Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Construção Sustentável

Mercado da Construção, Responsabilidade Social e Ambiental, Sustentabilidade 12 de setembro de 2007

Construir edifícios que possuam baixo impacto ambiental, assegurem condições salutares de ocupação e gerem maior retorno econômico, são alguns dos objetivos da construção sustentável

A construção sustentável é uma forma de promover a busca pela igualdade social, valorização dos aspectos culturais, maior eficiência econômica e menor impacto ambiental nas soluções adotadas nas fases de projeto, construção, utilização, reutilização e reciclagem da edificação, visando a distribuição eqüitativa da matéria-prima e garantindo a competitividade do homem e das cidades. Enfim, a construção sustentável visa tornar as construções mais ecologicamente responsáveis.

Mas como fazer isso?

Para o engenheiro civil Luiz Henrique Ceotto, basicamente as linhas-mestras da construção sustentável são: a redução de energia e água e a introdução de materiais reciclados e/ou recicláveis (materiais que não agridem o meio ambiente).

De acordo com ele, a construção sustentável é precisa, eficaz e pode ser usada em todas as construções. “Quando o edifício é novo fica mais barato implantar formas de construção sustentável. Porém, a vida útil de um edifício é entre 50 e 100 anos, e é preciso que olhem para os velhos edifícios também, para que haja uma constante renovação”.

O conceito

A idéia da redução drástica do impacto ao meio ambiente está intimamente ligada ao conceito de sociedade sustentável, aquela capaz de prover crescimento e bem-estar à sua população, interagindo com o meio ambiente sem comprometer a viabilidade e o bem-estar das gerações futuras. “Não conseguiremos fazer isso sem mudarmos radicalmente nossos padrões de consumo e processos de produção. Precisaremos, acima de tudo, revisar nosso conceito cultural de desenvolvimento e bem-estar” diz o engenheiro.

O que a Construção Sustentável engloba?

Para Ceotto, na realidade não há diferenças entre construções sustentáveis e não sustentáveis com relação às formas de construção propriamente ditas. “A construção sustentável deveria ser feita sempre, pois são cuidados gerenciais; cuidados na hora de fazer o projeto. São “construções inteligentes”. E, as tecnologias são todas conhecidas e é por isso que não existem segredos” garante.

Para muitas pessoas a idéia de construir de forma integrada ao meio ambiente pode remeter a idéia de casebres rústicos no meio do mato, com total renúncia aos confortos da vida moderna. Nada que se aproxime de inovações tecnológicas em reciclagem de materiais, reutilização de água, sistemas combinados de eficiência energética e outras soluções criativas. Se você ainda pensa assim é importante reverter essa idéia.

“Os especialistas costumam dar exemplos práticos de como utilizar louças e metais de baixo consumo de água, ou lâmpadas de baixo consumo de energia. Não precisa fazer nada mirabolante, fazer uma “construção inteligente” são passos “inteligentes” que você vai dando em uma obra. Entretanto, a melhor solução é a “boa educação” do usuário, nada substitui a educação e a conscientização das pessoas” diz Ceotto.

Custos

O engenheiro explica que a construção sustentável é uma obra em que o retorno vem em longo prazo. Porém, a economia que essas obras proporcionam traz um retorno que as outras obras não trazem. Portanto, é melhor investir um pouco mais em algo que trará economia no futuro, do que economizar durante a obra e ter gastos extras e prejuízos no longo prazo.

*Luiz Henrique Ceotto é engenheiro civil, pela Universidade de Brasília, em 1975, especialista em Gerenciamento de Obras, pela Escola Politécnica da USP, e mestre em Engenharia de Estruturas, pela Escola de Engenharia de São Carlos USP. Foi professor da UFSCar e atualmente é professor do curso de MBA em Construção Civil da Escola Politécnica da USP. Atua como diretor de construções da InPar Incorporações e Participações Ltda.
Referência:
Créditos: Luiz Henrique Ceotto*



Tags:
Leia também: