Engenheiro multidisciplinar

Engenheiro multidisciplinar

Engenheiro multidisciplinar 150 150 Cimento Itambé

Surge um novo profissional nas empresas, cuja função é detectar problemas e apontar soluções.

Álvaro Guillermo Rojas Lezana

Álvaro Guillermo Rojas Lezana

Eles são disputados pelas empresas como um craque é pelos clubes de futebol. Mal concluem seus cursos, já estão recebendo propostas salariais que podem chegar a R$ 4 mil. Quem é esse profissional? Em seu crachá ele poderá ser definido como engenheiro de produção ou engenheiro multidisciplinar. Sua valorização se deve ao fato de que foi formado para detectar problemas e apontar soluções.

Em tese, na linguagem dos especialistas, esse profissional concilia o conhecimento da ciência aplicada com o viés administrativo e gerencial. Diz-se que ele é preparado para “gerir o chão da fábrica”, com capacidade de otimizar o ciclo de produção. “A vantagem é que atua em várias áreas do conhecimento. Vai desde o sistema de produção, passando pelo direito e a ética, até o domínio de conceitos relativos à TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação)”, diz o diretor do Centro Tecnológico da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), professor doutor Álvaro Guillermo Rojas Lezana.

A versatilidade deste profissional o faz ganhar outros mercados. O sistema financeiro, por exemplo, hoje está optando pelo engenheiro multidisciplinar em vez de administradores de empresa e economistas. “Pelo conhecimento que têm de engenharia, eles demonstram mais habilidade para solucionar problemas complexos”, resume Lezana, que batalha para resolver o déficit destes especialistas no mercado de trabalho.

Ainda há poucas universidades no Brasil que oferecem cursos de engenharia de produção. Como existe mais procura do que demanda, acaba que o país necessita importar profissionais desta área. “Minha batalha é para difundir a profissão. Prova disto, é que a UFSC está para criar um curso em Joinville, onde vai tratar da área multidisciplinar, mas formando especialistas em engenharia da mobilidade (modalidade veicular e transportes)”, revela Álvaro Lezana, ele mesmo um exemplo de importação de mão-de-obra, já que nasceu no Chile.

A aposta é que as empresas cada vez mais vão buscar engenheiros com esse perfil. “As tecnologias hoje incorporam aspectos de todas as áreas e o profissional deve saber lidar com esta complexidade”, define o professor doutor da UFSC, que compara a nova profissão aos automóveis. “Um bom exemplo é um carro. Cada vez mais a eletrônica embarcada aumenta, os motores começam a ser substituídos por propulsão elétrica, etc. A parte mecânica poderá ficar confinada, no futuro, apenas à casca. Ou seja, para mexer com eles, ou com qualquer outro negócio, vai ser preciso entender de tudo. Ser só da mecânica não cabe mais”, sentencia.

16 de dezembro de 2008

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil