Curitiba ganha prédio com pontuação máxima LEED Platinum

Prédio da RAC Engenharia, em Curitiba: LEED Platinum com pontuação máxima na América Latina

Curitiba ganha prédio com pontuação máxima LEED Platinum

Curitiba ganha prédio com pontuação máxima LEED Platinum 1024 682 Cimento Itambé

Construção possui estação para tratamento de esgoto, é capaz de tornar a água da chuva potável e tem ponto para carregar carro elétrico

Prédio da RAC Engenharia, em Curitiba: LEED Platinum com pontuação máxima na América Latina

Prédio da RAC Engenharia, em Curitiba: LEED Platinum com pontuação máxima na América Latina

A edificação com a maior pontuação já concedida a uma obra que buscou certificação LEED Platinum na América Latina está em Curitiba-PR. O prédio da RAC Engenharia, inaugurado no começo de 2017, recebeu 97 pontos para empreendimentos corporativos. Significa que o projeto atendeu vários requisitos. O principal deles, o NET Zero Energia, o qual permite que o edifício faça a geração de sua própria energia, inclusive para movimentar aparelhos de ar-condicionado e elevadores. Os painéis fotovoltaicos instalados na obra possibilitam geração anual de 26.509 kW, em condições climáticas normais da cidade. 

O prédio também usa soluções arquitetônicas, como brises (também conhecidos como quebra-luz) e telhado verde, o que ajuda a reduzir o consumo do ar-condicionado e, consequentemente, de energia elétrica. “Comparando com um prédio-padrão, o projeto conta com uma redução de 46% no consumo de ar-condicionado”, explica o engenheiro civil Ricardo Cansian, diretor da RAC Engenharia. O edifício possui ainda uma estação própria de tratamento de esgoto, a qual permite o reúso das águas cinzas e negras nos vasos sanitários e da água da chuva, tornando-a potável.

A edificação tem ainda um ponto de recarga para carros elétricos, o que é novidade em termos de prédio corporativo no Brasil – o requisito ajudou a obter a pontuação inédita para a certificação LEED Platinum. Por conta das inovações, a construção também foi condecorada no 4º Prêmio Saint Gobain de Arquitetura, na categoria habitat sustentável, o que denota a vocação da RAC para obras sustentáveis. Após concluir seu prédio, a empresa agora se debruça em dois projetos que também buscam a certificação verde: a sede do Conselho Regional de Educação Física do Paraná e a escola profissionalizante Dr. Celso Charuri, ambas em Curitiba.

Prédio gera economia de R$ 20 mil por ano

Além disso, a empresa está envolvida em vários outros projetos que buscam a certificação LEED, e que vão começar a ser executados a partir de 2018. “As construções verdes se tornaram a melhor opção de negócio do mercado imobiliário, principalmente para prédios corporativos. Isso se deve ao engajamento de toda a cadeia produtiva da construção civil, que envolve construtoras, arquitetos, fornecedores de produtos e serviços e outros agentes do mercado. A gama de empreendimentos que buscam certificações está crescendo significativamente”, diz Ricardo Cansian.

A projeção é de que o investimento no prédio da RAC Engenharia se pague em, no máximo, 10 anos. “A economia proporcionada pelo correto dimensionamento dos sistemas é capaz de reduzir o consumo geral do edifício em 27%. Só a economia de energia, se comparado a um edifício-padrão, é de aproximadamente R$ 20 mil por ano. Porém, o que norteia a opção por esse tipo de construção não é a questão monetária, mas a busca por soluções que tornam a edificação mais eficiente, otimizando o uso dos recursos naturais e evitando excessos. Trata-se mais de uma mudança de visão sobre a forma de conduzir os negócios e os projetos na construção civil do que meramente uma questão de custo”, opina Cansian.

Entrevistado
Engenheiro civil Ricardo Cansian, diretor da RAC Engenharia
Contato: rac@raceng.com.br

CréditoFoto: RAC Engenharia

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil