Estaca pré-fabricada de concreto terá norma própria

Nova norma foi detalhada durante seminário da Abcic, no Construction Expo 2013.

Estaca pré-fabricada de concreto terá norma própria

Estaca pré-fabricada de concreto terá norma própria 1024 680 Cimento Itambé

Projeto, que em breve entrará em consulta pública, levou dois anos para ser elaborado pelo comitê de estacas pré-fabricadas de concreto da Abcic

Por: Altair Santos

Depois de dois anos de debates dentro de um dos comitês da Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto (Abcic) a primeira norma que vai tratar exclusivamente de estacas pré-fabricadas de concreto está pronta para ir a consulta pública. O CB-18 – Cimento, Concreto e Agregados, da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) está em fase de definição do número da norma e a expectativa é que a partir de julho de 2013 a nova NBR entre em discussão nacional.

Nova norma foi detalhada durante seminário da Abcic, no Construction Expo 2013.

Segundo o engenheiro civil Luís Fernando de Seixas Neves, secretário da comissão técnica da ABNT que trabalhou no conteúdo da nova norma, os objetivos são promover a qualidade das estacas pré-fabricadas de concreto, no que diz respeito à matéria-prima, aos parâmetros, ao controle de qualidade, ao manuseio de estocagem, ao transporte e à qualidade do material de suporte. O projeto tem como referência as NBRs 6118 (Projeto de estruturas de concreto – Procedimento) 9062 (Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado) e 6122 (Projeto e execução de fundações) que até que a nova norma entre em vigor seguem regulamentando o produto.

O anúncio de que as estacas pré-fabricadas de concreto terão uma norma exclusiva ocorreu no dia 6 de junho de 2013, durante o painel da Abcic, dentro do Construction Congresso – evento simultâneo ao Construction Expo, que aconteceu recentemente em São Paulo. No evento, houve o seminário “Desempenho e Confiabilidade das Estacas Pré-fabricadas de Concreto como Solução de Fundações Profundas”. O encontro destacou importantes aspectos para um bom desempenho dos produtos como solução de engenharia, englobando desde pontos relativos à fabricação dos elementos até sua efetiva aplicação nos canteiros de obras, passando também pelo controle de qualidade e normalização de todo o processo.

Industrial e artesanal

Os palestrantes foram os engenheiros Celso Nogueira Correia, especialista em solos e atualmente presidente da Associação Brasileira de Mecânica dos Solos – núcleo regional São Paulo; Ivan de Oliveira Joppert Júnior, especialista em fundações e mecânica de solos, e Luís Fernando de Seixas Neves, que trabalha com cálculo, projeto e consultoria em geotecnia e fundações. “No Brasil, as estacas confeccionadas industrialmente já alcançam padrões internacionais. O problema está nas estacas fabricadas artesanalmente, onde o controle de qualidade é baixo. Por isso, a necessidade de uma norma própria para o produto”, explica Seixas Neves.

As estacas pré-fabricadas de concreto são utilizadas frequentemente em obras onde há solo mole e o terreno resistente encontra-se há vários metros de profundidade. Neste caso, os elementos suportam as cargas da estrutura e as transferem, de forma equilibrada, para as camadas mais profundas e consistentes do solo. Elas são especificadas de acordo com a resistência e o formato, observando aspectos como carga de suporte, seção transversal, área de ponta ou perímetro das estacas. Em relação à seção transversal, as formas geométricas mais empregadas são circulares, quadradas, hexagonais e octogonais, podendo ter área de ponta vazada ou maciça.

As estacas também se diferenciam pelo processo de produção, podendo ser vibradas, centrifugadas, extrudadas, e pela armação protendida ou passiva. De acordo com a NBR 6122 (Projeto e execução de fundações), as dimensões do produto podem ir de 15 cm a 70 cm. Já o comprimento máximo deve ser de 12 metros. Se for preciso utilizar estacas mais longas, a norma recomenda emendar as peças com solda. Quanto ao concreto utilizado para a fabricação das estacas, Luís Fernando de Seixas Neves explica que deve ser um material de alta resistência inicial, que possibilite a desforma rápida e cujo módulo de elasticidade seja controlado para que haja um índice de quebra considerado satisfatório em obra.

Entrevistado
Luís Fernando de Seixas Neves, secretário da comissão técnica da ABNT que trabalhou no conteúdo da nova norma sobre estacas pré-fabricadas de concreto.
Currículo
– Luís Fernando de Seixas Neves é engenheiro civil graduado pela USP de São Carlos (2000) com mestrado na área de geotecnia e fundações.
– Tem experiência em execução de fundações em estacas pré-fabricadas e gerenciamento de fábrica de estacas pré-fabricadas de concreto.
– Atualmente é engenheiro civil e de fundações da Cepollina Eng. Cons. Ltda. Trabalha com cálculo, projeto e consultoria em geotecnia e fundações.
– Também é secretário da comissão técnica da ABNT que trabalhou no conteúdo da nova norma sobre estacas pré-fabricadas de concreto.
Contato: lfneves@cepollina.com.br
Créditos foto: Divulgação/Construction Expo 2013

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil