Gestão de logística

Uma logística adequada pode aumentar a produtividade e reduzir custos das empresas, além de ajudar na fidelização e ampliação da base de clientes. Veja como implantá-la.

Uma logística adequada pode aumentar a produtividade e reduzir custos das empresas

Por: Camila Braga e Marina Pastore

Para entender o que é logística, basta imaginar o que seria de uma empresa como os Correios, por exemplo, sem uma estrutura bastante organizada para receber, armazenar e entregar as correspondências. E é exatamente desta parte que a logística cuida. Em síntese, é possível dizer que gestão de logística se trata do processo de controle do fluxo dos produtos dentro da empresa, desde o momento da entrada até sua efetiva entrega ao destinatário final.

Edgar de Souza Junior

Edgar de Souza Júnior, gerente comercial e de logística da Rodolatina Transportes, acredita também que a logística pode ser definida como uma área da gestão responsável por prover recursos, equipamentos e informações para a execução de todas as atividades de uma empresa.

O consultor de negócios Rogério Dequech, da consultoria GO4!, exemplifica: “em uma indústria, a logística inicia pela compra das matérias-primas, armazenamento e movimentação de estoques de produtos semi-acabados e acabados e o transporte dos produtos até os clientes”.

Para Dequech, ter uma gestão de logística adequada traz alguns benefícios relevantes para as empresas : “produtividade,  velocidade no atendimento de pedidos e redução de custos, o que em última instância deve conduzir à fidelização e ampliação da base de clientes”.

Rogério Dequech

A logística é necessária para praticamente todas as empresas. Algumas organizações são mais dependentes (varejo, distribuição e indústrias) e outras menos (serviços), mas a necessidade em se ter um departamento específico depende de cada caso, na opinião de Dequech. “Em empresas menores, para adequação de gastos, as atividades que compõem a logística podem ser tratadas pelas demais áreas”, sugere. 

Como implantar?

Para implantar a logística em uma empresa, é preciso começar com um diagnóstico, através do qual se deve entender e desenhar os processos relacionados à gestão da cadeia de abastecimento da empresa, segundo Dequech. 

Num segundo passo, é preciso analisar como melhorar a eficiência de cada uma das atividades que fazem parte da logística, automatizando e estudando a possibilidade de terceirizações. Procurar uma empresa que seja referência nesse assunto em seu setor de atividade também pode ser uma boa ideia para quem é iniciante.

Terceirizar ou não?

Algumas empresas optam entre terceirizar toda a parte logística ou apenas parcialmente. Na opinião de Edgar de Souza Júnior esta é uma estratégia que pode funcionar bem.  “Por definição, qualquer atividade que não seja ‘fim’ de uma empresa é desejável que seja terceirizada, não só o transporte ou a logística. É melhor deixar alguém mais focado, que invista mais tempo e inteligência em atividades que são ‘meio’, responsável por esta tarefa. Com isso, a organização pode obter menores custos e melhor qualidade/produtividade”.

Já Dequech acredita que a terceirização da logística depende da atividade e do porte da empresa. Para ele, na maioria dos casos, gera maior eficiência com menor custo. No entanto, há setores da economia nos quais manter uma parcela de frota própria torna-se uma decisão estratégica. É preciso analisar se o preço do serviço não afetará a margem do negócio ou se irá comprometer o atendimento aos clientes.

Entretanto, Edgar adverte que o operador logístico terceirizado tem que realizar as atividades com qualidade superior e custo competitivo em relação ao que a empresa conseguiria. Esta é a lógica da terceirização.

Entrevistados:

Rogério Dequech
Sócio-diretor da Go4! Consultoria de Negócios. Atuou em cargos de diretoria nas empresas ALL, Delara e Perfipar, onde participou de movimentos de fusões e aquisições. Graduado em Engenharia Elétrica e pós-graduado em Computer Science e em Business.  Possui MBA – Controller pela Universidade de São Paulo (USP) e MBA – ex pela St Jonh’s University, de Nova Iorque.
Contato: http://www.go4.com.br/

Edgar de Souza Júnior
Gerente comercial e de logística da Rodolatina Transportes. Engenheiro mecânico com pós-gradução em administração de marketing, trabalha há 15 anos na área de logística, tendo atuado no Consórcio Vale do Rio Doce/Cesa e na Rodolatina.
Contato: edgar@rodolatina.com.br

Jornalista responsável: Silvia Elmor – MTB 4417/18/57 – Vogg Branded Content


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo