CAU planeja conviver de forma "republicana" com Confea/CREA

Conselho de arquitetos elege primeira diretoria e estabelece como uma das metas difundir a arquitetura para a população de baixa renda.

Conselho de arquitetos elege primeira diretoria e estabelece como uma das metas difundir a arquitetura para a população de baixa renda

Por: Altair Santos

Após 76 anos vinculados ao sistema Confea/CREA, os arquitetos têm agora um conselho próprio – eleito em outubro de 2011 -, e cuja primeira missão é promover a transição de toda a categoria para o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU). Ainda não há uma data definida para que os arquitetos se desmembrem completamente do Confea/CREA, mas segundo Jeferson Dantas Navolar, presidente do IAB-PR, e que passa a integrar a diretoria do CAU-PR, o importante é que essa migração seja feita sem rupturas. ” A transição entre o CREA e o CAU será longa. A relação de 76 anos não pode ser resolvida improvisadamente. Queremos um entendimento republicano com o sistema Confea/CREA, para que possamos trabalhar pautas em comum”, afirmou.

Jeferson Dantas Navolar, presidente do IAB-PR: "Transição entre o CREA e o CAU será longa. A relação de 76 anos não pode ser resolvida improvisadamente".

A lei que criou o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (12.378/2010) foi a última sancionada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 30 de dezembro de 2010. Por enquanto, os únicos artigos em vigor são o 56 e o 57. O primeiro tratou do processo eleitoral, que será finalizado entre 21 de novembro a 19 de dezembro de 2011, quando todos os conselhos estaduais serão empossados. Já, nacionalmente, o conselho federal do CAU toma posse no dia 17 de novembro de 2011, em Brasília, quando entram em vigor os demais artigos da lei 12.378/2010. Até lá, o organismo está sob a gestão da CCEArq (Coordenadoria de Câmaras Especializadas de Arquitetura do CONFEA) e das demais Câmaras Especializadas de Arquitetura dos CREAs.

Enquanto a instalação do CAU nos estados não é concluída, os estudantes e profissionais da área continuarão sujeitos às normas vigentes dos CREAs. Quando o CAU estiver pronto, os registros destes profissionais irão migrar para o banco de dados do novo conselho. Uma vez finalizado, será de responsabilidade do Conselho de Arquitetura e Urbanismo manter um cadastro nacional das escolas e faculdades de arquitetura e urbanismo, juntamente com o currículo dos cursos oferecidos. Além disso, o conselho deverá realizar a fiscalização do exercício correto da profissão de arquiteto, garantindo a sua legalidade e coibindo irregularidades. “A qualidade da formação será tema presente no CAU, que terá uma comissão permanente de ensino para avaliar as escolas”, diz Jeferson Dantas Navolar.

Arquitetura popular

O diretor do novo conselho afirma também que uma das bandeiras do CAU é popularizar a arquitetura. “A sociedade tem direito à arquitetura e queremos atingir a população de baixa renda. A outra bandeira do conselho é que arquitetura seja uma atribuição de arquiteto. Hoje, os arquitetos convivem no sistema Confea/CREA com aproximadamente 300 outros títulos profissionais, o que torna inevitável o sombreamento de atividades. Com o CAU poderemos esclarecer a sociedade sobre as atribuições da profissão”, diz, assegurando que não haverá sobretaxa para o consumidor da construção civil. “Sob o aspecto financeiro, o CAU também oferecerá vantagens aos consumidores. Em todo o país, a taxa do registro da responsabilidade técnica terá valor único de R$ 60,00”, completa.

Além de definir taxas, o CAU também já se submete ao artigo 57 da lei 12.378/2010. Refere-se à administração financeira do conselho, que, no período de transição, passará a receber dos atuais CREAs 90% do valor das anuidades, das anotações de responsabilidade técnicas e de multas recebidas das pessoas físicas e jurídicas de arquitetos e urbanistas, arquitetos e engenheiros-arquitetos (aqui ele se refere a engenheiros que têm também formação em arquitetura). Essa transferência de recursos se dará até que ocorra a instalação plena do CAU-BR, cuja eleição do presidente acontece no dia 17 de novembro. Os demais artigos da lei entram em vigor quando o conselho estiver em funcionamento e estiver com sua infraestrutura montada. “O CAU está contratando o que tem de melhor sobre o aspecto da Tecnologia da Informação (TI). Todo o sistema será online e o conselho vai emitir certificação digital”, finaliza Jeferson Dantas Navolar.

Diretoria do CAU eleita no Paraná e que vai representar o Estado no CAU-BR:

NOME TITULAR INSTITUIÇÃO
CAU-BR Laércio Leonardo de Araujo Títular IAB/PR – Instituto de Arquitetos do Brasil – Dep. do Paraná
CAU-BR Luis Salvador Petrucci Gnoato Suplente IAB/PR – Instituto de Arquitetos do Brasil – Dep. do Paraná
1 Jeferson Dantas Navolar Titular IAB/PR- Instituto de Arquitetos do Brasil – Dep. do Paraná
1 João Carlos Diório Suplente IAB/PR – Instituto de Arquitetos do Brasil – Dep. do Paraná
2 Orlando Busarello Titular ABAP – Associação Brasileira Arquitetos Paisagistas
2 Flavio Egydio de Oliveira Carvalho Neto Suplente ABAP –  Associação Brasileira Arquitetos Paisagistas
3 Carlos Hardt Titular ABEA – Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura
3 Antonio Carlos Zani Suplente UEL – Universidade Estadual de Londrina
4 Cláudio Forte Maiolino Titular ASBEA – Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura
4 Adolfo Sakaguti Suplente ASBEA – Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura
5 Dalton Vidotti Titular ASBEA – Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura
5 Silvana Weihermann Ferraro Suplente UFPR – Universidade Federal do Paraná
6 João Virmond  Suplicy Neto Titular IAB/PR – Instituto de Arquitetos do Brasil – Dep. do Paraná
6 Carlos Domingos Nigro Suplente IAB/PR – Instituto de Arquitetos do Brasil – Dep. do Paraná
7 Marli Antunes da Silva Aoki Titular AEAC – Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Cascavel
7 Leandro Teixeira Costa Suplente AEAFI – Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Foz do Iguaçu
8 Manoel de Oliveira Filho Titular AEAM – Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Maringá
8 Ideval dos Santos Filho Suplente AEAA – Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Apucarana
9 Luiz Becher Titular AREA/CM – Associação Reg. de Arq. e Eng. de Campo Mourão
9 Taila Felleiros Lemos Schmitt Suplente AEAG – Associação Reg. de Arquitetos e Engenheiros de Guarapuava
10 Ricardo Luiz Leites de Oliveira Titular AREA/MCR – Associação Reg. de Arq. e Eng. de Mal. Cândido Rondon
10 Antonio Ricardo Nunes Sardo Suplente AEAT – Associação Regional de Arquitetos e Engenheiros de Toledo
11 André Luiz Sell Titular CEAL – Clube de Engenharia e Arquitetura de Londrina
11 Carlos Antonio Galbe Domingues Suplente CEAL – Clube de Engenharia e Arquitetura de Londrina
12 Alexander Fabri Hulsmeyer Titular UNIPAR – Universidade Paranaense
12 Aníbal Verri Junior Suplente UEM – Universidade Estadual de Maringá
13 Eli Loyola Borges filho Titular ASBEA – Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura
13 Jucenei Gusso Monteiro Suplente ACP – Associação Comercial do Paraná
14 Glauco Pereira Junior Titular SEDU – Secretaria do Desenvolvimento Urbano do Estado
14 Luiz Fernando Gomes Braga Suplente IPPUC – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba
15 Bruno Soares Martins Titular MATER DEI – Faculdade Mater Dei de Pato Branco
15 Luiz Henrique Werlang Roncato Suplente SUDENG – Associação dos Eng. e Arq. do Sudoeste do Paraná

 

Entrevistado
Jeferson Dantas Navolar, presidente do IAB-PR
Currículo

– Graduado em Arquitetura pela Universidade Federal do Paraná (1983) e é mestre na área de Conservação e Restauro, pela Universidade Federal da Bahia.
– É membro efetivo do Conselho Nacional de Políticas Culturais e suplente do Conselho Consultivo do IPHAN, além de integrar a nova diretoria do CAU-PR
– Escreveu o livro A arquitetura resultante da preservação do patrimônio edificado em Curitiba
Contato: jdnavolar@gmail.com

Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo