Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Cimento alimenta Brasil do futuro

Novas Tecnologias, Sobre Cimento, Tendências construtivas 2 de dezembro de 2009

Com crescimento sustentável, indústria do setor está pronta para as transformações que o país irá sofrer nos próximos anos

Desde 2006, a indústria cimenteira do Brasil experimenta aumento de demanda. Com 68 fábricas, e capacidade instalada de 63 milhões de toneladas por ano, segundo dados do Sindicato Nacional da Indústria de Cimento (SNIC), o setor seguirá fortemente requisitado nos próximos sete anos, pelo menos. Com PAC, Programa Minha Casa, Minha Vida, Copa 2014 e Olimpíadas 2016, o cimento tornou-se uma espécie de produto essencial na vida do país.

José Otávio Carneiro de Carvalho, vice-presidente executivo do SNIC

José Otávio Carneiro de Carvalho, vice-presidente executivo do SNIC

Sabedora dessa relevância, a indústria cimenteira não está acomodada. Desde 2005 vem mantendo um ritmo constante de investimentos, com aumento da produção de praticamente 50% neste período. Recente estudo do SNIC revela que o setor tende a crescer mais do que a projeção do PIB nacional até 2016. “Nós temos uma estimativa de crescimento para 2010 da ordem de 6% sobre 2009. Provavelmente desta ordem de grandeza em 2011, e daí para frente. A projeção é de um crescimento sustentável”, avalia José Otávio Carneiro de Carvalho, vice-presidente executivo do SNIC.

Além disso, a indústria cimenteira entende que as obras de infraestrutura programadas para os próximos anos servirão para o seu próprio crescimento. Para consolidar o aumento da demanda e tornar-se mais competitivo, o setor depende da evolução de dois setores: o energético e o rodoviário. Atualmente, segundo o SNIC, os níveis médios de consumo de energia térmica e elétrica giram em torno de 825 kcal por kg de clínquer e 107 kWh por tonelada de cimento, respectivamente, conforme o último levantamento oficial (realizado em 2003). Além disso, 94% da produção de cimento são transportadas por modal rodoviário. Diariamente, são oito mil caminhões carregados de cimento rodando pelas estradas do país.

Segundo José Otávio Carneiro de Carvalho, com a construção de novas hidrelétricas e o investimento em transportes ferroviário e fluvial, a perspectiva é que o cimento brasileiro irá tornar-se mais competitivo. “Sem dúvida nenhuma, criar melhores condições de infraestrutura vai melhorar também o nosso produto. Quanto menor o custo de logística, menor o custo por tonelada”, diz.

Apesar dos desafios, o SNIC descarta o risco de o Brasil vir a ter de importar cimento para seguir crescendo. “A indústria cimenteira está instalada há 50 anos no país e, desde então, é autosuficiente. A importação existente é tão marginal, que não é significante para as estatísticas. Além disso, os investimentos programados pela indústria para os próximos anos nos deixam tranquilos de que, qualquer que seja a demanda exigida, ela será suprida”, aposta o dirigente do SNIC.

Um dos trunfos da indústria cimenteira para seguir crescendo é que ela tem baixo custo ambiental, se comparada com a de outros países. Por usar energia limpa e alternativas de adições ao clínquer, como escória, cinzas voláteis e pozolana natural, o setor consegue reduzir sensivelmente a emissão de CO2 por tonelada de cimento produzido. “A emissão de CO2 se dá basicamente na fabricação do clínquer. Uma vez que você usa menos clínquer para fabricar cimento, consequentemente tem uma redução. O Brasil, neste comparativo, tem uma situação bastante privilegiada em relação ao resto do mundo”, comenta José Otávio Carneiro de Carvalho, concluindo: “Estamos prontos para os desafios que virão pela frente.”

Entrevistado: Assessoria de imprensa do SNIC: adriana.alves@fsb.com.br

Informação complementar
Acesse o link e tenha acesso ao relatório 2008 do SNIC
http://www.snic.org.br/25set1024/relat_2008-9.html

Vogg Branded Content – Jornalista responsável Altair Santos MTB 2330



Tags:
Leia também: