Dois brasis quando o assunto é eficiência

Relatório de Competitividade Brasil 2009 conclui que país tem setor privado mais competitivo que o público

Relatório de Competitividade Brasil 2009 conclui que país tem setor privado mais competitivo que o público

Carlos Arruda, da Fundação Dom Cabral: “O Brasil são dois brasis.”
Carlos Arruda, da Fundação Dom Cabral: “O Brasil são dois brasis.”

O ambiente empresarial é um dos diferenciais brasileiros na atração de investimentos estrangeiros. Essa é a tônica do Relatório de Competitividade Brasil 2009, elaborado pelo Fórum Econômico Mundial e pela Fundação Dom Cabral.

Outra conclusão do relatório é que a ineficiência pública contrasta com a eficiência da iniciativa privada. “O Brasil são dois brasis. Um Brasil econômico, com os sérios problemas que nós conhecemos, e o Brasil empresarial, que se coloca entre os países mais competitivos do mundo”, avaliou o professor de Inovação e Competitividade da Fundação Dom Cabral, Carlos Arruda, no lançamento do relatório.

O diretor da consultoria McKinsey, Nicola Calicchio, observou que há uma grande diferença entre os critérios de competitividade ligados ao setor público e os do setor privado. No primeiro caso, o Brasil aparece em 121.º lugar entre os 134 países do Índice de Competitividade Global do fórum.

No que se refere à atuação do empresariado, o país sobe para a 30ª posição. “O que a gente observa é um setor privado absolutamente dinâmico e um setor público que, infelizmente, ainda é uma âncora para o crescimento e para a competitividade do Brasil”, afirmou.

Ele acredita que o próprio empresariado pode alavancar a competitividade do país. Para isso, seria necessário aumentar o nível de formalidade da economia. Na agricultura e na pecuária, por exemplo, 90% dos trabalhadores estão na informalidade. “Os setores com baixíssimo grau de informalidade têm um altíssimo grau de produtividade, que é o item mais relacionado ao crescimento e a prosperidade de um país”, disse Calicchio.

O consultor lamentou o fato de o Brasil ter apenas 2,8% da população empregada nestes setores com baixíssima informalidade, enquanto 63,3% da população está em setores com altíssima informalidade.
Além do aumento da formalidade, Calicchio sugere a adoção das práticas empresariais na economia de não-mercado. “O setor público focou muito em processos e menos em resultados”, criticou.

Por fim, ele propôs que o Brasil acompanhe três grandes tendências globais da atualidade: aumento da produtividade do setor público; aproveitamento de novos consumidores, tendo em vista o tamanho do mercado brasileiro; e melhor aproveitamento dos recursos naturais para atrair investimentos estrangeiros.

Fonte: Agência Brasil

Jornalista responsável – Altair Santos MTB 2330 – Tempestade Comunicação



Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo