Em nova consulta pública, NBR 15575 busca consenso

Em nova consulta pública, NBR 15575 busca consenso

Em nova consulta pública, NBR 15575 busca consenso 150 150 Cimento Itambé

Norma de desempenho para edificações residenciais, prevista para vigorar a partir de 13 de março de 2013, enfrenta mais uma rodada de debates

Por: Altair Santos

A norma de desempenho NBR 15575, para edificações residenciais até cinco pavimentos, foi publicada em 2008 e deveria ter entrado em vigor em 2010. No entanto, sem que houvesse consenso entre os agentes da construção civil, foi adiada para março de 2012 e, mais uma vez, prorrogada para 13 de março de 2013. No momento, a norma encontra-se em consulta pública até o dia 13 de setembro, mas há a expectativa de que seja exposta a pelo menos mais uma consulta – provavelmente em dezembro de 2012.

Com a NBR 15575, empresas e consumidores terão regras claras para construir e verificar qualidade da obra.

Segundo o assessor técnico do SindusCon-PR (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná) Ivanor Fantin Júnior, a NBR 15575 é considerada uma das mais relevantes da história recente da construção civil brasileira. “É talvez a mais importante em 30 anos para a construção civil. Hoje, a questão do desempenho é o que baliza o mercado. O cliente está muito mais exigente e o setor tem que procurar, dentro de parâmetros, fazer o mínimo que exige a norma. Só que não podemos ter uma norma que venha a travar o setor”, avalia.

Para o engenheiro civil, que foi contratado pelo SindusCon-PR para prestar orientações de ordem técnica e acompanhar as revisões de normas que interfiram direta ou indiretamente nas atividades do setor, a mais recente revisão da NBR 15575 já começa a formar consenso entre os agentes da construção civil. “A princípio, a revisão seria apenas de alguns itens mais polêmicos, mas no final foram revisados desde a parte conceitual até a parte de ensaios. Todos os textos foram revistos ponto a ponto e acho que o consenso já foi formado”, disse.

A NBR 15575 estabelece requisitos mínimos de desempenho, de vida útil e de garantia para os sistemas que compõem os edifícios. Entre eles, estrutura, pisos internos, fachadas e paredes internas, coberturas e sistemas hidrossanitários. Ela aborda critérios que passaram a ser cada vez mais valorizados pelos consumidores, que são, basicamente, os desempenhos acústico, térmico e lumínico das edificações. Por isso, seis textos da norma foram a consulta pública até 13 de setembro. São eles: requisitos gerais (NBR 15575-1); sistemas estruturais (NBR 15575-2); sistemas de pisos (NBR 15575-3); sistemas de vedações verticais internas e externas (NBR 15575-4); sistemas de coberturas (NBR 15575-5) e sistemas hidrossanitários (NBR 15575-6).

Para Ivanor Fantin Júnior, os textos em revisão levam alguns personagens da cadeia produtiva da construção civil a ter um certo receio. Porém, ele avalia que as plenárias tendem a criar uma norma-mãe que balizará e dará tranquilidade para o setor poder trabalhar. “A partir dela, se o cliente quiser algo superior vai ter de pagar um custo a mais por isso. Mas o importante é que quando a NBR 15575 estiver plenamente em vigor ela terá regras claras para a construção, tanto para as empresas quanto para os consumidores”, completa.

Região Sul

No Brasil, as empresas que atuam nos estados da região sul são consideradas as que já adotam processos construtivos muito próximos dos preceitos da NBR 15575.  Segundo o SindusCon-PR, por exemplo, 95% das construtoras que operam no setor habitacional paranaense já atendem a norma. A expectativa é que haja um tempo maior de adaptação para as empresas que utilizam sistemas industriais, como os pré-fabricados.  “Os fabricantes vão ter de testar os seus produtos para dizer qual é o desempenho e qual é a vida útil e dar uma certificação dizendo que o produto tem tanto tempo de prazo de validade, desde que seja feita a manutenção devida”, explica o assessor técnico do SindusCon-PR.

Para acessar os textos em consulta pública da norma NBR 15575: clique aqui

Entrevistado
Ivanor Fantin Júnior, engenheiro civil e assessor técnico do SindusCon-PR (Sindicato da indústria da Construção Civil do Paraná)
Currículo

– Ivanor Fantin Júnior é graduado em engenharia civil pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR)
– Atualmente atua como assessor técnico do SindusCon-PR, acompanhando as revisão das normas NBR-15575 (edifícios habitacionais de até cinco pavimentos) NBR-14037 (manual de Uso, operação e manutenção) e NBR-5674 (manutenção de edificações).
Contato:
engenharia@sindusconpr.com.br
Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil