Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Burle Marx: ele deu vida ao cinza das cidades

Mercado da Construção, Obras Inovadoras, Sobre Concreto 10 de março de 2009

Este ano é comemorado o centenário do paisagista, que com seus jardins emprestou um outro sentido à arquitetura

O paisagista Roberto Burle Marx, que morreu em 1994, tornou-se referência em saber fundir o verde e o concreto. No ano em que completaria 100 anos (ele nasceu em 4 de agosto de 1909), suas obras voltam a ser realçadas. No Rio de Janeiro, 88 jardins idealizados por ele estão sendo tombados. Algumas obras são públicas, como o calçadão de Copacabana e o parque no Aterro do Flamengo, e outras são privadas, como o jardim na residência de Roberto Marinho.

washington-fajardoBurle Marx tem ainda outros 25 jardins já tombados em outras cidades do país. Em boa parte deles, rompeu com o paradigma de que o verde e o concreto não eram harmônicos. Segundo o arquiteto Washington Fajardo, esse foi o grande diferencial do paisagista. “Ele incorporou com maestria elementos com vida e sem vida. A composição entre a botânica, fazendo-a dialogar com o concreto e as pedras, transformou seu trabalho em obras de arte”, definiu.

Fajardo define Burle Marx como paisagista e artista plástico, mas, sobretudo, arquiteto. Neste perfil, o compara a Oscar Niemeyer, e vai além: acha que os dois se complementavam. “O Niemeyer é o nosso mestre da arquitetura do concreto armado e podemos dizer que o Burle Marx é o nosso mestre da arquitetura dos jardins. Neste aspecto, eles estão em campos complementares. E Brasília foi o grande exemplo disso: na capital federal, há uma articulação muito harmônica entre estas duas linhas de trabalho”, avaliou.

Para o arquiteto, e também subsecretário de patrimônio cultural, intervenção urbana, arquitetura e design da Prefeitura do Rio, Burle Marx deixou como herança um pensamento paisagístico brasileiro. Concretamente, seus conceitos ainda sobrevivem através de seu escritório – hoje comandado pelo arquiteto Haruyoshi Ono. “Seu legado está bem vivo, o que é raro na história dos escritórios de arquitetura brasileiros. Isso é totalmente oposto do que acontece nos Estados Unidos, onde você tem escritórios de arquitetura centenários. Os titulares já morreram e aquilo se constitui em uma empresa, com princípios que continua pelo tempo. Neste aspecto, a escola Burle Marx está mais viva do que nunca”, diz Washington Fajardo.

Além de paisagista, Burle Marx foi também desenhista, pintor, tapeceiro, ceramista, escultor, pesquisador, cantor e criador de joias. Nasceu em São Paulo, e passou a morar no Rio a partir de 1913. De 1928 a 1929, estudou pintura na Alemanha. Lá, tornou-se frequentador do jardim botânico de Berlim, principalmente das estufas com flora brasileira. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Em 1955, criou a empresa Burle Marx & Cia., com a qual passou a elaborar projetos de paisagismo e a fazer a execução e manutenção de jardins residenciais e públicos. De 1965 até sua morte, aos 84 anos, contou com a colaboração do arquiteto Haruyoshi Ono. “Como construtor de jardins, ele deu vida e beleza paisagística para o cinza das cidades”, conclui Fajardo.

Jornalista responsável – Altair Santos MTB 2330 – Tempestade Comunicação.



Tags:
Leia também:

3 Comentários