Construção civil desperta para a inovação

Centros de pesquisa abrem espaço para empresas do setor que queiram desenvolver novos materiais, softwares e sistemas construtivos.

Centros de pesquisa abrem espaço para empresas do setor que queiram desenvolver novos materiais, softwares e sistemas construtivos 

Por: Altair Santos

A inovação chegou para ficar na construção civil. Incentivado por centros de pesquisa coligados com universidades, o setor ganha instrumentos para testar novos materiais e sistemas construtivos. Entre os incubadores de projetos, o Cietec é um dos que há mais tempo está em atividade. Criado em 1998, o Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia funciona em São Paulo, com o apoio do governo estadual, do Sebrae, da USP (Universidade de São Paulo), do IPEN ( Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares) e do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas). Desde 2007, o organismo criou um núcleo para fomentar empresas da construção civil voltadas à inovação. 

Sérgio Risola, do Cietec: criando condições para que a construção civil inove.

Catorze empreendimentos ligados à cadeia produtiva do setor foram selecionados pelo Cietec para que se viabilizem comercialmente. Até chegar ao estágio de poder ser testado no mercado, o projeto passa por processos de pré-incubação, incubação e pós-incubação. Nestas etapas, são oferecidas infraestrutura física para a instalação e operação das empresas, além de serviços de apoio para atendimento de suas demandas nas áreas de gestão tecnológica, empresarial e mercadológica. O Cietec dispõe, atualmente, de infraestrutura física e operacional para apoiar cerca de 120 empresas de base tecnológica. “Nosso objetivo é dar condições para que as empresas se desenvolvam em um ambiente inovador e tenham maior chance de sucesso”, afirma Sérgio Risola, diretor do Cietec. 

Dos projetos ligados à construção civil, e que estiveram encubadas no centro de inovação, um dos mais bem sucedidos é o da KMA2. A empresa criou uma proposta baseada em Tecnologia da Informação, que permite o autogerenciamento da obra. “Na solução Arquitecasa desenvolvemos um modelo one-stop shop (tudo em um só lugar) onde o usuário encontra informação e serviços para planejar a construção de sua casa e passar com mais tranquilidade pelo período de projeto e obra”, explica o arquiteto Marcelo Brigido, que liderou o desenvolvimento do programa. 

Marcelo Brigido: empresa incubada no Cietec criou gestão de obras via online.

A ideia do Arquitecasa se viabiliza economicamente com o crescimento no volume de micropagamentos realizados por consumidores que usam o simulador de custo e por profissionais da construção, reforma e decoração residencial, que criam suas páginas para apresentar seus trabalhos. “Entendi que havia uma oportunidade para oferecer algo para ajudar a diminuir o risco de problemas no curso da obra. O programa é um simulador em que o usuário entende como as características mais básicas da casa que ele imagina construir se refletem no custo final”, revela Marcelo Brigido.

Em média, o período de incubação de uma empresa em um centro de pesquisa dura três anos. Entre outros projetos que prosperaram no Cietec está o que desenvolveu chapas plásticas de alto desempenho, a fim de que o material concorra com as formas de madeira e de metal para receber o concreto, que atualmente são mais comuns na construção civil. Há também o que propõe o uso racional da água no canteiro de obras e um ainda mais inovador , que passou a estudar os efeitos de abalos sísmicos em grandes obras do país. Apesar de o Brasil ser quase imune a terremotos intensos, recentemente algumas localidades passaram a ser alvo de tremores. Atenta, a Berrocal Vasconcelos desenvolveu equipamentos que medem o impacto dos abalos nas estruturas de concreto de hidrelétricas. 

  

Home principal do Arquitecasa: construtor tem assessoramento pela internet.

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entrevistado
Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Cietec) e Marcelo Brigido, da KMA2
Currículo
– Marcelo Brigido é arquiteto graduado e pós-graduado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Mackenzie, onde lecionou até 1996.
– Profissional experiente no desenvolvimento de projetos de arquitetura residencial, desenvolveu conhecimentos de marketing durante sua atuação junto ao mercado imobiliário até 2008, quando decidiu empreender e criar a KMA2.
Contato: m.brigido@arquitecasa.com.br / www.arquitecasa.com.br / cietec@cietec.org.br / www.cietec.org.br 

Créditos foto: Divulgação / Cietec 

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo