Mercado imobiliário vive círculo virtuoso

Presidente da Ademi-PR, Gustavo Selig, avalia que incentivo de agentes financeiros manterá setor tão aquecido em 2011 como nos anos anteriores.

Presidente da Ademi-PR, Gustavo Selig, avalia que incentivo de agentes financeiros manterá setor tão aquecido em 2011 como nos anos anteriores

Por: Altair Santos

A redescoberta do mercado imobiliário pelos bancos privados começa a criar no Brasil um círculo virtuoso, avalia Gustavo Selig, presidente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi-PR). Segundo o dirigente, o que mudou na linha de pensamento das instituições financeiras é o fato de que elas perceberam que o setor imobiliário não só movimenta vários setores da economia do país como permite fidelizar clientes por um longo período. “Nos últimos anos, esses agentes viram a grande locomotiva que é o mercado imobiliário. Além disso, o setor possibilita a fidelização do cliente na instituição por até 30 anos. Desde então, o mercado imobiliário tornou-se o foco dos bancos, o que já era norma em outros países”, diz Selig.

Gustavo Selig: "Agentes financeiros descobriram a grande locomotiva que é o mercado imobiliário."

Essa mudança no perfil do investidor não deverá mudar em 2011, avalia Gustavo Selig. Segundo o presidente da Ademi-PR, o mercado imobiliário experimentará neste ano mais um período de crescimento. Ele usa a capital paranaense como exemplo. “Em Curitiba, é esperada uma valorização dos imóveis entre 16 e 18% ao ano, em média”, cita. Selig avalia também que, a partir de agora, o desafio das incorporadoras é achar o ponto de equilíbrio entre a oferta e a demanda. “O Brasil constrói menos que a demanda. Entretanto, esta demanda é crescente. Todo o ano há uma nova necessidade de unidades e, se a demanda anual não é satisfeita, ela se soma à nova, o que faz com que a conta não feche. É preciso achar o ponto de equilíbrio para não haver excessos”, diz.

A avaliação do presidente da Ademi-PR coincide com recente pesquisa da Associação de Investidores Estrangeiros em Mercado Imobiliário (Afire), que mostra que o Brasil é o país emergente preferido dos investidores imobiliários. Segundo o estudo, 40% dos entrevistados confirmam o otimismo em investir no mercado nacional. A pesquisa revelou ainda que para quase 25% dos investidores pesquisados, o Brasil está entre os países que oferece as melhores possibilidades de valorização dos investimentos imobiliários em 2011. Números de Curitiba, citados por Selig, confirmam a tendência. Em 2010, a cidade bateu o recorde na liberação de alvarás para construção de imóveis residenciais horizontais e verticais. A capital chegou a aproximadamente 35 mil unidades.

De acordo com o presidente da entidade, Gustavo Selig, o número é três vezes maior que a quantidade de alvarás, para o mesmo tipo de construção, liberados de 2005 a 2007, que totalizou 11.400. Em 2009, foram liberados alvarás de construção para 25.614 unidades residenciais. “O aquecimento do mercado, fortemente impactado por uma maior oferta de crédito, não apenas para o cliente, mas também para a produção, e a mudança no perfil dos empreendimentos, que hoje têm mais unidades, principalmente os inseridos no Minha Casa, Minha Vida, favoreceram este crescimento”, explica Selig. Ainda segundo o dirigente, o programa habitacional do governo seguirá como o propulsor do mercado imobiliário em todo o país.

O impacto deve ser ainda maior depois que o houve a elevação do teto para financiamento de imóveis com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), que passou de R$ 130 mil para R$ 150 mil na capital paranaense. “Havia a necessidade de aumentar este valor, pois, com o crescimento e a valorização do mercado imobiliário, o teto anterior estava dificultando os lançamentos de produtos voltados ao segmento econômico”, comenta Selig, que sugere o aumento da fatia de renda atendida pelo Minha Casa, Minha Vida para alavancar o programa no Paraná. Atualmente, a renda familiar máxima para a liberação de financiamentos com recursos do FGTS é de R$ 4,9 mil para municípios com mais de 250 mil habitantes. “Se isso ocorrer, o círculo virtuoso do setor se fecha”, finaliza Selig.

Entrevistado
Gustavo Selig, presidente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi-PR)
Currículo

Engenheiro civil graduado pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Gustavo Selig é o segundo presidente da Ademi-PR reeleito, em 30 anos de fundação da entidade. Mestre em Administração de Empresas e Negócios pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-PR), Selig é também diretor-presidente da Hestia Construções e Empreendimentos.
Contato: contato@memilia.com (assessoria de imprensa)

Crédito: Enéas Gomez/Ademi-PR

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo