Concretagem em tempo frio

Nas baixas temperaturas, a água contida no concreto pode congelar, interrompendo o processo de endurecimento e provocando um aumento de volume.

Concretagem em tempo frio

Concretagem em tempo frio 1024 789 Cimento Itambé

Na região sul do Brasil, as temperaturas diminuem bastante no inverno. Por isso, exigem-se cuidados especiais na preparação do concreto

Por: Jorge Aoki, Gerente de Assessoria Técnica na Cia. de Cimento Itambé

Com a proximidade do inverno, a preparação das concretagens deve ser realizada com cuidados especiais, por causa da queda acentuada da temperatura. Isso ocorre principalmente nos estados da região sul do Brasil. A norma brasileira ABNT NBR 7212 – Execução de concreto dosado em central – Procedimento, em seu item 4.5.4, estabelece a temperatura ambiente de 5°C como mínima para se fazer o lançamento do concreto.

Nas baixas temperaturas, a água contida no concreto pode congelar, interrompendo o processo de endurecimento e provocando um aumento de volume.

Também a norma ABNT NBR 14931 – Execução de estruturas de concreto – Procedimento, determina a interrupção da concretagem quando a temperatura ambiente ficar abaixo de 0°C nas 48 horas seguintes, salvo condições especiais estabelecidas no projeto – item 9.3.2.

Nas baixas temperaturas, a água contida no concreto pode congelar, interrompendo o processo de endurecimento e provocando um aumento de volume. Desta forma, criam-se tensões internas na massa do concreto, ocasionando separação dos materiais componentes, já que a sua resistência, neste momento, ainda é insuficiente para impedir este fenômeno. Nestas condições, mesmo que a hidratação não seja interrompida, o ganho de resistência mecânica é bastante retardada e deve ser previsto nas fases posteriores à concretagem.

As normas nacionais e internacionais recomendam cuidados especiais na execução das concretagens durante o período de inverno. Entre eles:

1) Elaboração de cuidadoso plano de concretagem para rápida aplicação do concreto, tendo em vista o acesso dos equipamentos como bombas de concreto e caminhões betoneiras ou deslocamento de carrinhos e jericas.

2) Disponibilização de mão de obra extra para ajuda na aplicação e demais cuidados para agilizar o transporte do concreto, lançamento, adensamento e cura.

3) Manutenção, na obra, de quantidade suficiente de material isolante, tais como lençóis plásticos, lonas, papel impermeável, mantas de palha, sacos de aniagem ou de papel, para cobrir o concreto e as formas, logo após a aplicação, com o objetivo de manter o próprio calor do concreto.

4) Manutenção das formas por mais tempo, uma vez que estas servem de proteção contra o frio, além do fato de que o endurecimento do concreto se faz de maneira mais lenta.

5) Manutenção de vibradores de reserva para evitar a interrupção da concretagem.

Todos estes cuidados devem ser supervisionados pelo(a) engenheiro(a) da obra, que determinará os quantitativos de tempo de desforma, material isolante, mão de obra, enfim, todo o planejamento da concretagem.

 

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil