Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Interior descobre pavimento urbano de concreto

Área Técnica, Gestão, Gestão de Obras, Mercado da Construção, Sobre Cimento, Sobre Concreto 23 de janeiro de 2013

Cidades de médio porte, com população entre 250 mil a 700 mil habitantes, são incentivadas pela ABCP a investir na tecnologia para economizar recursos

Por: Altair Santos

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) define como cidade de médio porte aquela com população entre 250 mil a 700 mil habitantes. No país, 75 municípios se enquadram neste perfil. É para esse grupo que a ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland) se dedicará em 2013, a fim de levar o conceito de pavimento urbano de concreto ao interior. “Toda cidade que tiver planejamento urbano é de interesse da ABCP ajudar a desenvolver projetos, principalmente os ligados ao transporte público. As de médio porte estão despertando para isso, seja investindo em corredores exclusivos de ônibus, contornos ou ciclovias”, explica Ronaldo Vizzoni, gerente nacional de infraestrutura da ABCP.

Ronaldo Vizzoni: optar pelo pavimento de concreto exige vontade política.

Entre os municípios de médio porte que adeririam ao pavimento urbano de concreto, a maioria está localizada nos estados de São Paulo e Paraná. Entre eles, São José dos Campos-SP, Ribeirão Preto/SP, Sorocaba/SP, Cascavel/PR, Londrina/PR, Maringá/PR e Ponta Grossa/PR. Há também as cidades de Uberlândia/MG, Feira de Santana/BA, Olinda/PE, Joinville/SC e Criciúma/SC. Segundo Vizzoni, as prefeituras dessas cidades já entenderam que investir em pavimento rígido é economia para o município. “O pavimento rígido gera tarifa social nas passagens dos ônibus, devido à sua longa duração, inexistência de trilhas de rodas, buracos e grandes deformações plásticas. Isso baixa significativamente o custo operacional dos veículos”, afirma.

Quando não é possível pavimentar longos trechos em concreto no ambiente urbano, o recomendável é que ele seja utilizado pelo menos em paradas de ônibus, onde as operações de frenagem e arrancada danificam rapidamente o asfalto. Sugere-se também que em ruas onde há operações de carga e descarga o pavimento em concreto tenha prioridade. Da mesma forma, é de bom senso aplicá-lo em cruzamentos, curvas e alças de acesso. Nestes trechos, o pavimento de concreto garante a mobilidade e fluidez do tráfego, reduzindo gastos com manutenção. Além disso, proporciona maior aderência da superfície, luminosidade, solidez e demarcação clara das pistas.

BRT de Sorocaba, no interior de São Paulo: uma das cidades de médio porte que aderiu ao pavimento de concreto.

Para Ronaldo Vizzoni, o maior desafio para levar o concreto às ruas e avenidas das cidades de médio porte está em demonstrar economicamente às prefeituras a viabilidade técnica e econômica do pavimento rígido, além dos aspectos relacionados à sustentabilidade. “Também é preciso vontade política e visão de longo prazo do prefeito”, alerta, assegurando que, independentemente de onde se localize a cidade, a ABCP tem amplas condições de prestar assessoria técnica e de fornecer equipamentos para as obras. “Damos apoio desde o projeto até a execução das obras, com o mesmo atendimento que prestamos às grandes cidades”, garante o gerente nacional de infraestrutura da associação.

Impulso

Em 2012, o governo federal deu um grande incentivo para que as cidades de médio porte possam reestruturar a malha urbana. Foi lançado o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Médias Cidades. Uma linha de financiamento no valor de R$ 7 bilhões passou a ficar disponível para os 75 municípios com população entre 250 mil a 700 mil habitantes. Essas cidades, de acordo com o IBGE, estão distribuídas em 18 estados. Para elas, o PAC da Mobilidade dará prioridade a projetos de corredores de ônibus. Até o final do ano passado, 71 haviam cadastrado projetos para receber os recursos. Nos documentos entregues ao Ministério das Cidades, e ainda em fase de análise, boa parte propunha trechos em pavimento rígido.

Entrevistado
Ronaldo Vizzoni, gerente nacional de infraestrutura da ABCP
Currículo
– Ronaldo Vizzoni é graduado em engenharia civil e administração de empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
– Também é pós-graduado em marketing industrial na Fundação Getúlio Vargas (FGV)
– Atualmente é responsável pela consultoria de grandes obras e ministra cursos na ABCP para capacitação de mão de obra relacionada a pavimento de concreto em rodovias e corredores de ônibus
Contato: ronaldo.vizzoni@abcp.org.br

Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Leia também: