Contra tornados, EUA investem em casas de concreto

Casa com paredes de concreto que resistiu ao furacão Sandy, que atingiu os EUA em 2012

Contra tornados, EUA investem em casas de concreto

Contra tornados, EUA investem em casas de concreto 600 282 Cimento Itambé

Organismo ligado a seguradoras desenvolve programa para a construção de residências mais resistentes a fenômenos climáticos

Por: Altair Santos

A temporada de tornados nos Estados Unidos, que sempre acontece no período da primavera no hemisfério norte, está mudando o mercado de pequenas construtoras do país, e que se dedicam a edificações com custo de até US$ 200 mil (aproximadamente R$ 650 mil). Casas neste patamar de preço são as mais vendidas no país e costumam ser construídas através do sistema conhecido como Wood Frame, que utiliza estruturas de madeira. O problema é que são habitações que não suportam os fortes ventos causados por tornados e furacões, obrigando que sejam 100% reconstruídas quando atingidas por esses fenômenos climáticos.

Casa em Wood Frame atingida por tornado, em Oklahoma: perda total

Casa em Wood Frame atingida por tornado, em Oklahoma: perda total

Pesquisa do Instituto para Negócios & Segurança Habitacional (IBHS, do inglês Institute for Business & Home Safety) mostra que casas construídas em Wood Frame não resistem nem a tornados F-0 e F-1, os menores na escala de 0 a 6, e que abrangem vendavais entre 117 km/h e 180 km/h. Em documento publicado em março de 2016, contando com a assessoria técnica do ACI (American Concrete Institute), a IBHS passou a defender a construção de casas com paredes de concreto, assentadas sobre radiers reforçados para suportar tornados. “Estamos em campanha por construções mais fortes, principalmente no Tornado Alley”, diz a IBHS.

O Tornado Alley, ou Alameda dos Tornados, engloba Oklahoma, Kansas, Arkansas, Iowa e Missouri. Para estes estados, e também para os que formam o Golfo do México – propensos a furacões –, a IBHS recomenda estruturas que possam suportar ventos de até 234 km/h. Para isso, o instituto lançou o programa Fortified (Fortificado), para conscientizar os construtores. “Nosso esforço é para propagar melhores métodos de construção. Hoje, estamos convictos de que casas que utilizam estruturas de concreto são muito mais seguras”, diz Chuck Miccolis, engenheiro-sênior e gestor do programa Fortified, que é financiado por mais de 200 seguradoras dos Estados Unidos.

Apólices somam US$ 8,3 bi por ano

Após a montagem das fôrmas de EPS, elas são preenchidas com concreto

Após a montagem das fôrmas de EPS, elas são preenchidas com concreto

Boa parte destas empresas está colocando obstáculos para aceitar seguros de casas em Wood Frame, sob a alegação de que são “construções frágeis”. “Com o Fortified queremos certificar casas bem construídas e que tenham estruturas para suportar ventos até 20 Mph (32 km/h) maiores que o limite médio”, explica Chuck Miccolis. Ou seja, se determinada região registra ventos médios de 100 km/h, as construções devem suportar fenômenos de 132 km/h. Para o gestor do programa, existe também a questão do custo. “O sistema que indicamos permite construir casas cerca de 30% mais baratas, mais seguras e igualmente confortáveis”, diz. Anualmente, as seguradoras dos Estados Unidos são obrigadas a pagar US$ 8,3 bilhões (mais de R$ 25 bilhões) por danos em residências, causados por fenômenos climáticos.

As construções sugeridas pelo programa Fortified utilizam fôrmas que internamente recebem revestimento em EPS (poliestireno expandido) para garantir desempenho térmico e acústico. O preenchimento com concreto é in loco. Tanto projetos para residências quanto para edifícios de até cinco pavimentos podem utilizar o mesmo sistema. A iniciativa da IBHS conta com a certificação da Insulating Concrete Form Association (ICFA) (Associação de Fôrmas e Isolamentos para Paredes de Concreto) e da Portland Cement Association (PCA) (Associação de Cimento Portland) – ambas dos Estados Unidos -, além do apoio técnico da ACI (American Concrete Institute).

Veja vídeo sobre construção de casa com paredes de concreto nos EUA

Entrevistado
Chuck Miccolis
, engenheiro-sênior e gestor do programa Fortified do IBHS (Institute for Business & Home Safety) (via assessoria de imprensa)
Contatos
info@ibhs.org
www.disastersafety.org

Crédito Fotos: IBHS/PCA

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil