Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Expansão do Canal do Panamá é megaobra de R$ 10 bi

Área Técnica, Inovação, Obras Inovadoras, Sobre Cimento 16 de agosto de 2012

Entre os números impressionantes do empreendimento, está a previsão de consumo de 3 milhões de toneladas de cimento até 2014

Por: Altair Santos

Em 2000, o Canal do Panamá foi eleito pela Associação Norte-americana de Engenheiros Civis, junto com outras seis obras (a ponte Golden Gate, o Eurotúnel, o edifício Empire State, a torre Canadian National, a hidrelétrica de Itaipu e os diques holandeses) uma das sete maravilhas da engenharia do século passado. Portentosa, a obra construída para ligar os oceanos Atlântico e Pacífico – dando competitividade ao transporte marítimo -, levou 34 anos para ficar pronta, envolveu a mão de obra de 42 mil trabalhadores e consumiu 1.564.400 m³ de concreto. Sua inauguração ocorreu em 1914 e para comemorar o centenário, que acontece em 2014, o Canal do Panamá está em processo de expansão.

Construído entre 1880 e 1914: Canal do Panamá consumiu 1.564.400 m³ de concreto.

A nova obra permitirá que os chamados supernavios também cruzem os oceanos Atlântico e Pacífico com mais rapidez. Colossal, o empreendimento já desponta entre as megaconstruções mais importantes em andamento no mundo. Iniciado em 2009, o novo Canal do Panamá deverá ser inaugurado daqui a dois anos. Trata-se de um projeto orçado em US$ 5,25 bilhões (cerca de R$ 10 bilhões) e que consumirá pelo menos 3 milhões de toneladas de cimento. “Se para construir o primeiro Canal do Panamá foi usada pouca máquina e muito trabalho braçal, nesta nova obra a mecanização e a tecnologia estão a serviço da engenharia”, comenta o Diretor de Relações Internacionais do SindusCon-SP, Salvador de Sá Benevides, que em 2009, junto com uma comitiva do sindicato, visitou a instalação do canteiro de obras.

O novo Canal do Panamá na verdade é um desvio de 1,5 quilômetro de extensão, com 95 metros de largura e 60 metros de profundidade, o qual permitirá que embarcações de grande calado, que hoje não conseguem cruzar as comportas existentes, vençam o istmo localizado na América Central. Para isso, foi preciso que a indústria cimenteira localizada no Panamá recebesse investimentos na ordem de R$ 200 milhões, a fim de ampliar sua capacidade produtiva para 1,6 milhão de toneladas por ano. As obras são lideradas por um consórcio que engloba uma série de empresas multinacionais, incluindo a brasileira Gerdau, que fornecerá 17 mil toneladas de aço para a construção.

Mais obras

Nova etapa usa tecnologia avançada: construção, que começou em 2009, ficará pronta em 2014.

A missão do SindusCon-SP que esteve no Panamá vislumbrou que a expansão do canal está viabilizando também outros empreendimentos. Entre as oportunidades, existe a possibilidade de o país da América Central implementar um programa para zerar o déficit habitacional. Com 3,3 milhões de habitantes, o Panamá tem carência de 150 mil unidades residenciais. Há ainda espaço para obras de infraestrutura no país, o que tem feito o governo panamenho facilitar a importação de materiais de construção, permitindo que empresas de engenharia se instalem no país. Além disso, o Panamá tem servido de laboratório para novas tecnologias construtivas. “Em função do novo canal, o país se transformou em um canteiro de obras”, conclui Salvador de Sá Benevides.

Entrevistados
Salvador de Sá Benevides, coordenador da área de eventos e Missões do Comitê de Tecnologia e Qualidade do SindusCon-SP
Currículo
– Salvador de Sá Benevides é arquiteto com pós-graduação em administração de empresas e engenharia de segurança do trabalho
– No SindusCon-SP ocupa o cargo de diretor de relações internacionais e de coordenador da área de eventos e missões do Comitê de Tecnologia e Qualidade
– É diretor superintendente da Simétrica Engenharia
Contatos: sindusconsp@sindusconsp.com.br / simetrica@simetrica.com.br

Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Leia também: