Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Sistema de Indicadores de Projeto em Edifícios de Alvenaria Estrutural

Área Técnica, Construindo Melhor, Finanças, Gestão, Gestão de Obras, Mercado da Construção, Pesquisas, Universidade e Pesquisa 22 de setembro de 2010

Programa estima os custos médios de materiais nas obras. Ferramenta auxilia os engenheiros

Por: Michel Mello

O Departamento de Engenharia Civil (Deciv) e o Departamento de Estatística da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) criaram um sistema on-line para estimar valores de consumo médio de materiais em canteiros de obras. O sistema chama-se Consalv e essa ferramenta ajuda a reduzir o desperdício de material e prevê mais agilidade na execução das obras. Esse sistema atende edifícios a partir de dois andares.

As informações levantadas relativas à arquitetura são:

Índice de compacidade;
Índice de circulação;
Densidade de paredes;
Relação da área de alvenaria estrutural por alvenaria total.

Interface do sistema na qual devem ser inseridos os dados para o cálculo é bastante simples.

O sistema pretende facilitar o trabalho dos engenheiros que desejam confirmar os cálculos para o consumo de materiais. O usuário tem a seu alcance a possibilidade de comparar os valores obtidos em seu projeto com os bancos de dados disponíveis no Sistema On-Line de Indicadores de Projeto em Edifícios em Alvenaria Estrutural.

Os pesquisadores calcularam os gastos médios das construções e que serviram como base para o banco de dados desse sistema. O coordenador do curso de Engenharia Civil da UFSCar, Guilherme Aris Parsekian, afirma que “antes do programa não havia parâmetros para cálculo do sistema construtivo. Então, em virtude da demanda por um recurso que calculasse esses custos foi desenvolvida essa ferramenta”, ressalta.

Com a consulta, o engenheiro civil pode estimar valores de consumo médio em uma obra baseado nos dados disponíveis, além disso, pode comparar os valores obtidos em um novo projeto com os do banco de dados (benchmark). A partir desta comparação o sistema cadastra, automaticamente, os dados do engenheiro para uma possível atualização do banco de dados no futuro.

Também foi criado um banco de dados que tem como base 140 projetos de edifícios. São três níveis de acesso: o primeiro nível é mais rápido e simples e atende razoavelmente bem ao usuário comum. O segundo nível visa atender aos profissionais onde são elencados os parâmetros arquitetônicos do projeto – orçando a variação na estrutura e cálculo do perímetro. Já o terceiro e último nível é para a inclusão de dados, onde o usuário colabora inserindo os dados na base do programa.

Segundo a professora, Teresa Cristina Martins Dias, que é chefe do Departamento de Estatística da UFSCar, “as técnicas estatísticas devem ser utilizadas para a melhoria e otimização dos procedimentos e sistemas da área da construção civil. Tais procedimentos como a avaliação de quantidade de concreto, aço e outros materiais são variáveis necessárias em uma construção. Isso pode diminuir o custo das obras e representar uma economia significativa no valor total da obra.

Os interessados podem acessar o sistema por meio do endereço: www.deciv.ufscar.br/consalv

Entrevistados
Guilherme Aris Parsekian
Currículo
– Engenheiro civil pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).
– Coordenador do curso de Engenharia Civil da UFSCar.
– Mestre em Engenharia de Estruturas – Escola de Engenharia de São Carlos (EESC/USP).
– Doutor em Engenharia Civil – Escola Politécnica da Universidade do Estado de São Paulo (EPUSP).
– Pós-doutorado na Universty of Calgary.
Contato: parsekian@ufscar.br

Teresa Cristina Martins Dias
Currículo
– Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
– Mestre em Computação e Matemática Computacional pelo Instituto de Ciências Matemáticas e da Computação (ICMC-SC-USP).
– Graduada em Estatística pelo Departamento de Estatística Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).
Contato: dtmd@ufscar.br

Jornalista responsável: Silvia Elmor – MTB 4417/18/57 – Vogg Branded Content


Tags:
Leia também:

1 Comentário