Garagem pega o elevador e se instala no apartamento

Garagem pega o elevador e se instala no apartamento

Garagem pega o elevador e se instala no apartamento 150 150 Cimento Itambé

Edifícios de alto padrão reservam espaço para o veículo na área útil, mas isso requer que o projeto garanta reforço nas lajes e tratamento acústico das paredes

Por: Altair Santos

A nova tendência entre os edifícios de alto padrão é acoplar a garagem à área útil do apartamento. O arquiteto Gustavo Penna tem sido um dos mais atuantes em utilizar esse conceito no Brasil. Radicado em Belo Horizonte, foi na capital mineira que ele projetou o prédio que virou modelo para outros empreendimentos: o Parc Zodíaco. A obra, inaugurada há três anos, foi concebida com plantas flexíveis, em que a garagem poderia ficar tanto na sala quanto na área de serviço.

Arquiteto Gustavo Penna: ideia foi dar um upgrade na garagem.

Para conceber o projeto de Gustavo Penna, o engenheiro civil Eduardo Luiz Silva revela que o maior desafio foi definir a área em que o elevador exclusivo para os veículos seria instalado. Na planta, o equipamento ocupa o centro do edifício, com portas que se abrem dos dois lados – uma delas permite que o automóvel se instale na sala e a outra que ele ocupe a área de serviço. “O elevador demanda um espaço significativo no pavimento do apartamento. Além disso, foi preciso projetar uma estrutura que suportasse a carga de um veículo no andar”, diz Eduardo Luiz Silva.

No caso do Parc Zodíaco, a EPO Engenharia, que construiu o prédio, optou por usar lajes nervuradas protendidas. Por serem mais esbeltas, elas suportam cargas elevadas, o que era necessário por causa do projeto contemplar a permanência de um veículo na área útil do apartamento. “Também reforçamos o contrapiso e o piso para resistir à carga extra proporcionada pelo peso do automóvel”, destaca o engenheiro, revelando que o consumo de concreto no edifício não foi muito diferente do usado num prédio convencional, por que houve a utilização de concreto protendido nas lajes.

Garagem dentro da área útil do apartamento oferece conforto e praticidade aos moradores.

O cálculo do projeto foi assinado pelo escritório de Raul Neueschwander, que permitiu que o Parc Zodíaco fosse erguido consumindo 12,5 mil m³ de concreto.  O edifício também tem compromissos com a sustentabilidade, haja vista que a implantação do prédio no terreno apresenta uma taxa de ocupação de 11,8% e uma área permeável de 38,7%, com 2.752,5 m² de jardins e áreas abertas, atendendo com folga a taxa exigida pela lei de uso e ocupação do solo, que é de 20%. Quanto à garagem dentro do apartamento, o empreendimento dispõe de um sensor de gás carbônico que detecta a emissão do veículo e aciona um sistema de exaustão retirando todo os gases do ambiente.

Outra preocupação foi com o tratamento acústico das paredes que envolvem a garagem dentro do apartamento. Há casos em que o carro fica estacionado ao lado de um quarto, e isso exige um cuidado acústico”, relata  Eduardo Luiz Silva, destacando que foi possível chegar a esse conceito de edifício por que os projetos arquitetônico e estrutural foram concebidos desde o início para esta finalidade. Em uma área construída de 13.800 m², o Parc Zodíaco tem 22 pavimentos, 70 metros de altura, 14  apartamentos e 66 garagens.

Confira vídeo do edifício Parc Zodíaco: clique aqui

Edifício Parc Zodíaco, em Belo Horizonte: projeto permitiu que garagem fosse acoplada à sala ou à área de serviço.

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil