Caximba vai virar bairro sustentável em Curitiba

Revitalização prevê despoluição de áreas degradadas, construção de um parque linear e de mil moradias populares

Caximba vai virar bairro sustentável em Curitiba

Caximba vai virar bairro sustentável em Curitiba 1002 564 Cimento Itambé
Caximba

Projeto de como ficará o Bairro Novo da Caximba, após intervenção urbanística prevista para 2021. Crédito: IPPUC

Um dos principais transtornos ambientais para a cidade de Curitiba-PR ganhou um projeto da prefeitura da capital paranaense, que prevê transformar a vila 29 de Outubro, na Caximba, em um bairro sustentável. O lugar tornou-se conhecido nacionalmente depois que o apresentador Luciano Huck, da TV Globo, esteve no local e o comparou ao Haiti, em agosto de 2018. O prefeito de Curitiba, Rafael Greca, interveio na opinião de Huck e revelou o projeto de revitalização do local, cujo investimento está orçado em 200 milhões de reais.

Ele prevê a despoluição da área, incluindo os lagos, e a construção de um dique com 3 quilômetros de extensão, que irá mudar o cenário do bairro e permitir a construção de um parque linear. No local, as habitações irregulares construídas em áreas degradadas serão retiradas para dar lugar a um conjunto habitacional com mil unidades. As casas terão capacidade de gerar a própria energia, através de placas fotovoltaicas instaladas nos telhados, além de tecnologia para a coleta e o reaproveitamento da água da chuva.

O projeto na vila 29 de Outubro é do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) e mobiliza quase todas as secretarias da prefeitura. A previsão é de que saia do papel a partir de 2021. A região da Caximba está localizada no limite de Curitiba com os municípios de Araucária e Fazenda Rio Grande. No local, atualmente, há 1.147 famílias (cerca de 4.500 pessoas) vivendo em situação irregular e em condições insalubres, e que precisam ser reassentadas do território que ocupam para habitações regularizadas.

Os recursos para a transformação da área virão do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD). O projeto tem o nome oficial de Bairro Novo da Caximba. Em nota, a prefeitura de Curitiba define o empreendimento como desafiador. “A meta a longo prazo é ambiciosa: dotar a região com nível adequado de condições urbanísticas, sociais e ambientais”, afirma. O plano foi apresentado recentemente no Smart City Expo World Congress, que aconteceu de 13 a 15 de novembro de 2018, em Barcelona-Espanha.

Bairro da Caximba

Bairro da Caximba, entre Curitiba, Araucária e Fazenda Rio Grande: região é depósito irregular de resíduos da construção. Crédito: Daniel Castellano/SMCS

Bairro é alvo de resíduos da construção depositados irregularmente

Um dos desafios na vila 29 de Outubro, antes do início de qualquer projeto, é a retirada de lixo e do entulho acumulado na região. Só neste ano, a prefeitura de Curitiba já destinou 244 toneladas de materiais depositados irregularmente na região. Entre esses materiais estão resíduos da construção civil despejados em desacordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que desde 2010 deveria ser adotada por todos os municípios brasileiros.

Antes mesmo do PNRS, a capital paranaense já possuía o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil de Curitiba (Decreto 1.068/2004). Porém, segundo os dados mais recentes divulgados pelo SindusCon-PR, a cidade faz a destinação correta de apenas 25% dos entulhos recolhidos em canteiros de obras e áreas em reforma. Boa parte dos resíduos ainda são depositados irregularmente, e a maioria na região da Caximba.

Entrevistado
Prefeitura de Curitiba
(via assessoria de imprensa)

Contato: smcs@smcs.curitiba.pr.gov.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil