Disco de diamante recupera pavimento de concreto

Máquina tem sensores e discos de diamante que detectam e corrigem desníveis e irregularidades

Disco de diamante recupera pavimento de concreto

Disco de diamante recupera pavimento de concreto 898 502 Cimento Itambé

Equipamento importado dos EUA, e apresentado na Brazil Road Expo, faz micronivelamento de avenidas e rodovias com revestimento rígido

Por: Altair Santos

Estradas de concreto com o leito irregular, que geram desconforto no tráfego de veículos, agora podem ser reparadas com a ajuda da tecnologia conhecida como diamond grinding. Ela permite o micronivelamento do pavimento, removendo irregularidades e ondulações, proporcionando um novo acabamento à superfície, minimizando imperfeições e melhorando a aderência.

Máquina tem sensores e discos de diamante que detectam e corrigem desníveis e irregularidades

Máquina tem sensores e discos de diamante que detectam e corrigem desníveis e irregularidades

O sucesso neste processo se deve às características da máquina, importada dos Estados Unidos, e que rastreia as imperfeições, através de sensores. Detectadas as irregularidades, uma série de discos diamantados realizam cortes longitudinais paralelos no concreto, dando a ele uma “textura de veludo” – como os técnicos chamam. “O pavimento, já cepilhado, tem uma melhoria no Quociente de Irregularidade (QI) superior que 35%”, afirma Marcos Sousa, gerente de operações da EPAV do Brasil.

O equipamento foi apresentado na recente edição da Brazil Road Expo – feira que aconteceu de 29 a 31 de março de 2016, na cidade de São Paulo, e que reúne novidades sobre infraestrutura viária e rodoviária. “O que a gente procurou mostrar as vantagens de um pavimento de concreto bem nivelado. Ele reduz o ruído entre 3 e 6 decibéis, minimiza o risco de aquaplanagem e pode proporcionar economia de combustível, no caso de veículos pesados, na ordem de 10%”, diz Marcos Souza.

Nos Estados Unidos, onde a tecnologia nasceu, o diamond grinding é utilizado para recuperar pavimentos com longos anos de uso. “Normalmente, a técnica é aplicada para prolongar a vida útil do pavimento, após anos de construção. No Brasil, porém, existem várias intervenções em pavimentos novos, que, por causa da forma como foram executados, levaram à necessidade do micronivelamento”, explica o gerente de operações da EPAV. A técnica já foi aplicada no trecho oeste do Rodoanel de São Paulo.

Com o diamond grinding, pavimento ganha o que os técnicos chamam de “textura de veludo”

Com o diamond grinding, pavimento ganha o que os técnicos chamam de “textura de veludo”

Aeroportos
No Brasil, dois milhões de m² de pavimento rígido já precisaram se submeter ao diamond grinding. Uma vez aplicada a tecnologia, seu prazo de validade é de oito anos. Por corrigir camadas milimétricas de concreto, o micronivelamento – garante o especialista – não afeta a durabilidade do revestimento. “Se o projeto do pavimento atendeu todas as especificações, o processo não compromete a estrutura do revestimento ou sua durabilidade. Pelo contrário, prolonga a vida útil, haja vista que um pavimento nivelado diminui a sobrecarga do trafego pesado sobre as placas de concreto”, assegura Marcos Souza.

A mesma tecnologia que serve para avenidas e estradas pavimentadas com concreto atende também aeroportos. Neste caso, as ranhuras não são no sentido da pista, mas transversais. O objetivo é manter permanentemente o contato entre o pneu e a superfície do pavimento, ajudando a reduzir altas velocidades e a distância de frenagem. A técnica, conhecida como grooving transversal, é especialmente indicada para aeroportos localizados em regiões com maiores probabilidades de chuva e neblina.

Entrevistado
Engenheiro civil Marcos Souza, gerente de operações da EPAV do Brasil
Contato: marcos.sousa@epav.com.br

Créditos Fotos: Divulgação/EPAV

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil