formato de pista de skate atraem milhares de pessoas no parque em Roskilde, na Dinamarca

Parque usa pistas de skate para combater enchentes

Parque usa pistas de skate para combater enchentes 628 362 Cimento Itambé

Em períodos chuvosos, área na Dinamarca consegue reter até 23 mil m³. Nos períodos de seca, piscinões se transformam em lazer para os moradores

Por: Altair Santos

O Rabalderparken, parque construído em 2012 na cidade de Roskilde, no sudeste da Dinamarca, está se tornando referência mundial. Os países vizinhos, Holanda e Bélgica, já projetam estruturas semelhantes e não faltam arquitetos, urbanistas e profissionais ligados à construção sustentável que não queiram visitá-lo. Mas o que esse parque tem de diferente? Planejada para drenar as águas pluviais, a área tem uma série de equipamentos multifuncionais que servem ao lazer dos cidadãos quando o período de enchentes chega ao fim.

Ao construir o parque Rabalder, engenheiros projetaram piscinões em formato de pistas de skate: ideia inovadora

Três piscinões, capazes de reter até 23 mil m³ de água, se transformam em pistas de skate, patins e bicicleta quando o Rabalderparken esvazia. Canais de concreto e asfalto viram ciclovias após drenarem a água para um imenso lago no centro do parque e para cisternas subterrâneas que ajudam no abastecimento da cidade. “Isso garante a usabilidade da área durante todo o ano, para que ela não se transforme em um deserto em tempo seco”, afirma o arquiteto Søren Nordal Enevoldsen, do escritório dinamarquês SNE Architects, que foi contratado pela prefeitura de Roskilde para projetar o parque.

Vencedor dos prêmios de construção sustentável City Planning Award 2012 e Sustainable Concrete 2013 Award, o Rabalderparken concorreu em 2014 ao Place By-Design, promovido pela SXSW Eco, que acontece anualmente em Austin, no Texas-EUA, e é considerada uma das principais conferências mundiais no campo da construção sustentável. Na premiação, o parque dinamarquês recebeu “menção honrosa”. “O Rabalderparken oferece uma forma lúdica de abordar o problema das inundações causadas pelas mudanças climáticas globais”, definiram os organizadores da SXSW Eco.

Canais para que a água escoe de volta ao leito dos rios que circundam o parque se transformam em ciclovias quando estão secos

Bairro sustentável

Primeiro passo para a reurbanização de uma área industrial de Roskilde, o Rabalderparken fará parte de um bairro com construções sustentáveis batizado de Musicon. A região escolhida abrigava concreteiras na cidade e, por isso, o concreto foi definido como um elemento protagonista na construção do parque. O Musicon deverá estar totalmente implantado até 2020 e tem o propósito de concentrar, além de residências e prédios de escritórios, escolas de arte e de música. “A ideia é que ele seja uma referência europeia em instalações voltadas para a arte”, explica Søren Nordal Enevoldsen.

O conceito do Rabalderparken, de servir como um catalisador de águas pluviais, não é novo. Em Curitiba-PR, o Parque Barigui foi concebido em 1972, pelo então prefeito Jaime Lerner, com o mesmo objetivo: conter o fluxo de água que inundava aquela região da cidade em períodos de chuva. Por isso, foi construído um lago com 23 mil m² no centro do parque. No caso do Rabalderparken, foram utilizadas novas tecnologias de drenagem, através de canais, piscinões e cisternas.

Parque tem cisternas que drenam as águas das enchentes, para que elas ajudem no abastecimento da água


Entrevistado

Arquiteto Søren Nordal Enevoldsen, da SNE Architects

Contato: sne@snearchitects.com

Crédito Fotos: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil